Connect with us

Hi, what are you looking for?

Planeta & Ambiente

10 sinais de que o clima da Terra está fora dos trilhos

(Crédito da imagem: Nicolaj Larsen / Shutterstock)

As mudanças climáticas já estão acontecendo, são reais e a culpa é nossa. E aqui estão algumas provas esmagadoras de como o clima na Terra está totalmente fora dos trilhos.

A invasão de ursos polares 

No começo de 2019, cerca de 52 ursos polares famintos ocuparam um pequeno assentamento de trabalho em um remoto arquipélago ártico russo. Não é nada raro ver ursos polares perto da costa sul da Rússia, onde convergem regularmente no inverno para a caça sazonal às focas. Mas o diluição do gelo marinho causado pelo aquecimento global provavelmente levou os ursos para o interior em busca de alimento. O lixo comestível nos caixotes na rua e lixeiras da cidade provavelmente impediu que os animais migrassem mais para o norte e levou as autoridades regionais a declarar o estado de emergência.

Continua depois da publicidade

Alguns ursos polares se entregam a uma pilha de lixo. (Crédito da imagem: Shutterstock)

Níveis recorde de dióxido de carbono 

Em 2019, cientistas mediram mais dióxido de carbono na atmosfera do que há 800.000 anos – desde antes de nossa espécie evoluir. Os seres humanos estão queimando combustíveis fósseis, causando a liberação de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa. E, como resultado, todos os anos, a Terra vê cerca de 3 ppm a mais de dióxido de carbono no ar.

Os cientistas mediram mais dióxido de carbono na atmosfera do que em 800.000 anos. (Crédito da imagem: Shutterstock)

O permafrost do Ártico está desaparecendo rapidamente

Este ano, as camadas do permafrost que os cientistas esperavam permanecer congeladas por pelo menos 70 anos já começaram a descongelar. Isso é no mínimo chocante pois, os especialistas em clima previram que as temperaturas do ar não seriam suficientemente quentes para derreter o solo congelado até depois de 2090. No entanto, os pesquisadores acreditam que temperaturas mais altas no verão, baixos níveis de vegetação isolante e presença de gelo próximo à superfície contribuíram ao degelo excepcionalmente rápido e profundo.

Vista aérea do derretimento do permafrost. (Crédito da imagem: Georgy Golovin / Getty)

Alaska ficou extremamente mais quente

Este ano, pela primeira vez na história, Anchorage, no Alasca, chegou a 32 graus Celsius. Essa temperatura sufocante, registrada em 4 de julho, significava que a cidade normalmente coberta de neve, a apenas 595 quilômetros do Círculo Polar Ártico, era mais quente que a cidade de Nova York.

Continua depois da publicidade

(Crédito da imagem: jared lloyd / Getty)

Incêndios no Ártico visíveis do espaço

 O Observatório Terrestre da NASA capturou imagens dos mais de 100 incêndios florestais que queimam no Ártico no final de julho. O Ártico está esquentando mais rápido do que outras partes do mundo, facilitando a proliferação de incêndios por lá. Os maiores incêndios – provavelmente provocados por raios – estavam localizados nas regiões de Irkutsk, Krasnoyarsk e Buriácia, segundo o Earth Observatory e, juntos, queimaram mais de 1.295 km² de terra.

(Crédito da imagem: Suomi NPP – VIIRS / NASA Earth Observatory)

Mais de 200 renas morreram de fome

Pesquisadores encontraram mais de 200 renas mortas na ilha de Svalbard, na Noruega. Os animais morreram de fome porque as mudanças climáticas interromperam seu acesso às plantas que eles normalmente comem. As mudanças climáticas trazem temperaturas mais quentes a Svalbard, o que resulta em mais chuva. Depois que a forte chuva atingiu o chão, a precipitação congelou, criando uma espessa camada de gelo que impedia que as renas atingissem a vegetação em suas pastagens de inverno, fazendo com que elas morressem de fome.

(Crédito da imagem: Shutterstock)

Julho foi o mês mais quente já registrado

Julho de 2019 foi muito, muito calor. Estava pelo menos tão quente quanto o mês mais quente de todos os tempos, registrado em junho de 2016, e pode até ter sido mais quente. O recorde colocou 2019 no caminho certo para estar entre os cinco melhores anos mais quentes da história.

Continua depois da publicidade

(Crédito da imagem: Shutterstock)

Mais da metade da camada de gelo da Groenlândia derreteu

 217 bilhões de toneladas de água fluiu da camada de gelo da Groenlândia para o Oceano Atlântico em julho deste ano. O pior dia de derretimento foi 31 de julho, quando 11 bilhões de toneladas de gelo derretido foram lançadas no oceano. Esse é um dos piores derretimentos desde 2012.

(Crédito da imagem: Nicolaj Larsen / Shutterstock)

As temperaturas de setembro também estabeleceram um recorde

O mês de Setembro também se juntou à lista dos meses mais quentes já registrados. Este mês de setembro empatou o recorde de setembro mais quente do planeta desde que a manutenção de registros começou, há 140 anos, e foi a mais quente já registrada na América do Norte. No entanto, não foi apenas setembro que experimentou um calor incomum; 2019 também viu o segundo mês mais quente de janeiro a setembro já registrado, de acordo com um relatório climático da NOAA.

(Crédito da imagem: Ali Burafi / AFP / Getty Images)

Bactérias devoradoras de carne estão se espalhando

Em 2019, pesquisadores divulgaram um relatório que descreve como as bactérias “devoradoras de carne” que vivem no oceano podem estar se espalhando para águas de praia que anteriormente não afetadas, graças às mudanças climáticas.

Continua depois da publicidade

Os autores do relatório descreveram cinco casos de graves infecções bacterianas comedoras de carne em pessoas que foram expostas a água ou frutos do mar da baía de Delaware, que fica entre Delaware e Nova Jersey. Tais infecções têm sido historicamente raras na Baía de Delaware, pois a bactéria responsável pela doença, chamada Vibrio vulnificus, prefere águas mais quentes, como as do Golfo do México.

Mas com o aumento da temperatura do oceano devido à mudança climática, V. vulnificus pode estar se deslocando mais para o norte, tornando essas infecções mais comuns em áreas que anteriormente estavam fora dos limites, disseram os autores.

FONTE / LiveScience

Continua depois da publicidade
Comentários

Populares hoje

Saúde & Bem-Estar

Uma empresa israelense chamada CorNeat Vision desenvolveu uma córnea sintética e permitiu a um homem de 78 anos, cego há dez anos, recuperar totalmente...

Tecnologia

Muitos especialistas em estratégia militar alertam que as guerras do futuro não serão terrestres, mas confrontos sob o signo da inteligência artificial e do...

História & Humanidade

Os sapiens não são a única espécie humana que já circulou pela Terra, embora hoje só nós estejamos vivos. Fora os sapiens, a espécie...

História & Humanidade

Nós possuímos, em nosso DNA, registros de um ancestral misterioso, que acasalou com espécies humanas há aproximadamente um milhão de anos.