As cigarras são insetos barulhentos que aparecem de tempos em tempos. É possível, muitas vezes, identificar o canto destes animais a vários metros, ou até quilômetros de distância. Contudo, a palavra “cigarra” engloba uma grande variedade de insetos da superfamília Cicadoidea, que tem em torno de 3.400 espécies de cigarras. Destas tantas espécies, algumas são as chamadas cigarras anuais, enquanto outras são periódicas.

As cigarras anuais, como o nome indica, emergem do solo para cantar todos os anos, geralmente nas estações mais quentes. Já as periódicas apenas chegam ao estágio adulto em intervalos longos de tempo, e existem apenas 7 espécies com essa característica.

Três destas sete espécies são cigarras de 17 anos, enquanto quatro são de 13 anos. Esses números, por conseguinte, indicam o intervalo de tempo que os insetos passam no estágio de ninfa, enterrados no solo, se desenvolvendo para a vida adulta. Estes animais periódicos, inclusive, existem apenas na América do Norte.

Imagem: pedrofigueras/Pixabay

Cigarras passam pouco tempo fora da terra

Uma vez que uma fêmea de cigarra coloca seus ovos, as ninfas vão se desenvolver nas semanas seguintes (entre duas e dez). Após eclodirem dos ovos, as ninfas se enterram no solo, cavando buracos e se alimentando da seiva presente nas raízes das plantas.

Nesse estágio (que não é uma hibernação), as ninfas vão acumular nutrientes para desenvolver seus corpos e exoesqueletos. Mesmo antes de atingirem a idade adulta elas podem passar por mudas do exoesqueleto, ou ecdises. Uma cigarra anual geralmente irá passar entre 2 e 5 anos neste estágio da vida.

Após se desenvolverem completamente, portanto, estes insetos irão fazer a última troca do exoesqueleto, que acontece em galhos ou folhas de vegetais mais altos. As ninfas escalam os troncos com seus membros anteriores poderosos e se aderem ao substrato vegetal. O exoesqueleto marrom-claro então se rompe, liberando o inseto alado em sua forma adulta.

Exoesqueleto de uma ninfa de cigarra após realizar sua última muda. Imagem: murphychen/Pixabay

Em geral os adultos vivem apenas algumas semanas. Ou seja, tempo suficiente para se reproduzirem. Os machos, nesse sentido, produzem sons poderosos a partir de seu abdome oco com estruturas especializadas.

Após realizarem a cópula, os machos morrem pouco tempo depois, enquanto as fêmeas sobrevivem tempo suficiente para colocarem seus ovos em galhos e cascas de árvore.

Durante a fase adulta os insetos continuam se alimentando de seiva e, em geral, não causam grandes problemas a plantações.

AVISO: Esta publicação é de divulgação e educação sobre temas relacionados à saúde e não substitui o acompanhamento profissional de um médico, psicólogo, nutricionista ou outro especialista.

PROPAGANDA

Últimas matérias

Próximo Post