AmbienteDerretimento das geleiras do Himalaia dobrou nos últimos anos

Aquecimento acelerado está afetando consistentemente uma região enorme, diz novo estudo.
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/06/geleira-himalaia-1280x720.jpg

Um novo estudo abrangente mostra que o derretimento das geleiras do Himalaia, causado pelo aumento das temperaturas, acelerou dramaticamente desde o início do século XXI. A análise, que abrangeu 40 anos de observações de satélites na Índia, China, Nepal e Butão, indica que as geleiras vêm perdendo o equivalente a mais de um pé vertical e metade de gelo a cada ano desde 2000 – o dobro do derretimento que ocorreu 1975 a 2000. O estudo é a mais recente e talvez mais convincente indicação de que a mudança climática está consumindo as geleiras do Himalaia, potencialmente ameaçando o abastecimento de água para centenas de milhões de pessoas a jusante em grande parte da Ásia.

“Este é o quadro mais claro até agora de quão rápido as geleiras do Himalaia estão derretendo neste intervalo de tempo, e por quê”, disse o autor principal, Joshua Maurer , um Ph.D. candidato no Observatório da Terra Lamont-Doherty da Universidade de Columbia. Embora não tenham sido especificamente calculados no estudo, os glaciares podem ter perdido até um quarto de sua enorme massa nas últimas quatro décadas, disse Maurer. O estudo aparece esta semana na revista Science Advances.

Atualmente abrigando cerca de 600 bilhões de toneladas de gelo, os Himalaias são às vezes chamados de “Terceiro Pólo” da Terra. Muitos outros estudos recentes sugeriram que as geleiras estão perdendo, incluindo uma projetando que até dois terços da atual cobertura de gelo ter desaparecido até 2100. Mas até agora, as observações foram um pouco fragmentadas, concentrando-se em períodos de tempo mais curtos , ou apenas glaciares individuais ou certas regiões. Estes estudos produziram resultados por vezes contraditórios, tanto no que diz respeito ao grau de perda de gelo como às causas. O novo estudo sintetiza dados de toda a região, desde as primeiras observações de satélite até o presente. A síntese indica que o derretimento é consistente no tempo e no espaço, e que o aumento das temperaturas é o culpado. As temperaturas variam de um lugar para outro, mas de 2000 a 2016 elas têm uma média de 1 grau centígrado (1,8 graus Fahrenheit) mais altas do que as de 1975 a 2000.

Vista oblíqua do Himalaia, na fronteira de Sikkim, na Índia e no leste do Nepal, capturado em 20 de dezembro de 1975 por um satélite-espião KH-9 HEXAGON. Essas imagens desclassificadas foram usadas por pesquisadores em um novo estudo das geleiras do Himalaia. (National Reconnaissance Office / US Geological Survey)

Maurer e seus colegas analisaram repetidas imagens de satélite de cerca de 650 glaciares abrangendo 2.000 quilômetros de oeste a leste. Muitas das observações do século XX vieram de imagens fotográficas recentemente desclassificadas tiradas por satélites espiões dos EUA. Os pesquisadores criaram um sistema automatizado para transformá-los em modelos 3D que poderiam mostrar as mudanças nas elevações das geleiras ao longo do tempo. Eles então compararam essas imagens com dados ópticos pós-2000 de satélites mais sofisticados, que transmitem mais diretamente mudanças de elevação.

LEIA TAMBÉM: Cientistas têm 99,9999 por cento de certeza que humanos causaram as mudanças climáticas

Eles descobriram que de 1975 a 2000, as geleiras da região perderam uma média de cerca de 0,25 metros (10 polegadas) de gelo a cada ano, devido ao ligeiro aquecimento. Seguindo uma tendência de aquecimento mais pronunciada a partir dos anos 90, a partir de 2000, a perda acelerou para cerca de meio metro (20 polegadas) anualmente. Recentes perdas anuais atingiram em média cerca de 8 bilhões de toneladas de água, ou o equivalente a 3,2 milhões de piscinas olímpicas, diz Maurer. A maioria das geleiras individuais não está perdendo uniformemente em toda a superfície, observou ele; o derretimento tem se concentrado principalmente em elevações mais baixas, onde algumas superfícies de gelo estão perdendo até 5 metros (16 pés) por ano.

Alguns pesquisadores argumentam que outros fatores além da temperatura estão afetando as geleiras. Estes incluem mudanças na precipitação, que parece estar diminuindo em algumas áreas (o que tenderia a reduzir o gelo), mas aumentando em outras (o que tenderia a construí-lo). Outro fator: as nações asiáticas estão queimando cada vez mais cargas de combustíveis fósseis e biomassa, enviando fuligem para o céu. Grande parte dela acaba pousando em superfícies de geleiras cobertas de neve, onde absorve energia solar e acelera o derretimento. Maurer concorda que tanto a fuligem quanto a precipitação são fatores, mas devido ao enorme tamanho e extrema topografia da região, os efeitos são altamente variáveis de um lugar para outro. No geral, diz ele, a temperatura é a força dominante. Para confirmar isso, ele e seus colegas compilaram dados de temperatura durante o período do estudo a partir de estações terrestres e, em seguida, calcularam a quantidade de fusão que os aumentos observados de temperatura deverão produzir. Eles então compararam esses números com o que realmente aconteceu. Eles combinaram. “Parece exatamente o que esperaríamos se o aquecimento fosse o fator dominante na perda de gelo”, disse ele.

LEIA TAMBÉM: “Dose certa” de escurecimento do Sol pode reduzir o aquecimento global pela metade

A perda de gelo no Himalaia se assemelha aos muito estudados Alpes Europeus, onde as temperaturas começaram a subir um pouco mais cedo, nos anos 80. As geleiras começaram a desperdiçar logo após esse aumento, e a rápida perda de gelo continuou desde então. Os Himalaias geralmente não estão derretendo tão rápido quanto os Alpes, mas a progressão geral é semelhante, dizem os pesquisadores. O estudo não inclui as imensas faixas adjacentes da Ásia, como o Pamir, o Hindu Kush ou o Tian Shan, mas outros estudos sugerem que o derretimento similar está ocorrendo também.

Cerca de 800 milhões de pessoas dependem em parte do escoamento sazonal das geleiras do Himalaia para irrigação, energia hidrelétrica e água potável. O derretimento acelerado parece estar tão longe para aumentar o escoamento durante as estações quentes, mas os cientistas projetam que isso vai desaparecer dentro de décadas, à medida que as geleiras perdem massa. Isso, dizem eles, acabará por levar à escassez de água. Um estudo separado publicado em maio estima que o escoamento anual é agora cerca de 1,6 vezes maior do que se as geleiras fossem reabastecidas na mesma proporção em que estavam derretendo. Como resultado, em muitas drenagens de alta montanha, lagos de água derretida estão se formando rapidamente atrás de represas naturais de detritos rochosos; estes estão a ameaçar as comunidades a jusante com cheias potencialmente destrutivas e mortais. Mesmo no Monte Everest, cadáveres de alpinistas há muito perdidos que não conseguiram retornar estão emergindo do derretimento do gelo e da neve ao longo das trilhas.

O estudo mostra que “até mesmo as geleiras nas montanhas mais altas do mundo estão respondendo aos aumentos da temperatura do ar global impulsionados pela combustão de combustíveis fósseis”, disse Joseph Shea, um geógrafo glacial da Universidade do Norte da Colúmbia Britânica que não esteve envolvido no estudo. estude. “No longo prazo, isso levará a mudanças no tempo e na magnitude do fluxo em uma região densamente povoada.”

“Isso mostra como os Himalaia estão ameaçados se as mudanças climáticas continuarem no mesmo ritmo nas próximas décadas”, disse Etienne Berthier, um glaciologista do Laboratório de Estudos em Geofísica e Oceanografia Espacial da França, que também não esteve envolvido no estudo.

O estudo foi realizado em co-autoria de Joerg Schaefer e Alison Corley do Lamont-Doherty Earth Observatory, e Summer Rupper da Universidade de Utah.

LEIA TAMBÉM: Brasil é o 4º país que mais produz lixo no mundo, segundo pesquisa

Tradução e edição de Henrique Cortez para o EcoDebate.