NaturezaContinente antigo e misterioso é descoberto embaixo da Europa

Foi descoberto um mega continente que deslizou sob a Europa centenas de milhões de anos atrás.
Ashley Cowie, Ancient Origins2 dias atrás9 minO Corno Grande, o pico mais alto das montanhas dos Apeninos, destaca-se entre as nuvens. Os Apeninos no centro da Itália fazem parte dos restos do antigo continente da Grande Adria, revelou a investigação tectônica. FOTOGRAFIA DE GUIDO PARADISI, FOTO DE ALAMY STOCK
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/09/continent-grande-adria-2-1280x1280.jpg

Embora hoje em dia nos deparemos com padrões climáticos extremos e com os efeitos das alterações climáticas, nunca houve um momento mais seguro para viver no planeta Terra. Há 140 milhões de anos, um supercontinente chamado Grande Adria deslizou sob a massa terrestre que hoje é o sul da Europa e os investigadores recriaram visualmente o continente perdido.

A revista Science informou sobre o novo estudo que foi publicado no início deste mês na revista Gondwana Research, que estabeleceu que Gondwana, um vasto supercontinente do sul composto pela África, Antártida, América do Sul e Austrália, incluía a “Grande Adria”, uma massa terrestre que se estendeu do que são agora os Alpes até ao Irã.

O autor principal do artigo, Douwe van Hinsbergen, presidente da tectônica e paleogeografia global do Departamento de Ciências da Terra da Universidade de Utrecht, na Holanda, disse que nem toda a massa terrestre estava acima da água e que era uma série de ilhas ou arquipélagos, que teriam sido “bons para mergulho”, acrescentou.

Deslocamento Continental

Segundo um relatório da National Geographic, há cerca de 240 milhões de anos, a Grande Adria fazia parte do supercontinente Pangeia que se separou da África 20 milhões de anos depois, antes de se separar da França e da Espanha 40 milhões de anos depois, tornando-se um continente isolado. Entre 100 milhões e 120 milhões de anos atrás, a Grande Adria esmagou-se na Europa e desmoronou-se por baixo dela, formando os Alpes e consagrando as rochas que as equipes de geólogos passaram uma década a recolher do antigo continente.

Cerca de 140 milhões de anos atrás, a Grande Adria – que mais tarde foi empurrada para o sul da Europa – era uma massa terrestre do tamanho da Groenlândia (porções submersas em verde-acinzentado) ao sul do continente. VAN HINSBERGEN ET AL., PESQUISA EM GONDWANA (2019)

Hinsbergen disse à Live Science que o deslocamento da Grande Adria formou cinturões de montanhas em 30 países diferentes, cada um com seu próprio levantamento geológico, mapas, histórias e seus próprios continentes, e disse que o novo estudo “uniu tudo isso em um único grande quadro”.

Você sabe como é problemático medir e montar uma cadeira de escritório Ikea, certo? Bem, onde na terra você começa a medir o movimento de um continente inteiro, e então interpretar todos os dados com precisão suficiente para chegar a uma conclusão, especialmente uma revisão por pares? É como um grande quebra-cabeça, disse Hinsbergen, onde todos os pedaços e peças estão misturados e ele disse à Live Science que passou “os últimos 10 anos fazendo o quebra-cabeça novamente”.

Explorando vulcões e recifes de corais

Os pesquisadores começaram por estudar as orientações medidas em minúsculos minerais magnéticos que tinham sido formados por bactérias primevas nestas rochas, que se alinham com o campo magnético da Terra. Quando estas bactérias morrem, os minerais magnéticos residuais deixados para trás no sedimento transformam-se eventualmente na rocha, travando nas orientações originais das bactérias, que os investigadores inverteram projetando-as para centenas de milhões de anos atrás.

Se considerarmos o que um único terremoto ou erupção vulcânica pode fazer a uma paisagem; torcendo e dobrando-a além do reconhecimento, como os cientistas levaram isso em conta ao calcular as orientações originais das partículas magnéticas? Já para não falar que o pólo magnético nunca está parado e se move para trás e para a frente em arcos ao longo dos milênios. Hinsbergen disse que falhas em movimento dispersam rochas como pedaços “de uma placa quebrada”. Assim, sua equipe de pesquisadores trabalhou como um esquadrão de restauradores antigos altamente treinados trabalhando em um vaso Ming esmagado, primeiro coletando, depois reunindo grandes rochas que já haviam sido combinadas de cordas de vulcões e recifes de coral.

Esfolados e Congelados no Tempo

Tendo passado mais de dez anos reunindo e estudando grupos de rochas, e com uma tabela de combinações de orientações magnéticas, os pesquisadores finalmente criaram mapas de alta resolução do continente antigo. Seus resultados confirmam que antes de deslizar nas profundezas do manto sob a massa terrestre européia, o antigo continente “torceu” e se moveu para o norte e a camada superior esfolada nas placas sobrepostas formando o que mais tarde se tornaria as montanhas da Itália, Turquia, Grécia, os Alpes e os Balcãs.

Hoje, se visitássemos o Mar Adriático, virássemos as costas para a água e subíssemos às montanhas circundantes, estaríamos a lutar contra os restos amassados; a camada de um continente perdido que agora borbulha através dos vulcões e geezers da Grécia e da Itália.