Connect with us

Hi, what are you looking for?

Mente & Cérebro

Déjà-vu: como a ciência explica esta sensação?

déjà-vu
o que é déjà vu e a ciência pode explicar por que isso acontece? (Reprodução/Segredos do Mundo)

Está em um lugar ou falar determinadas coisas que, em nossa mente, parece terem sido já realizadas: o nome dado a essa sensação é déjà-vu, termo de origem francesa que significa “já visto”. Isto é, às vezes nos colocamos em situações que parecem já ter sido vividas. Pode ser um lugar, uma fala, um obstáculo e dentre muitas coisas mais. No entanto, essa sensação faz referência a algo que aconteceu no passado e voltou a acontecer novamente, no presente.

É mais observada em indivíduos jovens que estão enfrentando longos períodos de estresse ou cansaço. Segundo o dito popular, existe uma outra explicação para essa sensação. Isto é, sentir como se já estivesse estado em determinados lugares pode estar relacionado com vidas passadas, ou até mesmo, atividades paranormais.

Déjà-vu pode ser uma falha na matriz?

Mesmo não possuindo nenhuma comprovação científica acerca disso, muitos acreditam que vivemos em um mundo semelhante ao de Trinity, da trilogia Matrix. Nesse mundo fictício, as máquinas inteligentes são quem dominam tudo ao ser redor, fazendo das pessoas, somente isso, meros mortais.

Continua depois da publicidade

Relacionado: Novo dispositivo transforma seu corpo em uma bateria biológica

Por ser algo bastante substrato, estudar de modo profundo como isso ocorre é bastante complicado. Nos últimos anos, os pesquisadores estão recorrendo à meios como hipnose e realidade virtual para conseguir desvendar os mistérios acerca dessa sensação.

Cena de déjà-vu mais famosa do cinema, do filme Matrix.

O déjà-vu e sua relação com a memória

Para tentar explicar, de forma científica, os pesquisadores tentaram recriar essa sensação em laboratório. Em 2006, o Leeds Memory Group recorreu ao método de hipnose. Portanto, os pacientes escolhidos foram submetidos a tal ação, criando no momento em que estavam hipnotizados, uma memória. Essa memória criada deveria ser algo simples, como uma cor, palavra de um livro ou jogar determinado jogo.

Relacionado: Seus olhos revelam quase todos os segredos de sua identidade

Continua depois da publicidade

Logo após, os pesquisadores instruíam que alguns pacientes viessem a esquecer aquilo que lhe fora ensinado, bem como, alguns poderiam guardar consigo, aquela memória. Quando saíam da hipnose, alguns pacientes tinham vagas sensações a respeito daquilo que fora vivido durante o momento em que estavam sob tal ação. Ou seja, quando se deparavam com a cor, o jogo ou a palavra que lhe fora ensinado, era rapidamente submetido a sensação de já ter visto aquilo antes.

Sensação causada em pessoas com epilepsia

Essa sensação de já ter vivido determinadas situações são frequentes em pessoas com epilepsia. Isto é, no momento em que ocorre uma crise, também acontece uma alteração na atividade elétrica de certos neurônios.

Relacionado: As mulheres são realmente mais empáticas do que os homens?

Continua depois da publicidade

Com isso, a atividade elétrica acaba por afetar os lobos temporais medianos, após se espalhar pelo cérebro, o que acarreta na sensação de déjà-vu logo no início de uma crise. Para pessoas que não possuem epilepsia, estudos mais profundos precisam ser realizados, afim de verificar se ocorrem ou não de forma semelhante aos que possuem.

Com informações de Futura Sciences e Scientific American.

Continua depois da publicidade
Comentários

Populares hoje

Saúde & Bem-Estar

Uma empresa israelense chamada CorNeat Vision desenvolveu uma córnea sintética e permitiu a um homem de 78 anos, cego há dez anos, recuperar totalmente...

Tecnologia

Muitos especialistas em estratégia militar alertam que as guerras do futuro não serão terrestres, mas confrontos sob o signo da inteligência artificial e do...

História & Humanidade

Os sapiens não são a única espécie humana que já circulou pela Terra, embora hoje só nós estejamos vivos. Fora os sapiens, a espécie...

História & Humanidade

Nós possuímos, em nosso DNA, registros de um ancestral misterioso, que acasalou com espécies humanas há aproximadamente um milhão de anos.