Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espaço

NASA vai devolver um meteorito ao planeta vermelho

meteorito ao planeta vermelho
Membro da equipe Mars 2020 analisa o objeto de calibração. Foto: NASA.

O Sayh al Uhamiyr 008 ou SaU 008 é uma rocha espacial que foi lançada de Marte por um impacto entre 600 mil e 700 mil anos atrás. Mas, décadas depois dele ter caído na Terra, será levado novamente para sua antiga casa. A NASA vai devolver o meteorito ao planeta vermelho em uma missão que começa na quinta-feira, 30.

Em 1999 ele foi descoberto em Omã e atualmente faz parte da coleção do Museu de História Natural de Londres, onde está desde 2000. Por milhares de anos esse pedaço de rocha marciana percorreu o Sistema Solar, até cair na Terra. Mas, por que ele será levado de volta?

NASA pretende levar meteorito ao planeta vermelho

O meteorito será levado de volta para a sua casa com a missão do robô Perseverance. Assim, em Marte a rocha deverá ser utilizada por um instrumento do rover chamado SHERLOC (ambientes habitáveis ​​de digitalização com Raman e luminescência para produtos orgânicos e químicos, na sigla em inglês). Assim, vai servir para teste de calibragem do local.

Continua depois da publicidade

É comum que os meteoritos do Museu de Londres viagem pelo mundo, mas esta será a primeira vez que um deles deixa o planeta Terra. O SHERLOC é um instrumento que combina uma câmera, um espectrômetro de fluorescência e um laser de alta precisão. Tudo isso na busca por moléculas orgânicas, minerais e algum sinal de vida alienígena.

meteorito-ao-planeta-vermelho
Uma parte do meteorito SaU 008. Foto: NASA.

Os pesquisadores acreditam que calibrar o equipamento com o meteorito SaU 008 já em Marte confirmará que o SHERLOC está funcionando normalmente e poderá avaliar amostras de rochas marcianas.

“A peça que estamos enviando foi escolhida especificamente porque é o material certo em termos de química, mas também é uma rocha muito resistente. Alguns dos meteoritos marcianos que temos são muito frágeis. Esse meteorito é tão resistente quanto botas velhas”, disse a principal curadora dos meteoritos e membro da missão, Caroline Smith.

Ainda segunda ela, o estudo da amostra durante a missão possibilitará novos descobrimentos, indicando como funcionam as interações químicas entre a superfície marciana e a sua atmosfera.

Continua depois da publicidade

Com informações de Live Science.

Erik Behenck
Publicado por

Erik Behenck é jornalista, adora novas descobertas e apaixonado pela escrita.


Populares hoje

Ciência

Na Paleontologia, encontrar novas peças que pertenceram a milhões de anos atrás é um dos principais objetos de estudo. No entanto, durante uma expedição...

Notícia

Os hominídeos Homo antecessor são parentes bem antigos dos Homo sapiens. Esses humanos ancestrais habitavam vastas regiões da Europa entre 1,2 milhões e 800...