Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espaço

Meteoritos de Marte contêm pistas sobre a geologia do planeta vermelho

(Créditos da imagem: NASA/JPL-CALTECH/MSSS)

Apesar da pandemia, a NASA está a caminho de lançar seu rover Perseverance em julho deste ano de Cabo Canaveral, na Flórida. Sua missão central será procurar evidências de vidas antigas em Marte.

Um componente interessante do veículo espacial será uma broca especializada que coletará amostras de rocha e solo a serem armazenadas em cache na superfície de Marte. Se tudo correr conforme o planejado, o cache será recuperado por uma missão futura em 2031. E, pela primeira vez, o material de Marte será trazido de volta à Terra para análise.

Como alguém que estuda geologia marciana, estou definitivamente ansiosa para 2031, mas sou grata por não ter que esperar 11 anos para estudar rochas de Marte. Amostras de rocha marciana já estão aqui na Terra na forma de meteoritos.

Continua depois da publicidade

Como as rochas de Marte acabam na Terra

Todos os meteoritos marcianos foram formados milhões de anos atrás, quando asteroides e outras rochas espaciais colidiram na superfície de Marte com força suficiente para ejetar pedaços de sua crosta em órbita. Às vezes, esses fragmentos de rocha, flutuando no espaço sideral, entram na atmosfera da Terra, onde a gravidade os atrai.

Os meteoritos caem em todos os lugares da Terra, mas são mais fáceis de encontrar em desertos quentes ou frios, onde a falta de vegetação e outras rochas os ajudam a se destacar. Meteoritos marcianos são raros. Apenas 261 peças foram encontradas na Terra, em comparação com os 63.758 meteoritos não marcianos atualmente catalogados, a maioria originários do cinturão de asteroides.

Os meteoritos marcianos são recuperados em todo o mundo, incluindo Antártica, noroeste da África, Chile, Estados Unidos, Índia, Nigéria, Mali, Mauritânia, Brasil e Omã. Atualmente, cientistas como eu podem obter meteoritos marcianos para estudo de duas maneiras: de revendedores particulares ou da coleção Antarctic Search for Meteorites.

Continua depois da publicidade

O programa ANSMET é financiado pela NASA e pela National Science Foundation. A Antártica, contudo, é um ótimo lugar para detectar meteoritos devido à onipresença do gelo. Melhor ainda, os meteoritos tendem a ficar presos em blocos de gelo em movimento que se acumulam na base das cadeias de montanhas, onde costumam ressurgir.

Perseverance. (Créditos da imagem: NASA/JPL-Caltech)

Todos os anos, desde 1976, a ANSMET envia uma equipe de oito cientistas e alpinistas planetários voluntários para a Antártica em dezembro e janeiro para caçar meteoritos. A equipe vasculha áreas promissoras alinhando motoneves a 30 metros de distância e rastejando lentamente pela neve e gelo, procurando meteoritos pelo caminho.

Os cientistas também podem comprar meteoritos de revendedores privados confiáveis. Os meteoritos marcianos são caros, no entanto. Geralmente custam em média US$ 1.000 por grama. A maioria dos meteoritos marcianos são encontrados pelos nômades no deserto do Saara, principalmente no Marrocos. Os habitantes locais foram treinados para encontrar meteoritos procurando a presença de uma crosta de fusão em uma rocha, formada quando o exterior do meteoro derrete ao entrar na atmosfera da Terra. Comprei 15 amostras de revendedores que são bem conhecidos na comunidade de meteoritos.

Determinando se um meteorito é de Marte

No entanto, a partir dos anos 90, cientistas como eu começaram a usar técnicas mais baratas e fáceis de determinar a procedência marciana, como composições isotópicas de oxigênio, que são códigos de barras atômicos únicos para cada planeta. Inicialmente, os cientistas analisaram as bolsas de gás nos minerais de meteoritos e os comparou com a atmosfera conhecida em Marte, que foi estabelecida pelos rovers Viking da NASA em 1976. Quando os gases combinam perfeitamente, os cientistas podem concluir que os meteoritos vieram de Marte.

Continua depois da publicidade
Recuperação de um meteorito na Antártica por membros da ANSMET. O meteorito é recolhido com pinças estéreis e colocado em uma bolsa de Teflon limpa. (Créditos da imagem: NASA)

Ao todo, os 261 meteoritos conhecidos de Marte pesam coletivamente cerca de 200 quilogramas. Os cientistas os estudam usando os mesmos instrumentos e técnicas que usamos para estudar amostras da Terra. Meus colegas e eu estamos interessados ​​em determinar como e quando essas rochas foram formadas e como elas estão ligadas entre si.

Marte misterioso

Infelizmente, meus colegas e eu não sabemos de onde vêm os meteoritos na superfície marciana, mas muitos cientistas estão trabalhando para descobrir isso. Conseguimos determinar as diferentes idades das próprias rochas. Ainda não sabemos ao certo se o núcleo de Marte é líquido ou não, mas os meteoritos nos informam sobre como e quando os vulcões se formaram no planeta.

O veículo espacial Perseverance da NASA explorará uma área chamada cratera Jezero. As rochas ígneas, criadas pela atividade vulcânica, provavelmente estão presentes, por isso será realmente interessante estudar a história da cratera, que se formou cerca de 4 bilhões de anos atrás. A cratera Jezero também contém dois grandes deltas, onde esperamos encontrar sedimentos que já foram transportados e depositados por rios que existiam há muito tempo.

Para os cientistas que estudam a geologia marciana, portanto, ter diversas amostras de um local conhecido de campo aumentará bastante nossa compreensão do núcleo de Marte, da história de seu clima e da vida potencial que já existiu lá.

Continua depois da publicidade

Este artigo foi originalmente publicado em The Conversation. Tradução por Redação SoCientífica.


Populares hoje

Saúde & Bem-Estar

Uma empresa israelense chamada CorNeat Vision desenvolveu uma córnea sintética e permitiu a um homem de 78 anos, cego há dez anos, recuperar totalmente...

Tecnologia

Muitos especialistas em estratégia militar alertam que as guerras do futuro não serão terrestres, mas confrontos sob o signo da inteligência artificial e do...

História & Humanidade

Os sapiens não são a única espécie humana que já circulou pela Terra, embora hoje só nós estejamos vivos. Fora os sapiens, a espécie...

História & Humanidade

Nós possuímos, em nosso DNA, registros de um ancestral misterioso, que acasalou com espécies humanas há aproximadamente um milhão de anos.