Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Pesquisadores descobrem fósseis de dinossauros no sul de Goiás

Trabalho em conjunto da UFG, UEG e University of Edinburgh descreve fragmentos que revelam a diversidade da fauna há 80 milhões de anos.

Imagem ilustrativa.

Um grupo de pesquisadores baseado no Laboratório de Paleontologia e Evolução do curso de Geologia da Universidade Federal de Goiás (UFG) coletou e descreveu uma série de fósseis que revelam a diversidade de animais que habitavam o sul do Estado há 80 milhões de anos. Os vestígios de dinossauros, tartarugas e crocodiliformes, descobertos na região de Quirinópolis e Rio Verde, datam do período Cretáceo – era geológica que antecedeu o impacto do meteoro que extinguiu os dinossauros do planeta.

Arte faz a reconstrução do sul de Goiás na Era dos Dinossauros. Créditos: Luiz Felipe Fernandes

O professor da UFG, Carlos Roberto Candeiro, explica que as novas descobertas ampliam o conhecimento acerca das espécies de vertebrados terrestres que viviam na região. Até então, a maioria dos registros havia sido feita em Mato Grosso, oeste de São Paulo e Triângulo Mineiro. Em Goiás, os fósseis pertenciam apenas a um tipo indeterminado de saurópode – dinossauro herbívoro de pescoço e cauda longos. Já as amostras mais recentes incluem tartarugas e parentes muito antigos dos crocodilos.

Entre os fósseis encontrados pelo grupo estão fragmentos de dente, costela e do osso da pata atribuídos ao titanossauro, um dinossauro de médio a grande porte que habitava a Gondwana – o supercontinente do hemisfério Sul composto pela América do Sul, África, Antártida, Austrália e Índia. Estima-se que o titanossauro possuía cerca de 12 metros de comprimento e 6 metros de altura, se alimentando de folhas no topo das árvores.

Laboratório

Publicidade. A leitura continua abaixo.

O Laboratório de Paleontologia e Evolução é ligado ao curso de Geologia da Faculdade de Ciências e Tecnologia do Câmpus Aparecida da UFG. Também participaram do trabalho pesquisadores da Universidade Estadual de Goiás (UEG/Câmpus Quirinópolis) e da University of Edinburgh, da Escócia. A descoberta foi publicada no Journal of South America Earth Sciences, um dos mais importantes periódicos voltados às Ciências da Terra. A pesquisa foi financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg).

Publicado originalmente no Jornal UFG.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Redação
Publicado por

A SoCientífica, abreviação para Sociedade Científica, nasceu em agosto de 2014 da vontade de decifrar as novidades no mundo científico e transmiti-las para uma sociedade que depende da ciência e tecnologia mas que sabe muito pouco sobre elas. Em um momento em que a desconfiança está se sobressaindo e novas ondas negacionistas de evidências surgem, a SoCientífica está empenhada em ajudar a trazer iluminação para a sociedade novamente.

Faça um comentário

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Saúde & Bem-Estar

Os exercícios de alta intensidade de intervalos (HIIT) se tornaram populares nos últimos anos por uma série de razões. Eles não exigem tanto tempo...

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.

Espaço

Trouxemos uma pequena seleção das mais belas fotos da superlua que iluminou os céus esta semana. Confira agora mesmo.