HomeAuthorGiovane Almeida, Autor em Socientífica

Sou baiano, tenho 17 anos e sou fascinado pelo Cosmos. Atualmente trabalho com a divulgação científica na internet — principalmente no Ciencianautas, projeto em que eu mesmo fundei aos 15 anos de idade —, com ênfase na astronomia e cosmologia.
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2018/06/Sem-título-696x306.png

Um novo estudo publicado na Science descobriu que os mamíferos estão se tornando mais noturnos em resposta à atividade humana. A atividade humana está fazendo com que os mamíferos do planeta fujam da luz do dia para a proteção no escuro da noite, de acordo com um novo estudo da Universidade da Califórnia em Berkeley (UC Berkeley). O estudo, publicado na revista científica Science (https://goo.gl/m4cvr5), e apoiado em parte pela National Science Foundation (NSF), representa...

https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2018/02/9450a52bf1-1.jpg

AstrofísicaAstronomiaCosmologiaCientistas descobrem galáxia com dois anéis estrelares

Giovane Almeida1 ano atrásPGC 1000714 (centro). Crédito da imagem: Centro de Dados astronomiques de Estrasburgo / SIMBAD / SDSS

Os cientistas descobriram um tipo de raro galáxia a cerca de 359 milhões de anos-luz de distância da Terra, com uma estrutura circular única que nunca foi identificada antes. A galáxia chamada PGC 1000714 é um exemplo do que é chamado uma galáxia do anel — onde um círculo externo de jovens estrelas rodeia um núcleo galáctico mais antigo. A observação mais próxima da PGC 1000714 revela que seu núcleo está no meio de não apenas um, mas...

https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2018/01/ann12092a-1280x720.jpg

AstrofísicaAstronomiaPrimeira imagem do buraco negro no centro da Via Láctea pode ser divulgada em algumas semanas

Giovane Almeida1 ano atrásO ALMA, no Chile, é um dos telescópios usados no Telescópio Horizonte de Eventos (EVT, na sigla em inglês), a colaboração internacional para o primeiro registro do Sagitário A*. (Foto: ESO, C. Malin).

O buraco negro supermassivo Sagitário A*, que é cerca de 4 milhões de vezes mais massivo do que o Sol e tem cerca de 44 milhões de quilômetros de diâmetro, está localizado a 26 mil anos-luz de distância da Terra, no centro da Via Láctea. As suas características astronômicas lhe dão o tamanho aparente no céu de algo semelhante a olhar para um CD na superfície da Lua. Por esse motivo, os pesquisadores que estão...

https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2017/12/extra_large-1513957669-cover-image.jpg

NotíciaEstranho asteroide em forma crânio retornará à Terra em 2018

Giovane Almeida1 ano atrásRepresentação artística do 2015 TB145 com base em imagem do Arecibo Observatory. Crédito: J. A. Peñas / SINC

Um asteroide que tem uma semelhança impressionante com um crânio humano vai passar na vizinhança da Terra no próximo ano. O mesmo visitante já passou por aqui no “dia das bruxas” de 2015. Chamado de 2015 TB145, o asteroide tem cerca de 625 a 700 metros de diâmetro e dá uma volta completa em torno do seu eixo imaginário uma vez a cada três horas aproximadamente. Ele passou pela vizinhança de nosso planeta em 31...

https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2017/11/maxresdefault-1280x703.jpg

AstronomiaEngenharia aeroespacialMissão Dawn explora a evolução do interior de Ceres

Giovane Almeida2 anos atrásImagem da superfície do planeta anão Ceres obtida pela nave Dawn da NASA. A imagem foi retirada de um vídeo mostrando um flyover simulado sobre Ceres feito pela equipe de câmeras da missão Dawin no Centro Nacional de Pesquisa Aeronáutica e Espacial da Alemanha (DLR). (Veja o vídeo: https://youtu.be/nJiw2NxqoBU) Crédito: NASA / JPL / UCLS / MPS / DLR / IDA

Publicado no Phys.org As características da superfície de Ceres — o planeta anão localizado entre Marte e Júpiter — e sua evolução interior têm um relacionamento mais próximo do que se poderia pensar. Um estudo recente, publicado na Geophysical Research Letters, analisou as características da superfície de Ceres buscando revelar pistas sobre a evolução interior do planeta anão. Especificamente, o estudo explorou características lineares — as cadeias de poços ou pit chains, como originalmente são...

https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2017/11/cc_Mark.Witton-Kayenta_16x9.jpg

EcologiaEvoluçãoGenéticaPaleontologiaQuando os dinossauros foram extintos, muitos animais literalmente saíram do escuro

Giovane Almeida2 anos atrásOs extintos Kayentatherium, que viveram no início do jurássico, eram provavelmente ativos à noite. (Créditos da imagem: Mark Witton).

Os mamíferos que viviam ao mesmo tempo que os dinossauros eram provavelmente ativos à noite. Agora, um recente estudo publicado na Nature, relatou que as primeiras espécies ancestrais dos mamíferos a serem ativas durante o dia viveram a cerca de 65,8 milhões de anos atrás – há apenas 200 mil anos após a extinção dos dinossauros. De Gretchen Vogel para a Science. O desaparecimento dos dinossauros foi uma boa notícia para os mamíferos, cujos números aumentaram como consequência....