Connect with us

Hi, what are you looking for?

Notícia

Racismo causa problemas de saúde nas vítimas

As pessoas que vivem com o racismo têm maior probabilidade de desenvolver diabetes, câncer ou problemas cardiovasculares.

Imagem: Shutterstock

Nos Estados Unidos, vários estudos tentaram vincular a experiência do racismo a problemas de saúde. Uma certa tendência está surgindo, embora alguns estudos sofram com a presença de vieses que podem distorcer os resultados.

Recentemente, a revista norte-americana Vox abordou a questão das injustiças relacionadas à etnia. Em um episódio, publicado em 3 de abril de 2021, o jornalista Christophe Haubursin fez a seguinte pergunta: o racismo adoece as pessoas?

Legenda em português disponível.

Lembre-se que dependendo da “raça”, a expectativa de vida não é a mesma para quem mora nos Estados Unidos. Os negros vivem em média 75 anos, os brancos 79 e os hispânicos 82. Além disso, trata-se de uma lacuna substancialmente idêntica, mesmo levando em consideração as desigualdades econômicas e em relação à educação.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Jacquelyn Taylor, diretora do Centro de Pesquisa sobre Pessoas de Cor da Universidade de Columbia, em Nova York, falou sobre o assunto. Ela descreveu o racismo como “micro-ataques acumulados ao longo do tempo”, sem dúvida, representando “uma morte lenta por milhares de pequenos cortes” .

Vários estudos sobre o impacto do racismo na saúde

Em um estudo de 2018, a Dra. Camara Jones, da Morehouse School of Medicine, levou em consideração a sensação de estar com boa saúde e receber cuidados de qualidade nos indivíduos. Até 57% dos brancos têm esse sentimento, em comparação com 48% dos hispânicos. Em contraste, a mesma taxa é de 56% para hispânicos considerados brancos. No caso dos nativos americanos, a taxa em questão é de 36% e 52% para os considerados brancos.

Imagem: Amtec Photos/Flickr

O professor assistente da Universidade de Tulane, David Chae, está na origem de um estudo publicado na Plos One em 2015. Ele tentou medir o racismo de outra forma que não considerando as opiniões das próprias vítimas. Ele comparou a taxa de mortalidade de pessoas negras em uma área geográfica específica com pesquisas no Google por “n-word”, um termo depreciativo e xenófobo. O especialista concluiu que o racismo foi um agravante na diferença de mortalidade entre negros e brancos. No entanto, ele admitiu que seu estudo continha certos preconceitos.

Por fim, o sociólogo David Williams, da Universidade de Harvard, nos assegura que a ligação entre estresse crônico e problemas de saúde não precisa mais ser provada. No entanto, o racismo estimularia a instalação e manutenção desse estresse crônico. Segundo o especialista, as pessoas que vivem com racismo têm maior probabilidade de desenvolver diabetes, câncer ou problemas cardiovasculares. Em suma, eles envelheceriam mais rápido do que os outros.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Faça um comentário

Notícia

Durante o desenvolvimento embrionário, os mamíferos (a maioria deles) crescem na cavidade do útero da mãe. Esse ambiente vai se dilatando e desenvolvendo ao...

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Saúde & Bem-Estar

Os exercícios de alta intensidade de intervalos (HIIT) se tornaram populares nos últimos anos por uma série de razões. Eles não exigem tanto tempo...

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.