Connect with us

Hi, what are you looking for?

Saúde & Bem-Estar

Assento do meio vazio reduz a propagação de COVID-19 em aviões

Assentos em avião comercial. Imagem: Frank Duenzl/Picture-Alliance/AFP

Uma pesquisa dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e da Universidade Estadual do Kansas aponta que menos contágio da SARS-CoV-2 ocorreria se os assentos do meio ficassem vazios em aviões, algo que ainda não é praticado em voos comerciais no Brasil.

O estudo não é recente. Em 2017, pesquisadores montaram cabines simuladas de aviões de passageiros cheias de manequins com temperatura corporal para simular a disseminação viral em um avião – o objetivo, na época, era entender a propagação da gripe. 

O método

Os pesquisadores borrifaram o ar das cabines falsas com o vírus MS2, um vírus de RNA que ataca certas bactérias, mas que é inofensivo para os humanos. O vírus é frequentemente usado como substituto para patógenos perigosos que se espalham em minúsculos aerossóis flutuantes, algo que a própria COVID-19 faz.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Com os dados obtidos, os pesquisadores criaram um modelo de computador para analisar a redução da exposição ao SAR-CoV-2 com a distância de uma pessoa infectada. Eles também simularam qual seria a exposição se os assentos do meio fossem deixados vazios ou ocupados. Dependendo do cenário, os resultados mostraram uma redução da exposição entre 23% e 57% quando os assentos do meio foram deixados vazios em vez de ocupados. 

A redução de 23% ocorreu quando um passageiro infectado estava sentado na mesma fileira que um passageiro não infectado. Deixar o assento do meio entre os dois reduziu em quase um quarto a probabilidade de o passageiro não infectado ser exposto ao vírus. 

Filtração de ar eficiente?

Os aviões possuem um sistema de filtração da ar que limpam o ar de determinadas fileiras, fazendo com que os passageiros não respirem o mesmo ar de algumas poltronas à frente, ou seja, eles só compartilham a maior parte do ar com as pessoas sentadas nas proximidades. A descoberta de que o distanciamento é importante ecoa dados do mundo real sobre surtos de aviões, que mostraram que estar mais perto da pessoa infecciosa está associado a mais risco de infecção.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Como os dados originais nas maquetes das cabines foram coletados antes da pandemia de COVID-19, os pesquisadores não examinaram o efeito das máscaras faciais na disseminação viral. As máscaras são boas para bloquear grandes gotículas respiratórias, que não viajam muito antes de cair, e também ajudam a prevenir a transmissão de fômites, mantendo as mãos das pessoas longe do nariz e da boca. 

Por fim, a combinação de assentos intermediários vazios e máscaras faciais é mais protetora do que somente as máscaras requisitadas nos aviões.

O estudo foi publicado no Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade. Com informações de Live Science.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Faça um comentário

Notícia

Durante o desenvolvimento embrionário, os mamíferos (a maioria deles) crescem na cavidade do útero da mãe. Esse ambiente vai se dilatando e desenvolvendo ao...

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Saúde & Bem-Estar

Os exercícios de alta intensidade de intervalos (HIIT) se tornaram populares nos últimos anos por uma série de razões. Eles não exigem tanto tempo...

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.