Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Tubarão-baleia possui notável capacidade de se recuperar de ferimentos

Volker Lekies/Pixabay

Um novo estudo explorou pela primeira vez o extraordinário ritmo a que o maior peixe do mundo, o ameaçado de extinção tubarão-baleia, pode se recuperar de seus ferimentos. As descobertas revelam que lacerações e abrasões, cada vez mais causadas por colisões com barcos, podem curar em questão de semanas e os pesquisadores encontraram evidências de rebrota de barbatanas dorsais parcialmente removidas.

Este trabalho, publicado na revista Conservation Physiology, vem em um momento crítico para estes grandes tubarões, que podem atingir comprimentos de até 18 metros. Outros estudos recentes mostraram que à medida que sua popularidade dentro do setor de turismo de vida selvagem aumenta, também aumentam as interações com seres humanos e o tráfego de barcos. Como resultado, estes tubarões enfrentam uma fonte adicional de ferimentos além das ameaças naturais, e alguns destes gigantes do oceano exibem cicatrizes causadas por colisões de barcos. Até agora muito pouco se sabia sobre o impacto de tais ferimentos e como eles podem se recuperar.

“Estas descobertas básicas nos fornecem um entendimento preliminar da cura de ferimentos nesta espécie” diz a autora principal Freya Womersley, uma estudante de doutorado da Universidade de Southampton, com sede na Marine Biological Association, Reino Unido. “Queríamos determinar se havia uma maneira de quantificar o que muitos pesquisadores estavam testemunhando anedotamente no campo, e assim criamos uma técnica de monitoramento e análise de lesões ao longo do tempo”.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

As marcas únicas dos tubarões-baleia permitem aos pesquisadores em todo o mundo identificar indivíduos e monitorar populações regionais, fazendo uso de sites como o WildBook, onde as pessoas podem carregar fotos de seus avistamentos de tubarões. Para este estudo, a equipe de pesquisa examinou fotografias tiradas por cientistas cidadãos, pesquisadores e a indústria do turismo de tubarões-baleia em dois sites no Oceano Índico onde os tubarões frequentemente se reúnem, e usou estas marcações para padronizar entre as imagens. Este método permitiu à equipe comparar fotografias tiradas sem equipamento especializado ao longo do tempo e aumentou a quantidade de dados disponíveis para avaliar e monitorar como as feridas individuais mudaram.

“Usando nosso novo método, conseguimos determinar que estes tubarões podem curar ferimentos muito graves em prazos de semanas e meses”, diz Freya. “Isto significa que agora temos um melhor entendimento das lesões e da dinâmica de cura, o que pode ser muito importante para a gestão da conservação”.

Freya Womersley et al

O estudo também destacou a capacidade dos tubarões-baleia de rebrotar uma barbatana dorsal parcialmente amputada, fenômeno que, para o conhecimento dos autores, era desconhecido. De maior interesse, suas marcas únicas de manchas também foram observadas se formando sobre manchas previamente feridas, o que sugere que estas belas marcas são uma característica importante para esta espécie e persistem mesmo após serem danificadas.

Estas capacidades de cura sugerem que os tubarões-baleia podem ser resistentes a impactos causados por humanos, mas os autores deste trabalho observam que pode haver muitos outros impactos menos reconhecíveis de lesões a estes animais, tais como redução da aptidão física, capacidade de forragem e comportamentos alterados; portanto, as lesões precisam ser evitadas sempre que possível. Eles também encontraram variações nas taxas de cicatrização, com lacerações, típicas dos ferimentos causados por hélices, levando mais tempo para cicatrizar do que outros tipos de ferimentos, destacando a necessidade de mais pesquisas para determinar a influência de fatores ambientais e individuais mais matizados na cicatrização dos ferimentos.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

A gestão cuidadosa dos locais de agregação de tubarões-baleia, que ocorrem sazonalmente em várias regiões costeiras do mundo, é essencial para garantir que os tubarões estejam protegidos enquanto passam tempo em áreas de alta atividade humana. Se os tubarões forem encontrados com lesões nesses locais, pesquisas como essa podem ajudar as equipes locais a estimar a idade da lesão e fazer avaliações sobre onde e como ela pode ter sido infligida com base no conhecimento dos movimentos dos tubarões-baleia e a tendência de retornar aos mesmos locais.

Pesquisas recentes afirmaram que 71% dos tubarões pelágicos diminuíram nos últimos 50 anos, e destacaram a necessidade de reforçar as proteções para este importante grupo de habitantes do oceano.

Freya conclui: “Os tubarões-baleia têm experimentado um declínio populacional global de uma variedade de ameaças como resultado da atividade humana. Portanto, é imperativo minimizar os impactos humanos sobre os tubarões-baleia e proteger as espécies onde eles são mais vulneráveis, especialmente onde as interações humanas são elevadas.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

“Ainda há um longo caminho a percorrer para compreender a cura dos tubarões-baleia e das espécies de tubarões em geral, mas nossa equipe espera que estudos de base como este possam fornecer evidências cruciais para os tomadores de decisões de gerenciamento que possam ser usadas para salvaguardar o futuro dos tubarões-baleia”.

O estudo científico foi publicado em Conservation Physiology. Com informações de Universidade de Southampton.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Élisson Amboni
Publicado por

Fundador da Sociedade Científica, escreve e traduz para o site sobre vários temas que lhe dão ímpeto. Você pode encontrá-lo no Twitter clicando aqui.

Faça um comentário

Notícia

Durante o desenvolvimento embrionário, os mamíferos (a maioria deles) crescem na cavidade do útero da mãe. Esse ambiente vai se dilatando e desenvolvendo ao...

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Saúde & Bem-Estar

Os exercícios de alta intensidade de intervalos (HIIT) se tornaram populares nos últimos anos por uma série de razões. Eles não exigem tanto tempo...

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.