Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Estudo pode contribuir para aumentar taxa de sucesso de gestação em bovinos

Existe uma comunicação bioquímica entre o embrião e o útero que pode ser fundamental para garantir o desenvolvimento da gestação em bovinos.

Estima-se que entre 20% e 40% das gestações em bovinos sejam perdidas ainda na fase embrionária. As causas da mortalidade ou os fatores que afetam a sobrevivência dos embriões e a continuidade da gestação bovina, porém, ainda não foram totalmente elucidados.

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), campus de Pirassununga, em colaboração com colegas das universidades da Flórida, nos Estados Unidos, e da Antuérpia, na Bélgica, indicou que há uma comunicação bioquímica entre o embrião e o útero que pode ser fundamental para garantir o desenvolvimento ideal e o estabelecimento bem-sucedido da gestação em bovinos.

Os resultados do estudo, apoiado pela FAPESP, foram publicados na revista Scientific Reports.

Continua depois da publicidade

LEIA TAMBÉM: Estudo mensura impacto da agropecuária na dieta de mamíferos silvestres

“Constatamos que há uma comunicação bioquímica do embrião com o útero muito mais cedo do que se pensava, no sétimo dia de gestação”, disse Mário Binelli, professor da Universidade da Flórida e coordenador do projeto, à Agência FAPESP.

“Já nesse estágio de desenvolvimento, o embrião tem a capacidade de alterar a composição bioquímica do ambiente uterino e, provavelmente, essas mudanças beneficiam o desenvolvimento embrionário”, disse Binelli.

Continua depois da publicidade

De acordo com o pesquisador, na fase embrionária da gestação em bovinos, o embrião transita das tubas (oviduto) para a luz do útero, onde permanece frouxamente preso durante um período de 20 dias até sua implantação e início da formação da placenta (placentação).

Esse período é crítico para a prenhez, uma vez que 40% dos embriões morrem nessa fase. Já após a implantação, a mortalidade embrionária diminui à medida que os embriões passam a receber nutrientes por meio da placenta.

Até então, não tinha sido levantada a hipótese de que o embrião bovino poderia influenciar o útero materno no início da fase pré-implantação, uma vez que, nesse estágio, ele é muito pequeno – tem entre 100 e 200 células – e microscópico, medindo 200 micrômetros, aproximadamente.

Continua depois da publicidade

“A ideia vigente era de que, nessa fase, o embrião só receberia passivamente nutrientes e estímulos do trato reprodutivo materno, sem nenhuma atuação”, disse Binelli.

Outro estudo recente realizado pelo mesmo grupo de pesquisadores mostrou, contudo, que a presença do embrião no sétimo dia de gestação altera a transcrição de alguns genes específicos no trato reprodutivo.

Mas não era sabido se, além de modificar a transcrição gênica, os embriões poderiam liberar sinais capazes de alterar a composição bioquímica do microambiente uterino, de modo a beneficiar o seu desenvolvimento.

Continua depois da publicidade

LEIA TAMBÉM: Agrotóxico utilizado contra fungos também pode matar abelhas

A fim de avaliar essa hipótese, os pesquisadores analisaram a concentração de determinadas moléculas – que, estima-se, desempenham um papel importante na gestação em bovinos – no endométrio (mucosa que recobre a face interna do útero) de vacas inseminadas e detectadas gestantes sete dias após o cio e em vacas não inseminadas e, consequentemente, não gestantes.

Os resultados das análises indicaram que a presença do embrião no sétimo dia de gestação aumentou a concentração de moléculas derivadas da via das lipoxigenases (uma família de enzimas envolvidas no metabolismo de eicosanoides) e diminuiu a de aminoácidos, aminas biogênicas, acilcarnitinas e fosfolipídios no endométrio das vacas inseminadas.

Continua depois da publicidade

“Observamos que, possivelmente, há uma série de interações bioquímicas entre o embrião que está se desenvolvendo e o útero que podem ser mais ou menos ideais para atender às necessidades dele e possibilitar que a prenhez seja bem-sucedida”, disse Binelli.

“Avanços no conhecimento das condições ideais para o desenvolvimento embrionário durante essa fase inicial, em que um grande número de gestações é perdido, melhorariam a produtividade e a lucratividade da pecuária”, disse.

Embriões in vitro

Continua depois da publicidade

De acordo com o pesquisador, os resultados do estudo podem contribuir para aprimorar o desenvolvimento de embriões bovinos in vitro, em que o Brasil se destaca como maior produtor mundial.

Apesar de bem-sucedida, a técnica ainda apresenta falhas. “Ainda há muita perda de embriões, provavelmente porque ainda não se consegue mimetizar in vitro, ou seja, fora do trato reprodutivo animal, o que acontece in vivo no útero bovino”, apontou Mariana Sponchiado, primeira autora do artigo, que desenvolveu o estudo durante seu doutorado em andamento na USP e na Universidade da Antuérpia.

LEIA TAMBÉM: Nova tecnologia permite manipular facilmente o sexo de bebês através do esperma

Continua depois da publicidade

“Ao avançar na caracterização do ambiente uterino ideal para o desenvolvimento embrionário seria possível mimetizar essas condições in vitro”, afirmou Sponchiado.

O artigo The pre-hatching bovine embryo transforms the uterine luminal metabolite composition in vivo, de Mariana Sponchiado, Angela M. Gonella-Diaza, Cecília C. Rocha, Edson G. Lo Turco, Guilherme Pugliesi, Jo L. M. R. Leroy e Mario Binelli, pode ser lido na Scientific Reports em www.nature.com/articles/s41598-019-44590-9.

 

Continua depois da publicidade

Este texto foi originalmente publicado por Agência FAPESP de acordo com a licença Creative Commons CC-BY-NC-ND. Leia o original aqui.

Comentários

Populares hoje

Saúde & Bem-Estar

Uma empresa israelense chamada CorNeat Vision desenvolveu uma córnea sintética e permitiu a um homem de 78 anos, cego há dez anos, recuperar totalmente...

Tecnologia

Muitos especialistas em estratégia militar alertam que as guerras do futuro não serão terrestres, mas confrontos sob o signo da inteligência artificial e do...

História & Humanidade

Os sapiens não são a única espécie humana que já circulou pela Terra, embora hoje só nós estejamos vivos. Fora os sapiens, a espécie...

História & Humanidade

Nós possuímos, em nosso DNA, registros de um ancestral misterioso, que acasalou com espécies humanas há aproximadamente um milhão de anos.