Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

A chocante taxa de extinção de plantas na África do Sul

Só nos últimos últimos três séculos, 79 plantas foram extintas em três dos hotspots mundiais de biodiversidade localizados na África do Sul.

Segundo um estudo publicado essa semana, isso representa 45,4% de todas as extinções de plantas conhecidas em 10 dos 36 hotspots de biodiversidade do mundo. Os hotspots de biodiversidade são áreas que abrigam um número excepcionalmente alto de espécies únicas, mas que ao mesmo tempo estão sob grave ameaça provocada por humanos.

LEIA TAMBÉM: A floresta fossilizada mais antiga do mundo foi descoberta na China

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Uma equipe de pesquisadores, liderada pelo Prof. Jaco Le Roux e pela Dra. Heidi Hirsch, afiliada ao Centre for Invasion Biology (CIB) da Universidade de Stellenbosch (SU), analisou um conjunto abrangente de dados de 291 extinções de plantas desde 1700 em dez hotspots de biodiversidade e seis pontos frios, cobrindo cerca de 15% da superfície terrestre da terra.

Segundo os pesquisadores as principais causas de extinção na África do Sul foram a agricultura (49,4%), a urbanização (38%) e as espécies invasoras (22%).

Os resultados de suas análises mostram que, desde a década de 1990, as taxas de extinção de plantas nos últimos 300 anos parecem ter se estabilizado em cerca de 1 extinção por ano. No seu auge, no entanto, foi pelo menos 350 vezes maior do que as taxas de fundo históricas durante os tempos pré-humanos.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

LEIA TAMBÉM: Os maiores absorventes de carbono terrestre são florestas jovens

Nesse ritmo, eles preveem que, nas áreas estudadas, mais 21 espécies de plantas serão extintas até 2030, 47 espécies até 2050 e 110 espécies até 2100.

No entanto, estes resultados contrastam fortemente com as previsões de outros estudos, segundo os quais cerca de metade das cerca de 390.000 espécies de plantas da Terra poderão desaparecer até ao final deste século.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

“A falta de listas atualizadas nos impede de obter um quadro mais completo e preciso do que estamos perdendo, e exatamente a que ritmo”, acrescenta o Dr. Hirsch.

LEIA TAMBÉM: Imagens da NASA mostram o quanto de monóxido de carbono está saindo da Amazônia em chamas

Eles acreditam que a única maneira de entender melhor a magnitude da crise de extinção enfrentada pelas plantas, e pela biodiversidade em geral, é iniciar urgentemente avaliações de biodiversidade regionais ou pelo menos nacionais.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

A reivindicação de taxas de extinção para espécies vegetais, portanto, continua sendo um exercício particularmente desafiador.

“Precisamos de conjuntos de dados abrangentes e atualizados para fazer previsões informativas sobre o futuro e a preservação da flora da Terra”, enfatizam eles.

O artigo científico foi publicado na revista Current Biology.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

FONTE / Phys

Redação
Publicado por

A SoCientífica, abreviação para Sociedade Científica, nasceu em agosto de 2014 da vontade de decifrar as novidades no mundo científico e transmiti-las para uma sociedade que depende da ciência e tecnologia mas que sabe muito pouco sobre elas. Em um momento em que a desconfiança está se sobressaindo e novas ondas negacionistas de evidências surgem, a SoCientífica está empenhada em ajudar a trazer iluminação para a sociedade novamente.

Faça um comentário

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.

Mente & Cérebro

Nas últimas décadas, inúmeras pesquisas mostraram a relação entre amamentação e a saúde da criança. Sabe-se, por exemplo, que a amamentação ajuda no desenvolvimento...

Planeta & Ambiente

Nukumi, uma grande fêmea de tubarão-branco marcada no ano passado está cruzando o Atlântico já faz dois meses. De acordo com especialistas, ela pode estar...