Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Floresta tropical pré-histórica é descoberta na Antártica

Reconstrução da floresta tropical pré-histórica descoberta na Antártica Ocidental Turoniano-Santoniana. A pintura é baseada em informações paleoflorais e ambientais inferidas a partir de dados de biomarcadores palinológicos, geoquímicos, sedimentológicos e orgânicos obtidos dos núcleos 9R e 10R no local PS104_20-2. T (Fonte: Alfred-Wegener-Institut / J. McKay / CC BY 4.0)
Reconstrução da floresta tropical pré-histórica descoberta na Antártica Ocidental Turoniano-Santoniana. A pintura é baseada em informações paleoflorais e ambientais inferidas a partir de dados de biomarcadores palinológicos, geoquímicos, sedimentológicos e orgânicos obtidos dos núcleos 9R e 10R no local PS104_20-2. T (Fonte: Alfred-Wegener-Institut / J. McKay / CC BY 4.0)

Pesquisadores descobriram evidências de que uma floresta tropical pré-histórica existiu há cerca de 90 milhões de anos na Antártida.

Na metade do período cretáceo, densas concentrações de CO2 atmosférico teriam criado temperaturas globais muito mais quentes. Isso derreteu as camadas de gelo polares e elevou os níveis do mar até 170 metros a mais do que é observado atualmente. Mas como seria o Polo Sul em um mundo assim? Cientistas ingleses e alemães descobriram uma amostra de solo florestal do período Cretáceo a 900 km do Polo Sul, que responde essa pergunta.

Uma floresta tropical pré-histórica na Antártida

Os pesquisadores do Instituto Alfred Wegener para Pesquisa Polar e Marinha na Alemanha divulgaram sua descoberta e análise em artigo publicado na Nature. Uma análise das raízes, pólen e esporos preservados mostrou que o mundo naquela época estava muito mais quente do que se pensava anteriormente. O artigo também também sugere que os níveis de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera foram mais altos do que o esperado durante o período médio do Cretáceo.

Continua depois da publicidade

LEIA TAMBÉM: Estamos nos encaminhando para um Novo Cretáceo

Anteriormente, pouco se sabia sobre o meio ambiente ao sul do Círculo Antártico naquele período. Agora, os pesquisadores descobriram evidências de uma floresta tropical temperada na região, como seria encontrada na Nova Zelândia hoje. Apesar de possuir uma noite polar de quatro meses, um terço de cada ano não existia luz solar que dava vida.

Mapa simplificado da região de Polar Sul no momento da deposição há 90 milhões de anos - período em que existiu uma floresta tropical pré-histórica na Antártida. (JP Klages, Alfred-Wegener-Institut)
Mapa simplificado da região de Polar Sul no momento da deposição há 90 milhões de anos – período em que existiu uma floresta tropical pré-histórica na Antártida. (JP Klages, Alfred-Wegener-Institut)

Agora, os investigadores descobriram indícios de uma floresta tropical temperada na região, como a que se encontraria hoje na Nova Zelândia. Isto aconteceu mesmo um ambiente que apresenta noite polar de quatro meses, o que significa que durante um terço de cada ano não havia qualquer luz solar que desse vida.

A presença da floresta sugere que as temperaturas médias rondavam os 12 graus Celsius, o que significa que não havia uma calota de gelo no Pólo Sul.

Continua depois da publicidade

Como os pesquisadores chegaram a essas conclusões

As evidências de que houve a existência de uma floresta tropical na Antártida vem de um núcleo de sedimentos perfurado no fundo do mar perto dos glaciares Pine Island e Thwaites, na Antárctida Ocidental.

Os pesquisadores analisaram as amostras e descobriram uma densa rede de raízes fósseis, que se encontrava muito bem preservada. A amostra continha também inúmeros vestígios de pólen

Para reconstruir o ambiente desta floresta preservada, os cientistas avaliaram as condições climáticas em que vivem os modernos descendentes das plantas, bem como analisou os indicadores de temperatura e precipitação dentro da amostra.

Continua depois da publicidade

LEIA TAMBÉM: Dinossauro de 75 milhões de anos ainda tem DNA preservado

Eles verificaram que a temperatura média anual do ar era de cerca de 12 graus Celsius. As temperaturas médias do Verão foram de cerca de 19 graus Celsius. As temperaturas da água nos rios e pântanos atingiram até 20 graus.

O autor principal Dr. Johann Klages, do Alfred Wegener Institute Helmholtz Centre for Polar and Marine Research, afirmou: “Antes do nosso estudo, a hipótese geral era de que a concentração global de dióxido de carbono no Cretáceo era de cerca de 1000 ppm. Mas nas nossas experiências baseadas em modelos, foram necessários níveis de concentração de 1120 a 1680 ppm para atingir as temperaturas médias naquela época na Antártida”.

Continua depois da publicidade

O artigo que descreve as amostras de solo florestais coletadas foi publicado na revista Nature, clique aqui para acessá-lo.


Populares hoje

Saúde & Bem-Estar

Uma empresa israelense chamada CorNeat Vision desenvolveu uma córnea sintética e permitiu a um homem de 78 anos, cego há dez anos, recuperar totalmente...

Tecnologia

Muitos especialistas em estratégia militar alertam que as guerras do futuro não serão terrestres, mas confrontos sob o signo da inteligência artificial e do...

História & Humanidade

Os sapiens não são a única espécie humana que já circulou pela Terra, embora hoje só nós estejamos vivos. Fora os sapiens, a espécie...

História & Humanidade

Nós possuímos, em nosso DNA, registros de um ancestral misterioso, que acasalou com espécies humanas há aproximadamente um milhão de anos.