Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

DNA mais antigo do mundo revela a evolução dos mamutes

Um híbrido de mamutes lanosos e uma espécie até então desconhecida pode ter vagado pela América do Norte

(BETH ZAIKEN / CENTRO DE PALEOGENÉTICA)

Os mamutes lanosos eram ícones da Idade do Gelo, estes animais eram significativamente maiores que um elefante e donos de presas muito mais longas. Agora, em um novo estudo publicado na revista Nature cientistas relatam que extraíram da presa de um deles, o DNA mais antigo do mundo.

O DNA de antigos molares de mamutes encontrados na Sibéria facilmente bate o recorde anterior estabelecido por DNA de 700.000 anos de um cavalo fossilizado congelado. Isto por que os molares remontam a mais de 1 milhão de anos.

DNA mais antigo

O molar do mamute Chukochya tinha mais de 500.000 anos, uma das três amostras usadas no novo estudo. (Adoro Dalén)

“Tivemos que lidar com o DNA que era significativamente mais degradado em comparação com o cavalo”, disse o paleogeneticista do Museu Sueco de História Natural Love Dalén, autor do novo estudo, ao Smithsonian Magazine.

Há muito tempo acreditava-se que o mamute colombiano evoluiu mais cedo do que o mamute lanoso menor e mais peludo. Mas agora, usando o DNA mais antigo já recuperado de um fóssil, os pesquisadores descobriram que o mamute colombiano é na verdade um híbrido do mamute lanoso e de um mamute previamente não reconhecido linhagem dos mamutes.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Segundo o estudo, alguns fragmentos de genes de mamutes sugerem que os mamutes mais antigos já tinham as características que lhes permitiam resistir a temperaturas frias durante as eras glaciais posteriores. Isto revela que os mamutes puderam povoar regiões frias muito antes do que se pensava. Isto graças ao seu suposto ancestral que teria vivido há cerca de 1,7 milhão de anos.

“Muitas das mutações que pensamos tornar os mamutes, mamutes – orelhas pequenas, muita gordura, não sensíveis ao frio – aconteceram antes deles entrarem naquele ambiente”, disse Vincent Lynch, biólogo evolucionista da Universidade de Buffalo, ao Science News.

Estas descobertas levantam a pergunta: por quanto tempo o DNA antigo pode sobreviver? Os cientistas acham que é possível recuperar genomas ainda mais antigos. “Um palpite bem fundamentado seria que poderíamos recuperar o DNA de 2 milhões de anos e possivelmente ir até 2,6 milhões”, disse o pesquisador Anders Götherström, professor de arqueologia molecular e líder de pesquisa conjunta do Centro de Paleogenética. “Antes disso, não havia permafrost onde o DNA antigo pudesse ser preservado.”

Publicidade. A leitura continua abaixo.

 

 

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Damares Alves
Publicado por

Apaixonada pela natureza, me tornei redatora e hoje escrevo exclusivamente sobre ciência. Meu objetivo é que todos possam ter acesso a pesquisas importantes e descobertas incríveis que são realizadas todos os dias.

Mente & Cérebro

Os corvos são considerados modelos de cognição em psicologia animal, e são uma das mais fortes evidências de que a consciência é um fenômeno...

Plantas & Animais

No oceano, no meio dos corais, você pode encontrar esse estranho organismo. Embora muitas vezes se pareça com uma pedra circular esverdeada e brilhante,...

Plantas & Animais

Cientistas descreveram, em um estudo publicado no Journal of Mammalian Evolution, uma nova espécie gigante de um dente-de-sabre, Machairodus lahayishupup, que teria vivido na América do...

Plantas & Animais

Um novo estudo mostrou que os tubarões, assim com as aves, se orientam pelo campo magnético da Terra para realizar migrações de longa distância.