Os maiores absorventes de carbono terrestre são florestas jovens
 

EcologiaOs maiores absorventes de carbono terrestre são florestas jovens

Curiosamente, a absorção de carbono impulsionada pela idade estava mais concentrada na latitude média e alta, e não nos trópicos.
Redação20 de fevereiro de 2019205 min

As árvores têm um papel importante a desempenhar na mitigação da mudança climática, graças à sua capacidade de absorver carbono da atmosfera. Durante a fotossíntese, esse carbono atmosférico é usado para gerar novas folhas, brotos e raízes.

Você pensaria que florestas tropicais densas, com suas copas altas e exuberantes, são os absorventes de carbono terrestres mais importantes do mundo – o que significa que elas absorvem mais carbono do que liberam. No entanto, um estudo de referência de 2017descobriu que as florestas tropicais, do Congo à Indonésia, são na verdade emissores líquidos de carbono. Este lançamento é através de processos naturais, como a respiração das plantas, secas e incêndios florestais, mas também as emissões de atividades humanas, como o desmatamento.

De acordo com uma nova pesquisa da Universidade de Birmingham, os maiores absorventes de carbono terrestres são, na verdade, florestas jovens. Isso é bastante contra-intuitivo, mas faz sentido quando você ouve as descobertas.

As florestas jovens são definidas como aquelas compostas de árvores com menos de 140 anos. Essas árvores normalmente reflorestam áreas anteriormente usadas para agricultura ou limpas por incêndios. Por exemplo, isso inclui florestas nos estados do leste dos EUA, onde os colonos estabeleceram fazendas, mas depois as abandonaram para se mudarem para o oeste no século XIX. Outras áreas que viram crescimento significativo da floresta incluem florestas boreais no Canadá, Rússia e Europa, que viram muitos incêndios florestais. Enquanto isso, o programa de reflorestamento de larga escala de US $ 100 bilhões da China também está contribuindo de forma importante para a absorção de carbono.

Baseando-se em conjuntos de dados de idades florestais, os pesquisadores calcularam o balanço de carbono entre 2001 e 2010. De acordo com os resultados, as áreas de crescimento florestal absorveram grandes quantidades de carbono devido à  fertilização do crescimento das árvores, mas também devido à sua tenra idade, responsável por 25% da absorção de carbono. Curiosamente, a absorção de carbono impulsionada pela idade estava mais concentrada na latitude média e alta, e não nos trópicos.

“É importante ter uma noção clara de onde e porque esta absorção de carbono está acontecendo, porque isso nos ajuda a tomar decisões direcionadas e informadas sobre o manejo florestal”, disse Tom Pugh, do Instituto de Pesquisa Florestal de Birmingham, em um comunicado.

Uma coisa importante é que esse efeito de absorção de carbono será diminuído à medida que essas florestas envelhecem, significando que o absorvente de carbono desaparecerá a menos que reflorestamento adicional ocorra.

“A quantidade de CO² que pode ser absorvida pelas florestas é uma quantidade finita: em última análise, os programas de reflorestamento só serão eficazes se trabalharmos simultaneamente para reduzir nossas emissões”, explica o Dr. Pugh.

[ZME Science]