Connect with us

Hi, what are you looking for?

História & Humanidade

Egito: cemitério mais antigo de animais de estimação descoberto

585 animais foram desenterrados. (Marta Osypińska)

Arqueólogos anunciaram a descoberta do cemitério de animais mais antigo do Egito. Com quase 2.000 anos, inclui em grande parte os restos mortais de muitos gatos cuidadosamente enterrados.

Arqueólogos encontraram este cemitério por acidente, enquanto investigavam a área para analisar os restos de um antigo localizado nos arredores do porto de Berenice. Em 2011, eles desenterraram várias dezenas de esqueletos de gatos. Desde então, as escavações continuaram. Até o momento, 585 animais foram escavados. Desta amostra, 536 eram gatos, 32 cães e 15 macacos. Eles também encontraram os restos mortais de uma raposa e um falcão.

Não havia sacrifícios no cemitério de animais

Sabemos que os antigos egípcios mumificaram muitos animais para homenagear os deuses. No entanto, de acordo com Marta Osypińska, da Academia Polonesa de Ciências de Varsóvia, este cemitério é diferente. E por uma boa razão, ao contrário de muitos outros animais, nem todas essas criaturas foram sacrificadas.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
A maioria dos animais de estimação no cemitério eram gatos. (Marta Osypińska)

“Temos animais velhos e doentes que precisam ser alimentados e cuidados”, disse a pesquisadora. “Também temos animais (quase todos) enterrados com muito cuidado , colocados em posição de dormir e às vezes enrolados em um cobertor.”

Os restos mortais de um gato usando uma coleira de bronze. (Marta Osypińska)

Marta Osypińska menciona notavelmente o exemplo de um macaco enterrado com três gatinhos, uma cesta de grama, tecido e “duas lindas conchas do Oceano Índico colocadas contra sua cabeça”. Ela também menciona o caso de um cachorro grande enrolado em um tapete de folhas de palmeira. Ao redor do corpo, alguém também teria colocado cuidadosamente duas metades de uma ânfora em seu corpo, agindo como um sarcófago.

Animais velhos e doentes recebiam cuidados

Outras pistas também apontam nessa direção. Muito parecido com alguns animais de estimação de hoje, alguns desses animais provavelmente trabalharam para seus donos. Os gatos, por exemplo, podem ter sido usados ​​para caçar roedores, enquanto os cães podem ajudar a proteger a família e a caçar. No entanto, alguns desses animais não poderiam ter ajudado muito.

Esses cães foram enterrados em vasos de cerâmica. (Marta Osypińska)

Na verdade, alguns estavam “deformados”, o que significa que provavelmente não podiam correr, mas ainda eram alimentados. Vários cães também eram muito velhos e desdentados. Por fim, os arqueólogos também mencionam três cães muito pequenos — ou seja, não eram aptos para trabalhar.

Muitos dos animais neste cemitério também usavam colares de contas. Finalmente, um ostracon (uma peça de cerâmica com um texto) encontrado no local também continha uma pequena nota de quando alguns gatos ainda estavam vivos. Essas palavras tinham como objetivo tranquilizar o proprietário, pedindo-lhe que não se preocupasse com esses animais, pois outra pessoa viria cuidar deles.

O estudo científico foi publicado na revista World Archaeology.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Élisson Amboni
Publicado por

Fundador da Sociedade Científica, escreve e traduz para o site sobre vários temas que lhe dão ímpeto. Você pode encontrá-lo no Twitter clicando aqui.

Faça um comentário

Notícia

Durante o desenvolvimento embrionário, os mamíferos (a maioria deles) crescem na cavidade do útero da mãe. Esse ambiente vai se dilatando e desenvolvendo ao...

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Saúde & Bem-Estar

Os exercícios de alta intensidade de intervalos (HIIT) se tornaram populares nos últimos anos por uma série de razões. Eles não exigem tanto tempo...

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.