Connect with us

Hi, what are you looking for?

Saúde & Bem-Estar

Teste de paternidade falha em pai com DNA quimérico

Nos EUA um pai deu origem a um filho de seu irmão gêmeo que nem nasceu. Entenda.(Free-Photos/Pixabay )

Uma quimera é uma besta da mitologia grega que possuí partes do corpo de diferentes animais em um único organismo. Contudo, as quimeras existem, biologicamente, e um novo estudo de caso mostrou como elas podem fazer testes de paternidade falharem.

Acontece que, na biologia, as quimeras são bem diferentes da mitologia. Um organismo quimérico é aquele que, na verdade, possui dois genomas completos e diferentes. Praticamente, a diferença de um ser humano quimérico para um que não seja, é nula. Ambos têm as características da espécie e as mesmas predisposições a doenças.

(PublicDomainPictures/Pixabay)

Contudo, um casal de Washington resolveu ter um filho por reprodução assistida em 2014. O bebê nasceu saudável e feliz com tipo sanguíneo AB+. No entanto, seu pai tinha o tipo sanguíneo A+, e sua mãe, A-. Na teoria, é impossível que isso aconteça.

Pensando que o erro tinha sido da clínica de fertilidade, os pais buscaram advogados e realizaram um novo teste sanguíneo e de paternidade. Dessa vez, os resultados indicaram que o pai na verdade compartilhava apenas 25% do seu material genético com o filho. O problema é que essa porcentagem indica uma relação entre tio/sobrinho.

Continua depois da publicidade

Após muito esforço, paternidade comprovada

Após esses resultados intrigantes, o casal buscou a opinião de geneticistas. Esses, por sua vez, realizaram novos exames e estudos genéticos mais precisos, confirmando a semelhança de apenas 25% do material genético. Ademais, os resultados mostraram que o pai era na verdade uma quimera.

Ou seja, o indivíduo possuía mais de um material genético em suas células. Esse segundo material genético pertenceu a um irmão gêmeo que mal chegou a se formar no ventre da mãe antes de ter seu desenvolvimento interrompido por causas naturais. Esse homem, portanto, deu origem a um filho de seu irmão gêmeo que nem nasceu. Esses resultados finais explicam por que o pai e o filho apresentaram apenas 25% de semelhança genética, afinal eles são geneticamente tio e sobrinho.

Pixabay

O caso, um dos poucos já registrados foi parar no Journal of Assisted Reproduction and Genetics, na forma de um estudo genético. Os autores, geneticistas que acompanharam o casal, relatam que este tipo de caso pode ser mais comum do que parece. Nesse sentido, os resultados podem levar a suspeitas de infidelidade dentro da família ou a processos às clínicas de reprodução. O problema está, no entanto, no método baseado em PCR, que não consegue detectar a relação quimérica entre indivíduos.

Assim, os autores sugerem o desenvolvimento de novos testes para evitar esse tipo de confusão, além de maiores implicações.

Continua depois da publicidade

Disponível em Journal of Assisted Reproduction and Genetics.

Mateus Marchetto
Publicado por

Aluno de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná, professor de inglês, apaixonado por ciência e divulgação científica. Me interesso principalmente pelas áreas de microbiologia, bioquímica e bioinformática.

Comentários

Populares hoje

Mente & Cérebro

Pela primeira vez, pesquisadores conseguiram estudar o momento em que a morte cerebral se torna irreversível no corpo humano, observando o fenômeno em vários...

Plantas & Animais

No fim da década passada, em 2007, cientistas russos, húngaros e norte-americanos recuperaram sementes congeladas de Silene stenophylla, enquanto avaliavam aproximadamente 70 antigas tocas...

Mundo Estranho

Esta semana moradores da cidade de Cracóvia, na Polônia teriam se trancado em casa assustados com uma ‘criatura aterrorizante’ que estaria escondida nas árvores perto...

História & Humanidade

100.000 anos atrás, um grupo de 36 neandertais caminhou ao longo de uma praia no sul da Espanha. Durante a caminhada, vários indivíduos deixaram...