AmbienteEmissões de carbono quebram o recorde em um retrocesso global devastador

Jamais na história as emissões estiveram tão altas.
Redação6 meses atrás7 min
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/03/COALuseIncreasing2018_1024-1024x415.jpg

Especialistas divulgaram resultados sombrios, apontando que as emissões de dióxido de carbono ainda estão aumentando, mas a crescente demanda mundial por energia levou a emissões mais altas do que nunca.

A demanda por energia em todo o mundo cresceu 2,3% no ano passado, marcando o aumento mais rápido em uma década, de acordo com o relatório da Agência Internacional de Energia. Para atender a essa demanda, em grande parte alimentada por uma economia em expansão, os países recorreram a uma série de fontes, inclusive renováveis.

Mas nada preenchia o vazio como os combustíveis fósseis, que satisfaziam quase 70% da demanda crescente de eletricidade, segundo a agência, que analisa as tendências de energia em nome de 30 países membros.

Em particular, uma frota de usinas de carvão relativamente jovens localizadas na Ásia liderou o caminho para um recorde de emissões de usinas de carvão – ultrapassando 10 bilhões de toneladas de dióxido de carbono “pela primeira vez”, a agência disse.

Como resultado, as emissões de gases de efeito estufa provenientes do uso de energia – de longe a sua maior fonte – aumentaram em 2018, atingindo um recorde de 33,1 bilhões de toneladas.

As emissões apresentaram um crescimento de 1,7%, bem acima da média desde 2010. O crescimento das emissões globais em 2018 foi “equivalente ao total de emissões da aviação internacional”, segundo o órgão.

O relatório ressalta uma verdade inquietante sobre os esforços coletivos do mundo para combater a mudança climática: mesmo que as energias renováveis ​​se expandam rapidamente, muitos países – incluindo os Estados Unidos e a China – ainda estão se voltando para combustíveis fósseis para satisfazer a crescente demanda por energia.

A China, por exemplo, satisfez uma demanda por mais energia no ano passado com uma nova geração de renováveis. Mas dependia muito mais de gás natural, carvão e petróleo. Na Índia, cerca de metade de toda a nova demanda foi similarmente atendida por usinas a carvão.

Nos Estados Unidos, por outro lado, o carvão está em declínio – mas a maior parte do aumento da demanda por energia neste país foi, no entanto, alimentada pela queima de gás natural, e não pela energia renovável.

O gás natural emite menos dióxido de carbono do que o carvão quando é queimado, mas ainda é um combustível fóssil e ainda causa emissões significativas.

Há algumas pequenas boas notícias no novo relatório, na medida em que, como as energias renováveis ​​e o gás natural cresceram, o carvão tem uma participação menor no total de energia.

No entanto, o fato de que ainda está crescendo contradiz fortemente o que os cientistas disseram sobre o que é necessário para conter o aquecimento do clima.

Em um relatório importante do ano passado, o Painel Intergovernamental da ONU sobre Mudanças Climáticas descobriu que as emissões globais teriam que ser reduzidas quase pela metade até 2030, para preservar a chance de manter o aquecimento do planeta a 1,5 grau Celsius (ou 2,7 graus Fahrenheit).

Isso exigiria reduções anuais extremamente rápidas nas emissões – mas, em vez disso, o mundo ainda está registrando altos recordes.

E quando se trata de uso de carvão, o mesmo relatório descobriu que, para limitar as temperaturas a 1,5 ° C, teria que diminuir em até 78% em pouco mais de 10 anos. Mais uma vez, as emissões de carvão ainda estão subindo.

“O que é desanimador é que as emissões nos EUA e na Europa também estão subindo. Alguém tem que diminuir significativamente suas emissões para que tenhamos alguma esperança de cumprir os compromissos de Paris.”

Como resultado, o otimismo do início desta década diminuiu bastante. Os esforços internacionais para combater as mudanças climáticas têm lutado para manter o ímpeto e o governo dos EUA passou por uma reversão de prioridades.