Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Fósseis descobertos ajudarão a resolver enigma que intrigou Darwin

Pesquisadores realizando trabalho de campo na Namíbia. (Rachel Wood)

Fósseis notavelmente bem preservados estão ajudando os cientistas a desvendar um mistério sobre as origens dos primeiros animais que intrigou Charles Darwin.

A análise dos restos mortais de 547 milhões de anos permitiu aos pesquisadores rastrear a ancestralidade de alguns dos primeiros animais do mundo.

O estudo descobriu a primeira ligação conhecida entre animais que evoluíram durante a chamada Explosão Cambriana, cerca de 540 milhões de anos atrás, e um de seus primeiros ancestrais.

Continua depois da publicidade

Até recentemente, pouco se sabia sobre a origem dos animais que evoluíram durante o evento Cambriano por causa da falta de evidências fósseis bem preservadas.

As origens misteriosas dos animais que evoluíram nesta época – quando a diversidade da vida na Terra aumentou rapidamente, dando origem a quase todos os grupos de animais modernos – confundiu o naturalista Charles Darwin.

Antes do novo estudo, era difícil rastrear ligações com animais anteriores porque seus tecidos moles – que fornecem pistas vitais sobre a ancestralidade dos animais – quase sempre se rompem com o tempo.

Continua depois da publicidade
Shore et al / Science Advances

Durante o trabalho de campo na Namíbia, cientistas da Universidade de Edimburgo desenterraram os restos fósseis de pequenos animais – conhecidos como Namacalathus – que se assemelham a uma almofada de alfinetes presa a um caule curto.

Usando uma técnica de imagem de raio-x, a equipe encontrou alguns dos tecidos moles dos animais imaculadamente preservados dentro dos fósseis por um mineral metálico chamado pirita. Até agora, os cientistas haviam identificado apenas restos de esqueletos de Namacalathus.

Estudar os tecidos moles – e compará-los com os de animais que evoluíram mais tarde – revelou que Namacalathus foi um ancestral das espécies que apareceram durante a Explosão Cambriana. Entre eles estão tipos de vermes e moluscos pré-históricos.

O estudo, publicado na revista Science Advances, foi financiado pelo Natural Environment Research Council. O trabalho também envolveu um pesquisador da Lomonosov Moscow State University, da Rússia.

Continua depois da publicidade

A professora Rachel Wood, da Escola de Geociências da Universidade de Edimburgo, disse: “Esses fósseis são excepcionais, nos dão um vislumbre da afinidade biológica de alguns dos animais mais antigos.”

“Eles nos ajudam a rastrear as raízes da Explosão Cambriana e a origem dos grupos animais modernos. Tal preservação abre muitos novos caminhos de pesquisa na história da vida que antes não eram possíveis.”

Release de Universidade de Edinburgh. Saiba mais.

Continua depois da publicidade
Da Redação
Publicado por

A SoCientífica, abreviação para Sociedade Científica, nasceu em agosto de 2014 da vontade de decifrar as novidades no mundo científico e transmiti-las para uma sociedade que depende da ciência e tecnologia mas que sabe muito pouco sobre elas. Em um momento em que a desconfiança está se sobressaindo e novas ondas negacionistas de evidências surgem, a SoCientífica está empenhada em ajudar a trazer iluminação para a sociedade novamente.


Populares hoje

Plantas & Animais

Antigas pistas, na forma de fósseis e evidências arqueológicas de qualidade variada espalhadas pela Austrália formaram a base de várias hipóteses sobre o destino...

Plantas & Animais

Suspeita de roubo.

Plantas & Animais

Os cães são tidos como os melhores amigos do homem há muito e muito tempo. E eles são espertos. Estudos já mostraram que a inteligência...

Espaço

O ciclo lunar possui 8 fases, algumas podem durar até o amanhecer.