Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Baleia jubarte atacou orcas para evitar que foca virasse refeição

Uma baleia jubarte (Megaptera novaeangliae) foi flagrada interferindo no ataque de Orcas (Orcinus orca) a uma foca-de-Wedell (Leptonychotes weddellii) que se refugiava num iceberg.

Durante uma expedição em 2009, cientistas observaram dez orcas caçando Focas. Os animais criavam ondas para fazer com que elas caíssem na água. Este é um método bastante conhecido de caçar das Orcas na Antártica. Mas, poucos minutos depois do início da caçada, duas baleias jubartes apareceram e perseguiram as orcas.

Não é a primeira vez que baleias jubartes fazem isso. De 1951 a 2012, cientistas e entusiastas em todo o mundo observaram 115 casos de interação entre essas baleias e as orcas. Em muitos desses casos de aproximação, as orcas caçavam algum animal e as baleias jubartes esboçavam algum tipo de “proteção” para com o individuo que as orcas caçavam.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Poucas baleias possuem a coragem de se aproximar das orcas, pois correm o risco de virar alimento, já que seu sistema de defesa contra o ataque conjunto das orcas é bastante restrito. Isso não ocorre, contudo, com as baleias jubartes, salve raras exceções, pois possuem barbatanas longas e móveis, que servem como armas poderosas.

LEIA TAMBÉM: Vídeo mostra orcas perseguindo o predador mais aterrorizante do oceano

Por que as baleias jubartes interferem nos ataques de orcas?

Exemplos de baleias jubartes interagindo com orcas que comem mamíferos e atacam várias espécies de presas. (Imagem: ResearchGate)

Não é fácil responder a essa pergunta. Em primeiro lugar, devido à escassez de dados, há complexidade nas observações de mamíferos marinhos na natureza. Além disso, acredita-se que os encontros de orcas e jubarte são pouco frequentes, uma vez que não competem por comida; orcas não caçam jubartes com muita frequência.

Existem histórias conhecidas sobre golfinhos que salvam não apenas seus parentes, mas também animais de outras espécies, incluindo seres humanos, e, devido a isso, eles aparecem periodicamente na literatura como altruístas. No caso das jubartes, os motivos de suas ações não estão claros.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Talvez as baleias respondam aos sons emitidos pelas orcas. Durante ou após o ataque, as orcas começam a conversar ativamente entre si. As baleias jubartes provavelmente ouvem esses sons e e vão em direção a eles, se estiverem próximos.

Análises mostram que jubartes têm um instinto simples: se as orcas atacam algo por perto, ela precisa intervir. Talvez a chamada “transfusão” de comportamento intraespecífico, seja altruísmo ou seleção de parentesco, esteja ocorrendo em uma área mais ampla de interações. 

LEIA TAMBÉM: Vídeo aterrorizante mostra o tubarão mais antigo da Terra: assista

Publicidade. A leitura continua abaixo.

“Acho que precisamos considerar a possibilidade de que o altruísmo possa ser involuntário e surgir por interesse próprio”, disse o ecologista marinho Robert Pitman, que testemunhou o episódio em 2009 e descreveu à revista Natural History na época.

“Como as populações [de baleias jubartes] continuam a se recuperar, e aprendemos mais sobre como interagem umas com as outras e com o seu ambiente, podemos ter algumas surpresas”, acrescentou ele.

Imagens extraordinárias de um ataque de orca em um filhote de baleia cinza quando as baleias jubartes chegam e tentam intervir. (Imagens: BBC)

Em outras palavras, as jubarte auxiliam indivíduos de espécies diferentes, agindo como se estivessem protegendo, por exemplo, seu filhote. Assim, a possibilidade de altruísmo interespecífico não é excluída e, se realmente ocorrer, essa é uma área de pesquisa muito promissora na ciência.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

TALVEZ VOCÊ SE INTERESSE: Gato luta contra três coiotes ferozes e se salva de virar refeição; vídeo

Avatar
Publicado por

Tradutor e escritor freelancer, é divulgador científico na SoCientífica desde 2018. Nela, escreve sobre temas que dão faísca à imaginação do leitor, de tubarões e fantasmas a quasares.

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.

Mente & Cérebro

Nas últimas décadas, inúmeras pesquisas mostraram a relação entre amamentação e a saúde da criança. Sabe-se, por exemplo, que a amamentação ajuda no desenvolvimento...

Planeta & Ambiente

Nukumi, uma grande fêmea de tubarão-branco marcada no ano passado está cruzando o Atlântico já faz dois meses. De acordo com especialistas, ela pode estar...