Connect with us

Hi, what are you looking for?

História & Humanidade

Os mensageiros aos deuses e a origem de uma indústria religiosa

(Cortesia do Museu do Brooklyn)

Traduzido de Archaeology Magazine. Artigo de Eric A. Powell

Durante um período turbulento no antigo Egito, pessoas mumificaram animais para pedir aos deuses, inspirando o surgimento de uma enorme indústria religiosa.

primeira

Uma múmia de muscária (imagem superior), encontrada em um cemitério animal em Abydos, foi feita em algum momento entre 30 a.C. e 100 d.C., durante o período romano do Egito. Uma múmia feita de modo elaborada (imagem inferior) assume a forma de um humano coberto com uma cabeça de íbis de madeira esculpida. As tomografias revelam que o pacote está cheio de penas, mas nenhum esqueleto de íbis. (Crédito: Cortesia do Brooklyn Museum)

Durante décadas, trinta caixas foram esquecidas nos cofres de armazenamento do departamento de egiptologia do Brooklyn Museum. Os conteúdos não foram catalogados, nem mesmo vistos, desde a década de 1930 e 40, quando foram comprados na Sociedade Histórica de Nova York. Mas em 2009, a assistente de curadoria Kathy Zurek-Doule finalmente abriu as caixas. Dentro de cada um tinha uma múmia elaboradamente embrulhada na forma de um animal. Íbis, falcões, gatos, cachorros, cobras e até mesmo um musaranho estavam todos representados na coleção, acumulada por um rico empresário de Nova York em meados do século XIX. Diante destes inesperados objetos que nenhum outro museu tinha, o curador de egiptologia Edward Bleiberg e sua equipe embarcaram em um estudo abrangente das múmias. Os objetos redescobertos deram a Bleiberg a chance de investigar uma questão que desconcertou os arqueólogos desde que eles perceberam que os vastos cemitérios de animais ao longo do Nilo detêm milhões de múmias: por que os antigos egípcios investiram tanto no além-vida de animais?

Ao contrário dos gregos e dos romanos, os antigos egípcios acreditavam que os animais possuíam uma alma, ou ba, assim como os humanos. “Nós esquecemos o quão significativo é atribuir uma alma a um animal”, diz Bleiberg. “Para os egípcios antigos, os animais eram seres físicos e espirituais”. Na verdade, a língua egípcia antiga não tinha uma palavra para “animal” como uma categoria separada até a propagação do cristianismo. Os cultos de animais floresceram fora dos templos estabelecidos pelo Estado por boa parte da história egípcia e os animais desempenharam um papel crítico na vida espiritual do Egito. Os próprios deuses às vezes tomaram a forma animal. Hours, o Deus patrono do Egito, era frequentemente retratado com a cabeça de um falcão; Thoth, o deus escriba, era representado como um íbis ou um babuíno; e a deusa da fertilidade Hathor foi retratada como uma vaca. Mesmo os faraós reverenciaram os animais, e pelo menos alguns animais de estimação reais foram mumificados. Em 1400 a.C., o faraó Amenhotep II foi para a vida após a morte acompanhada por seu cão de caça e, uma década depois, seu herdeiro Thutmose IV foi enterrado com um gato real.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
O Íbis sagrado como manifestação de Thoth e de Maat. Bronze e madeira dourada do Período Tardio (c. 712 a 332 a.C.). Museu Kestner de Hannover.

O Íbis sagrado como manifestação de Thoth e de Maat. Bronze e madeira dourada do Período Tardio (c. 712 a 332 a.C.). (Crédito: Museu Kestner de Hannover)

No entanto, um grande número de múmias em necrópoles dedicadas a animais não apareceram até depois da queda do Novo Reino, em torno de 1075 a.C.. Durante o subsequente período caótico de 400 anos conhecido como o Terceiro Período Intermediário, o estado central egípcio entrou em colapso e uma série de dinastias locais e reis estrangeiros subiram e caíram em rápida sucessão. Este período é descrito muitas vezes como calamitoso em descrições oficiais, mas Bleiberg observa que durante o Primeiro Período Intermediário, uma era igualmente caótica e sem autoridade central que durou de 2181 a 2055 a.C., a vida para o egípcio médio continuou normal. Na verdade, o egiptólogo da Universidade de Cambridge, Barry Kemp, mostrou que os moradores estavam relativamente prósperos durante esse período, talvez porque pagassem impostos apenas às autoridades locais e não ao governo central. Se a vida no Terceiro Período Intermediário fosse semelhante, então o egípcio médio pode ter tido mais renda disponível. Sem faraó para mediar a relação do Egito com os deuses, e com os estrangeiros minando as tradições religiosas, houve também uma volta à religiosidade e à devoção pessoal entre o público em geral. “Sem o faraó, as pessoas precisavam se aproximar dos deuses por conta própria”, diz Bleiberg.

segunda

As tomografias computadorizadas revelaram que essas múmias detêm esqueletos de gato completos. O felino à direita tinha as pernas dianteiras e as patas colocadas sobre a barriga em uma posição semelhante à colocação de armas em múmias humanas. (Crédito: Cortesia do Museu do Brooklyn)

Contra este pano de fundo, os peregrinos que visitaram templos começaram a comprar múmias de animais de sacerdotes para enterrarem como ofertas votivas. Alguns peregrinos mais ricos compraram estatuetas de bronze de divindades que também estavam envolvidas como múmias e colocadas em cemitérios de animais. Mas as múmias de animais reais teriam sido uma opção muito mais barata e logo foram uma presença generalizada na vida egípcia. Salima Ikram da Universidade Americana no Cairo estima que as 31 criptas de animais conhecidas já contiveram pelo menos 20 milhões de múmias. De acordo com um texto antigo, o Templo de Thoth na necrópole de Saqqara tinha 60 mil íbis vivas ao mesmo tempo sendo preparadas para mumificação, e os arqueólogos estimam que cerca de quatro milhões de múmias íbis foram eventualmente enterradas lá. Algumas múmias foram encontradas com papiros pedindo aos deuses por ajuda para resolver um problema familiar ou curar uma doença. Bleiberg observa, no entanto, que a maioria das múmias animais não foram acompanhadas por petições escritas e que é possível que a maioria tenha sido destinada a transmitir mensagens orais. Talvez os peregrinos sussurrassem seus pedidos nos ouvidos das múmias, que então entregavam suas mensagens aos deuses.

Raios-X e tomografias na coleção redescoberta do Museu do Brooklyn revelam quão diversas as múmias animais podem ser. Enquanto muitos mostram esqueletos inteiros dentro das múmia, outros revelam apenas restos parciais. Alguns até mostram múltiplos animais mumificados juntos em um pacote. Uma tomografia computadorizada particularmente pungente de um embrulho de gato mostra que o felino foi mumificado com as patas dianteiras cruzadas na mesma posição em que os braços das múmias humanas foram cruzados, um lembrete de que os antigos egípcios estabeleceram pouca distinção entre pessoas e animais. Para determinar se diferentes estilos de embrulho poderiam ser datados em períodos específicos, Bleiberg pegou amostras de radiocarbonos de alguns dos lençóis das múmias, mas as datas revelaram-se inconsistentes. É possível que o linho usado nos envoltórios seja muitas vezes reciclado, o que torna aquela datação pouco confiável. Um pedaço de linho poderia começar a vida como um artigo de roupa que durou décadas, depois ser usado como um pano, e então ser reutilizado como envolvimento de múmia, talvez décadas, ou mesmo séculos, depois que foi feito pela primeira vez. Dada à escala da fabricação de múmias animais, alguns templos podem ter feito sua própria roupa, assim como eles criaram seus próprios animais em números próximos aos da agricultura industrial moderna. “Este foi um fenômeno econômico extremamente importante”, diz Bleiberg. “Havia muito dinheiro dirigido para múmias de animais no primeiro milênio”.

penultima

A radiografia desta múmia de cachorro (esquerda) mostra como o esqueleto do animal foi comprimido e a cauda dobrada atrás das patas traseiras, enquanto um raio X de um pequeno embrulho de linho em forma de touro (à direita), revela que o objeto contém um fragmento ósseo que pode ser bovino. (Crédito: Cortesia do Museu do Brooklyn)

Tal como acontece com qualquer negócio em larga escala, a produção de múmias animais pode ter sido abundante em corrupção. Na necrópole de Saqqara, os egiptólogos descobriram um rascunho escrito em ostraca, ou potsherds, que detalha um caso de corrupção contra o Templo de Thoth. Embora as cobranças exatas não sejam traduzíveis, esse documento claramente tinha a ver com pagamentos de objetos de adoração feitos com múmias animais — e também relata o que na verdade o tempo deveria receber em troca. O documento descreve, ainda, as reestruturações que exigem “um deus em uma jarra”, o que significa um animal inteiro por unidade de compra. Isso implica que os sacerdotes de Thoth estavam vendendo múmias fraudulentas que não possuíam nenhum animal dentro ou que continham vários animais os quais representavam uma compra separada cada um. Seja qual for o crime deles, seis sacerdotes foram presos. O documento também descreve um programa de supervisão por sacerdotes externos e afirma que, no futuro, as múmias seriam armazenadas em uma área de espera até serem enterradas de uma só vez durante um festival anual supervisionado por funcionários confiáveis.

ultima

Estas duas múmias em forma de íbis não são o que aparecem. Uma (à esquerda) não contém esqueleto, e um raio X da outra (à direita) revela que ele realmente contém esqueletos de cobras. Ambas podem ser o resultado de práticas corruptas do templo. (Crédito: Cortesia do Brooklyn Museum)

Algumas das múmias da coleção do Brooklyn Museum podem ter sido o resultado de práticas corruptas. Os raios-X revelam cobras múltiplas em uma múmia “ibis”, bem como embrulhos de múmia sem restos mortais, talvez destinados a enganar os adoradores inocentes. Uma múmia não continha nada além de penas, mas estava excepcionalmente bem embrulhada. Por que um padre corrompido inclinado a fraudar um peregrino dedicava tanto tempo embrulhando elegantemente uma múmia fraudulenta? “É possível que as penas vieram de um pássaro excepcionalmente importante”, diz Bleiberg, “nunca saberemos com certeza”. Embora as múmias animais fossem uma das classes mais comuns de objeto deixadas pelos antigos egípcios, elas carregam mensagens que podem nunca serem totalmente compreendidas.

Texto adaptado do original Messengers to the Gods em Archaeology.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Faça um comentário

Notícia

Durante o desenvolvimento embrionário, os mamíferos (a maioria deles) crescem na cavidade do útero da mãe. Esse ambiente vai se dilatando e desenvolvendo ao...

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Saúde & Bem-Estar

Os exercícios de alta intensidade de intervalos (HIIT) se tornaram populares nos últimos anos por uma série de razões. Eles não exigem tanto tempo...

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.