História & HumanidadeSeca no Iraque emerge antigo palácio de 3.400 anos; veja imagens

Redação5 meses atrásImagem ilustrativa
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/07/palacio-antigo-no-iraque.jpg

No outono do ano passado, quando uma seca assolou o norte do Iraque, a água do reservatório recuou o suficiente para revelar um antigo palácio datado do Império Mittani.

Um grupo conjunto de arqueólogos alemães e iraquianos conduziu uma escavação de resgate do local, conhecida como Kemune, antes que o palácio fosse novamente engolido pelas águas do reservatório.

Apesar da curta temporada de campo, eles foram capazes de aprender muito sobre o palácio, escavando parcialmente oito dos 10 cômodos encontrados dentro do complexo. Descobriram tijolos cozidos usados como placas de piso e 10 tabletes cuneiformes, que estão sendo traduzidos atualmente. Um deles indica que Kemune pode ser a antiga cidade de Zakhiku mencionada em outros documentos, sugerindo que a cidade deve ter durado pelo menos 400 anos.

Foto: University of Tubingen

Durante os séculos 13 e 14 AEC, o palácio teria ignorado a margem oriental do rio Tigre, com um monumental terraço de tijolos de barro escorando a estrutura. O palácio em si é feito de paredes de tijolos de lama maciça, cerca de seis metros de espessura. Um destaque da escavação foi encontrar restos de pinturas murais em tons vibrantes de vermelho e azul. “No segundo milênio AEC, os murais eram provavelmente uma característica típica dos palácios do Antigo Oriente Próximo, mas raramente os encontramos preservados”, disse Puljiz em um comunicado à imprensa. “Então, descobrir pinturas murais em Kemune é uma emoção arqueológica.”

O palácio foi visto pela primeira vez em 2010, quando partes dele emergiram do reservatório. Mas foi somente no último outono que surgiu o suficiente da estrutura para que ela pudesse ser escavada. Puljiz diz a Jack Guy, da CNN, que, pouco depois da escavação concluída, o palácio desapareceu mais uma vez debaixo do lago. “Não está claro quando ele irá emergir novamente”, disse ela.

Foto: University of Tubingen

A equipe está esperando que os artefatos coletados da escavação sejam suficientes para lançar alguma luz sobre o Mittani. “A partir dos textos esperamos obter informações sobre a estrutura interna do Império Mittani, sua organização econômica e a relação da capital Mittani com os centros administrativos nas regiões vizinhas”, disse Puljiz a Guy.

A maior parte do que sabemos sobre o império vem de um punhado de sites, incluindo Tell Brak na Síria e dois sites chamados Nuzi e Alalakh nas bordas do império. Obter informações do coração da civilização poderia desbloquear revelações previamente desconhecidas.

A certa altura, o Império Mittani estendeu-se desde o Mediterrâneo oriental na Turquia e na Síria de hoje até à região oriental do norte do Iraque. O império era uma das grandes potências do Oriente Próximo, mas a maior parte do que sabemos sobre ele vem da correspondência entre os reis dos Mittani com o Egito e a Assíria. Em um pouco de curiosidade, o mais antigo manual de treinamento de cavalos do mundo também vem dos Mittani; seu povo era conhecido por sua equitação e desenvolveu rodas mais leves e rápidas para seus carros de guerra.

Finalmente, Mittani foi atacado pelos hititas e, mais tarde, pelos assírios, que transformaram a região num estado vassalo; de um grande poder, a absorção do reino pela Assíria colocaria Mittani no seu caminho para se tornar o “império esquecido” do Oriente Próximo.

FONTE / Smithsonian Magazine

Posts relacionados