Connect with us

Hi, what are you looking for?

História & Humanidade

Templo da Era do Gelo feito com ossos de 60 mamutes é descoberto

Um membro da equipe trabalhando no templo da Era do Gelo recém descoberto. (Imagem: A. J. E. Pryor et al., 2020 / Antiquity)
Um membro da equipe trabalhando no templo da Era do Gelo recém descoberto. (Imagem: A. J. E. Pryor et al., 2020/Antiquity)

Em um artigo publicado na revista Antiquity, cientistas anunciaram a descoberta de um templo da Era do Gelo composto por ossos de 60 mamutes lanosos. Datada de 25.000 anos, essa é a estrutura mais antiga conhecida de seu tipo, mas seu objetivo não está totalmente claro.

Este não é o primeiro templo da Era do Gelo encontrado no local

Estruturas circulares compostas por ossos de mamutes não são incomuns no registro arqueológico. Localizada na cidade russa de Voronezh, esta estrutura é maior e mais antiga já descoberta.

A estrutura possui 12,5 metros de largura e é cercada por uma série de grandes fossas, cujo objetivo ainda é desconhecido. É possível que os poços fossem um local para armazenar alimentos ou ossos usados ​​para queimar. Mas eles também poderiam ter sido um local para despejar resíduos e entulhos que se formaram durante a construção. Os arqueólogos também não estão certos sobre porque estas estruturas são totalmente compostas por ossos de mamutes.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Templo da Era do Gelo recém descoberto no local Kostenki 11 na Rússia. (Imagem: AJE Pryor et al., 2020)
Templo da Era do Gelo recém descoberto no local Kostenki 11 na Rússia. (Imagem: AJE Pryor et al., 2020)

“Além de serem explicados como ‘habitações’, locais deste tipo foram anteriormente interpretados como tendo um significado ritual”, disse Alexander Pryor, o primeiro autor do novo estudo e pesquisador da Universidade de Exeter, para o portal Gizmodo. “No entanto, exatamente o que este significado ritual pode ser é difícil de dizer apenas pela arqueologia”.

É surpreendente que humanos pleistocenos da Europa Oriental na época se preocupariam em construir essas estruturas. Isso por que caçadores-coletores do Paleolítico Superior eram nômades e a criação de estruturas permanentes são incompatíveis com seu modo de vida. Que humanos pleistocenos que viviam na Europa Oriental na época se preocupariam em construir essas estruturas é definitivamente uma surpresa.

Essa descoberta mostra que os caçadores-coletores daquela época eram mais astutos e estratégicos do que normalmente se supõe.

Ferramentas e plantas comestíveis

Através de técnicas de flutuação, os pesquisadores descobriram evidências de carvão, ossos queimados, pedaços de ferramentas de pedra e tecidos moles de plantas associados a raízes ou tubérculos comestíveis. Essa descoberta sugere os alimentos consumidos pelos humanos do Paleolítico Superior na Europa Central. Além disso, foram encontrados restos de plantas carbonizadas no local, portanto as árvores ainda estavam presentes na área durante o período frio, de acordo a nova pesquisa.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Os humanos que construíram essas estruturas queimaram sua madeira por dentro, isso significa que a habitação provavelmente serviu de refúgio aos duros invernos e possivelmente durante o ano todo, dizem os autores. A estrutura também poderia ter servido como um local para armazenar e armazenar alimentos.

É possível também que a estrutura tivesse significado ritualístico; talvez fosse algum tipo de santuário ou monumento em homenagem a mamutes lanosos. Os mamutes podem ter tido um papel espiritual importante na vida desses humanos.

Escavações no local Kostenki 11, que levaram três anos. (Imagem: AJE Pryor et al., 2020)
Escavações no local Kostenki 11, que levaram três anos. (Imagem: AJE Pryor et al., 2020)

A equipe de arqueólogos não encontrou evidências consistentes com a ideia de que as habitações eram um local de habitação diária e de longo prazo. Isso porque não havia muitas lascas de pedra no local vinculadas à fabricação de ferramentas de pedra, em comparação com locais semelhantes.

O estudo foi publicado na revista Antiquity.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Damares Alves
Publicado por

Apaixonada pela natureza, me tornei redatora e hoje escrevo exclusivamente sobre ciência. Meu objetivo é que todos possam ter acesso a pesquisas importantes e descobertas incríveis que são realizadas todos os dias.

Tecnologia

Cientistas estão trabalhando em um novo tipo de propulsão hipersônica que poderia permitir aviões voarem a mais de 20.000 km/h (Mach 17).

Plantas & Animais

Minúsculas criaturas, os rotíferos bdelóides, ficaram congelados no permafrost por 24.000 anos e foram recentemente trazidos de volta à vida, produzindo clones em um...

Sociedade & Cultura

O povo Tsimane é uma tribo indígena amplamente isolada que vive na Amazônia boliviana.  Estas pessoas levam uma vida muito diferente da nossa. E eles...

Notícia

Por muitos anos, a ecolocalização humana tem sido uma forma de percepção para pessoas que perderam a visão. Apesar disso, poucas pesquisas reforçavam essa...