A extinção do megalodon: causa e efeito

Apesar de nosso fascínio pelo megalodon, o parente enorme e extinto do grande tubarão-branco, ainda não sabemos muito sobre a vida e a sua extinção. Ainda não se sabe ao certo por que o último megolodon morreu há mais de 2,5 milhões de anos.

O Carcharocles megalodon teve muito sucesso durante um longo período há milhões de anos, e isso não é apenas por causa do tamanho do predador e da ferocidade. Esta espécie patrulha as costas dos oceanos Atlântico, Pacífico e Índico por cerca de 20 milhões de anos. Poucas criaturas podem reivindicar tal registro. E isso é o que torna o seu desaparecimento ainda mais intrigante.

Mudanças climáticas

As mudanças climáticas podem ter tido um papel importante na extinção do maior tubarão que já existiu.

O C. megalodon é frequentemente considerado um caçador de águas mornas, e assim continua o argumento, à medida que a temperatura do mar diminuía no final do Plioceno, baleias, focas e outros mamíferos gordurosos nos quais o tubarão contava para se alimentar migraram para mares gelados, onde o tubarão não pôde segui-los. O lamentável seláquio foi simplesmente deixado para trás quando cetáceos fugiram em massa para os polos.

Para comprovar essa teoria, a paleontóloga Catalina Pimiento e colegas utilizaram o Banco de Dados de Paleobiologia para analisar as ocorrências de C. megalodon ao longo do tempo em relação ao clima. Ao contrário do que se pensava anteriormente, a temperatura provavelmente não congelou até sua extinção.

Há cerca de 20 milhões de anos, o C. megalodon nadou principalmente pelas águas do hemisfério norte. As populações se expandiram cerca de 15 milhões de anos atrás, escrevem os pesquisadores, mas a partir daí as populações de tubarões diminuíram constantemente. Porém, isso aconteceu independente do clima, nos períodos em que houveram baixas de temperatura, os tubarões aparentam não sido afetados.

Se as águas geladas não levaram os enormes tubarões à extinção, o que poderia ter acontecido? Catalina e os co-autores de um estudo publicado no Journal of Biology têm algumas ideias sobre a extinção.

Dois grandes eventos no Mioceno

Estima-se que a extinção dos grandes tubarões iniciou-se por volta da metade Mioceno. Isso coincidiu com dois grandes eventos, em um contexto em que houve uma queda na diversidade de baleias, houve a evolução de uma forte concorrência para o C. megalodon: grandes tubarões próximos aos ancestrais das grandes baleias-brancas que se comportaram caçando como as orcas da atualidade. Com menos baleias grandes e um número cada vez maior de predadores com os quais os jovens megalodons lutariam para conseguir comida suficiente para sobreviver. Havia menos comida para um grupo de predadores que dependiam de presas quentes e gordurosas.

Mas essa obviamente essa não é uma resposta definitiva, há muito poucos dados a cerca desse tão temido predador da antiguidade. A maior parte do que se sabe sobre C. megalodon vem dos dentes, da vértebra ocasional e de algumas marcas de mordidas.

A única certeza que se pode ter é de que esse enorme tubarão está extinto, o fóssil mais recente já encontrado é de 2,5 milhões de anos atrás.

Compartilhar