Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espaço

Supernovas podem ter causado extinção em massa em nosso planeta

Imagem ilustrativa e não representa o evento descrito pelos pesquisadores.

Raios cósmicos assassinos de supernovas próximas poderiam ser o culpado por trás de pelo menos um evento de extinção em massa, afirmaram pesquisadores, e encontrar certos isótopos radioativos no registro rochoso da Terra poderia confirmar este cenário.

Em um novo estudo conduzido pela Universidade de Illinois, o professor de física e astronomia Brian Fields explora a possibilidade de que eventos astronômicos tenham sido responsáveis por um caso de extinção há 359 milhões de anos, na fronteira entre os períodos Devoniano e Carbonífero.

A equipe concentrou-se na fronteira Devonio-Carbonífero porque essas rochas contêm centenas de milhares de gerações de esporos de plantas que parecem ter sido queimados por luz ultravioleta – evidência de um evento de longa duração de destruição da camada de ozônio.

Continua depois da publicidade

“Catástrofes terrestres como o vulcanismo em larga escala e o aquecimento global também podem destruir a camada de ozônio, mas as evidências para estas são inconclusivas para o intervalo de tempo em questão”, disse Fields. “Em vez disso, propomos que uma ou mais explosões de supernovas, a cerca de 65 anos-luz da Terra, poderiam ter sido responsáveis pela perda prolongada do ozônio”.

“Para colocar isto em perspectiva, uma das ameaças de supernovas mais próximas hoje é da estrela Betelgeuse, que está a mais de 600 anos-luz e bem fora da distância mortal de 25 anos-luz”, disse a estudante de pós-graduação e co-autora do estudo Adrienne Ertel.

A equipe explorou outras causas astrofísicas para a destruição da camada de ozônio, tais como impactos de meteoritos, erupções solares e explosões de raios gama. “Mas estes eventos terminam rapidamente e é improvável que causem o esgotamento duradouro da camada de ozônio que aconteceu no final do período Devoniano”, disse o estudante de pós-graduação e co-autor de estudos Jesse Miller.

Continua depois da publicidade

Uma supernova, por outro lado, pode ser a causa, disseram os pesquisadores. A explosão banha imediatamente a Terra com raios UV, raios X e raios gama nocivos. Mais tarde, a explosão dos detritos da supernova se abate sobre o sistema solar, sujeitando o planeta à irradiação de longa duração dos raios cósmicos acelerada pela supernova. Os danos à Terra e sua camada de ozônio podem durar até 100.000 anos.

Entretanto, as evidências fósseis indicam um declínio de 300.000 anos na biodiversidade, levando à extinção em massa do Devonio-Carbonífero, sugerindo a possibilidade de múltiplas catástrofes, talvez até mesmo múltiplas explosões de supernovas. “Isto é inteiramente possível”, disse Miller. “Estrelas massivas geralmente ocorrem em grupos com outras estrelas massivas, e outras supernovas provavelmente ocorrerão logo após a primeira explosão”.

A equipe disse que a chave para provar que ocorreu uma supernova seria encontrar os isótopos radioativos plutônio-244 e samário-146 nas rochas e fósseis depositados no momento da extinção. “Nenhum destes isótopos ocorre naturalmente na Terra hoje, e a única maneira de chegar aqui é através de explosões cósmicas”, disse o estudante de graduação e co-autor Zhenghai Liu.

Continua depois da publicidade

As espécies radioativas nascidas na supernova são como bananas verdes, disse Fields. “Quando você vê bananas verdes em Illinois, você sabe que elas são frescas, e você sabe que elas não cresceram aqui”. Como as bananas, Pu-244 e Sm-146 decaem com o tempo. Portanto, se encontrarmos estes radioisótopos na Terra hoje, sabemos que eles são frescos que não são daqui – as bananas verdes do mundo isotópico – e, portanto, as armas fumegantes de uma supernova próxima“.

Os pesquisadores ainda não procuraram por Pu-244 ou Sm-146 nas rochas do limite Devonio-Carbonífero. O estudo da equipe de Fields pretende definir os padrões de evidência no registro geológico que apontariam para explosões de supernovas.

“A mensagem principal de nosso estudo é que a vida na Terra não existe isoladamente”, disse Fields. “Somos cidadãos de um cosmo maior, e o cosmo intervém em nossas vidas – muitas vezes imperceptivelmente, mas às vezes ferozmente”.

Continua depois da publicidade

O artigo foi publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences. Este release foi originalmente publicado na Universidade de Illinois. Tradução de Redação SoCientífica.

MAIS INFORMAÇÕES: Supernovas podem ter causado uma das principais extinções da Terra

Continua depois da publicidade
Da Redação
Publicado por

A SoCientífica, abreviação para Sociedade Científica, nasceu em agosto de 2014 da vontade de decifrar as novidades no mundo científico e transmiti-las para uma sociedade que depende da ciência e tecnologia mas que sabe muito pouco sobre elas. Em um momento em que a desconfiança está se sobressaindo e novas ondas negacionistas de evidências surgem, a SoCientífica está empenhada em ajudar a trazer iluminação para a sociedade novamente.


Populares hoje

Ciência

Na Paleontologia, encontrar novas peças que pertenceram a milhões de anos atrás é um dos principais objetos de estudo. No entanto, durante uma expedição...

Notícia

Os hominídeos Homo antecessor são parentes bem antigos dos Homo sapiens. Esses humanos ancestrais habitavam vastas regiões da Europa entre 1,2 milhões e 800...