Connect with us

Hi, what are you looking for?

Planeta & Ambiente

Incêndios que atingem o Ártico preocupam o mundo inteiro

Incêndios que atingem o Ártico preocupam o mundo inteiro
Mapa publicado pela NASA mostra a elevação nas temperaturas da Sibéria. Fonte: NASA.

Os incêndios que atingem o Ártico preocupam o mundo inteiro, fazendo com que os cientistas liguem o sinal de alerta. Em agosto de 2020, 4 milhões de hectares desapareceram da floresta siberiana. Mas, em 2021 as chamas começaram antes, gerando ainda mais preocupação.

Esse é um avanço complicado, no fim de junho os termômetros chegaram a bater 38ºC, na cidade de Verkhoyansk, na Sibéria. Além disso, o derramamento de óleo na cidade de Norilsk, em maio, foi um dos responsáveis pelo derretimento do gelo.

Incêndios aceleram o aquecimento global, péssimo para regiões geladas

A diminuição do permafrost, devido ao aquecimento das temperaturas e aos incêndios, é um péssimo sinal, contribuindo para o aumento na liberação de metano na atmosfera. De modo geral, isso pode acelerar aquecimento global, que contribui ainda mais para o derretimento do permafrost.

Continua depois da publicidade

“O metano que escapa como resultado do derretimento do permafrost entra na atmosfera e circula pelo globo a partir de metano. O Ártico não fica no Ártico. Suas ramificações são expressas em todo o mundo”, diz a pesquisadora Katey Walter Anthony, da Universidade Fairbanks do Alasca.

Quando o calor é demais, o diferencial de temperatura e pressão entre o Ártico e as baixas latitudes diminui. Dessa forma, pode chover por dias seguidos em uma mesma região, já que a circulação atmosférica não é forte o suficiente.

Por que os incêndios que atingem o Ártico preocupam o mundo inteiro?

Durante o verão polar, as noites curtas e os dias intermináveis ajudam a piorar a situação. “A temperatura no chão aumenta freneticamente. As noites são muito quentes, o ar não tem tempo para esfriar e continua aquecendo por vários dias”, comenta Marina Makarova, meteorologista-chefe da Agência Federal de Monitoramento Ambiental e Hidrometeorologia (Rosgidromet).

Continua depois da publicidade

Boa parte dos cientistas acreditam que esse excesso de calor é parte do aquecimento global. Assim, conforme as temperaturas aumentam, mais anomalias climáticas vão aparecendo. E este é um péssimo sinal para uma das últimas reservas de gelo do planeta.

A NASA publicou imagens perturbadoras das queimadas no Ártico, que fizeram com que a temperatura aumentasse em quase todo o território. Além disso, os dados mostram que a Sibéria é sensível ao aquecimento global, sendo uma das regiões onde a variação de temperatura mais varia no mundo.

Incêndios que atingem o Ártico
Este mapa publicado pela NASA revela as anomalias de temperatura no período de 19 de março a 20 de junho de 2020. As áreas vermelhas são mais quentes que a média dos anos de 2003 a 2018, enquanto as raras áreas azuis são mais frias. (Créditos: NASA)

Os incêndios recentes na Sibéria

O aquecimento global é apenas um dos fatores, já que boa parte das queimadas são causadas pelos homens. Nos últimos tempos, as queimadas são equivalentes a uma área do tamanho da Bélgica.

Diversas famílias perderam suas casas na Sibéria nos últimos dias devido ao fogo. Além disso, a fumaça pode ter consequências graves para as vítimas da Covid-19, e outras doenças respiratórias.

Continua depois da publicidade

Os incêndios florestais são mais intensos nos meses de maio e junho. O pior é que algumas dessas queimadas possuem evidências de que foram criminosas. Por fim, as medidas de contenção ao Covid-19 dificultam ainda mais o combate aos incêndios.

Com informações de Futura Science e Siberian Times

Continua depois da publicidade
Erik Behenck
Publicado por

Erik Behenck é jornalista, adora novas descobertas e apaixonado pela escrita.


Populares hoje

Ciência

Na Paleontologia, encontrar novas peças que pertenceram a milhões de anos atrás é um dos principais objetos de estudo. No entanto, durante uma expedição...

Notícia

Os hominídeos Homo antecessor são parentes bem antigos dos Homo sapiens. Esses humanos ancestrais habitavam vastas regiões da Europa entre 1,2 milhões e 800...