Connect with us

Hi, what are you looking for?

Planeta & Ambiente

Emissões de substâncias destruidoras da camada de ozônio estão caindo

As emissões globais de uma substância potente e notória por esgotar a camada de ozônio da Terra caíram rapidamente e agora estão de volta ao declínio, de acordo com novas pesquisas.

Emissões de substâncias destruidoras da camada de ozônio caem
(David Mark / Pixabay)

As emissões globais de uma substância potente e notória por esgotar a camada de ozônio da Terra – a barreira protetora que absorve os prejudiciais raios UV do Sol – caíram rapidamente e agora estão de volta ao declínio, de acordo com novas pesquisas.

Dois estudos internacionais publicados na Nature, mostram que as emissões de CFC-11, um dos muitos produtos químicos clorofluorocarbonos (CFC) outrora amplamente utilizados em geladeiras e espumas isolantes, estão de volta ao declínio menos de dois anos após a exposição de seu ressurgimento de choque, na esteira da suspeita de produção nociva.

O Dr. Luke Western, da Universidade de Bristol, um co-líder autor de um dos estudos, disse: “As descobertas são notícias muito bem-vindas e, espera-se, que marquem o fim de um período perturbador de aparentes brechas regulatórias. Se as emissões tivessem permanecido nos níveis significativamente elevados que encontramos anteriormente, poderia ter havido um atraso, possivelmente de muitos anos, na recuperação da camada de ozônio”.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

“Além disso, como o CFC-11 também é um potente gás de efeito estufa, as novas emissões estavam contribuindo para a mudança climática em níveis semelhantes às emissões de dióxido de carbono de uma megacidade”, completou o pesquisador.

A produção de CFC-11 foi proibida mundialmente em 2010 como parte do Protocolo de Montreal, um tratado internacional histórico que determinou a eliminação progressiva das substâncias que empobrecem a camada de ozônio. Posteriormente, as emissões de CFC-11 deveriam ter diminuído de forma constante.

Mas em 2018, alguns dos mesmos cientistas por trás da recente descoberta mais tranquilizadora encontraram um salto nas emissões por volta de 2013, o que gerou alarme na época de que a produção da substância proibida havia sido retomada em uma aparente violação do Protocolo de Montreal.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

O primeiro sinal de algo impróprio foi detectado por uma equipe internacional de monitoramento atmosférico liderada pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA).

O Dr. Steve Montzka da NOAA, autor principal do trabalho de pesquisa original, explicou: “Notamos que a concentração de CFC-11 havia diminuído mais lentamente desde 2013 do que o previsto, indicando claramente uma recuperação das emissões. Os resultados sugeriram que parte do aumento era da Ásia Oriental”.

Estas descobertas inesperadas foram confirmadas por uma rede de medição global independente, a Advanced Global Atmospheric Gases Experiment (AGAGE).

Publicidade. A leitura continua abaixo.

O professor Ron Prinn do Massachusetts Institute of Technology (MIT), principal investigador da AGAGE e co-autor de ambos os novos trabalhos, disse: “Os dados globais sugeriram claramente novas emissões. A pergunta era: onde exatamente?”

Emissões de substâncias destruidoras da camada de ozônio
As emissões de CFC-11 aumentaram substancialmente no nordeste da China entre 2008-2012 e 2014-2017, e caíram para os níveis anteriores em 2019. As emissões estão concentradas nas províncias chinesas de Shandong e Hebei. (AGAGE / NASA Earth Observatory, earthobservatory.nasa.gov/)

“A resposta estava nas medidas da AGAGE e das estações de monitoramento afiliadas que detectam ar poluído de regiões próximas. Usando dados das estações coreanas e japonesas, apareceu cerca da metade do aumento das emissões globais originadas de partes do leste da China”.

Outras investigações realizadas pela mídia e ativistas ambientais expuseram o uso de CFC-11 na fabricação de espumas isolantes na China. As autoridades chinesas tomaram conhecimento e nas reuniões do Protocolo de Montreal em 2018 e 2019, confirmaram que algumas substâncias que empobrecem a camada de ozônio foram identificadas durante as inspeções de fábrica, mas apenas em quantidades muito pequenas em relação àquelas inferidas a partir dos dados atmosféricos. De acordo com seus relatórios, seguiram-se prisões, apreensões de material e a demolição de instalações de produção.

As equipes científicas continuaram a monitorar de perto os níveis atmosféricos, e as últimas evidências, relatadas nos dois documentos sobre emissões globais de CFC-11 e emissões da China oriental, indicam que esses esforços provavelmente contribuíram para a queda dramática das emissões.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

O professor Matt Rigby, da Universidade de Bristol, co-autor de ambos os estudos, explicou: “Para quantificar como as emissões mudaram em escalas regionais, comparamos as melhorias de poluição observadas nos dados de medição coreanos e japoneses com modelos de computador que simulam como o CFC-11 é transportado através da atmosfera. Com os dados globais, utilizamos outro tipo de modelo que quantificou a mudança de emissões necessária para corresponder às tendências globais de concentração de CFC-11 observadas.”

“Em ambas as escalas, os resultados foram impressionantes; as emissões haviam diminuído milhares de toneladas por ano entre 2017 e 2019. Na verdade, estimamos que este declínio recente é comparável ou até maior que o aumento original, o que é uma reviravolta notável”, ele completou.

Embora os resultados sugiram que a rápida ação no leste da China e em outras regiões do mundo provavelmente tenha evitado um atraso substancial na recuperação da camada de ozônio, qualquer produção não relatada terá um impacto ambiental persistente.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

O professor Rigby acrescentou: “Mesmo que a nova produção associada às emissões do leste da China, e de outras regiões do mundo, tenha agora parado, é provável que apenas uma parte do CFC-11 total que foi feito tenha sido liberada para a atmosfera até agora. O resto pode ainda estar sentado em espumas em edifícios e eletrodomésticos e se infiltrará no ar durante as próximas décadas”.

Como as emissões estimadas de CFC-11 do leste da China não poderiam ser totalmente responsáveis pelas emissões globais inferidas, há apelos para intensificar os esforços internacionais para rastrear e rastrear quaisquer regiões emissoras futuras.

O professor Ray Weiss, da Scripps Institution of Oceanography, um investigador principal da AGAGE, disse: “Como resultado direto destas descobertas, as Partes do Protocolo de Montreal estão agora tomando medidas para identificar, localizar e quantificar quaisquer emissões futuras inesperadas de substâncias controladas, expandindo a cobertura das medições atmosféricas em regiões-chave do globo”.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

+Leia mais

Quantidade de calor no oceano foi maior em 2020 do que anos anteriores
Catalisador recicla gases de efeito estufa em combustível e gás hidrogênio
Até 2050, 90% dos animais terrestres podem perder seu habitat natural


Fonte: Universidade de Bristol

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Redação
Publicado por

A SoCientífica, abreviação para Sociedade Científica, nasceu em agosto de 2014 da vontade de decifrar as novidades no mundo científico e transmiti-las para uma sociedade que depende da ciência e tecnologia mas que sabe muito pouco sobre elas. Em um momento em que a desconfiança está se sobressaindo e novas ondas negacionistas de evidências surgem, a SoCientífica está empenhada em ajudar a trazer iluminação para a sociedade novamente.

Notícia

Durante o desenvolvimento embrionário, os mamíferos (a maioria deles) crescem na cavidade do útero da mãe. Esse ambiente vai se dilatando e desenvolvendo ao...

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Saúde & Bem-Estar

Os exercícios de alta intensidade de intervalos (HIIT) se tornaram populares nos últimos anos por uma série de razões. Eles não exigem tanto tempo...

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.