NaturezaA floresta fossilizada mais antiga do mundo foi descoberta na China

Damares Alves4 semanas atrás7 min
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/08/Antiga-floresta-fossilizada.jpg

Uma floresta fossilizada de 360 milhões de anos foi descoberta na região Leste da China. O arvoredo mede cerca de 250.000 metros quadrados e é povoado por uma única espécie.

O antigo bosque foi encontrado em uma mina perto da vila de Jianchuan em Xinhang, na China, e não lembra nenhum pouco as florestas que conhecemos atualmente, parece mais uma espécie de pântano.

LEIA TAMBÉM: Cientistas podem ter descoberto a evidência de vida mais antiga no planeta Terra

Constituída por lycophytes, que são as mais antigas plantas vasculares já catalogadas, estima-se que a floresta possua entre 360 e 375 milhões de anos.

LEIA TAMBÉM: Micróbio gigante fossilizado de 2 bilhões de anos revela pistas sobre o mundo antigo

Agora reduzidas a ervas daninhas de alguns centímetros de altura, as licófitas podiam medir até vários metros e se reproduziam via esporos.

Os traços fossilizados de Guangdedendron micrum, as únicas espécies que habitaram esta floresta Devoniana. © Deming Wang et al., Current Biology, 2019.

“Com a alta densidade e tamanho pequeno das árvores, a floresta Xinhang tinha deveria ser muito semelhante a um campo de cana-de- açúcar ” sugere Wang Deming, um professor na Universidade de Pequim e principal autor do estudo.

LEIA TAMBÉM: Fósseis de 50 milhões de anos de peixes “congelados no tempo” descobertos

Localizada perto da linha do equador, a floresta cresceu em um ambiente costeiro. Com seu sistema avançado de raízes, a  Guangdedendron micrum foi capaz de desempenhar um papel muito importante na estabilização da linha costeira como fazem os mangues modernos.

LEIA TAMBÉM: Paleontólogos descobrem fósseis de fungo de um bilhão de anos no Canadá

Duas outras florestas fósseis do Devoniano já foram descobertas nos Estados Unidos e na Noruega, mas estas nem cercam perto da extensão (250.000 metros quadrados) e número de árvores do bosque encontrado esse ano.

O artigo científico foi publicado na Current Biology, você acessar aqui.

FONTES / Futura Science