Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espaço

Primeira imagem direta de planetas ao redor de estrela semelhante ao Sol

Pesquisadoes fotografaram o sistema TYC 8998-760-1, semelhante ao Sol. Esta foi a Primeira imagem direta de exoplanetas com sua estrela.

Primeira imagem direta de planetas
Foto do sistema TYC 8998-760-1. (Créditos da imagem: ESO)

Relativamente próximo ao Sol, cerca de 300 anos-luz de distância, existe um sistema planetário em torno da jovem estrela TYC 8998-760-1, bastante semelhante ao Sol. Esta foi a Primeira imagem direta de planetas com sua estrela.

Os dois exoplanetas na órbita de TYC 8998-760-1 foram identificados no dia 16 de fevereiro de 2020 pelo observatório Very Large Telescope, do Observatório Europeu do Sul (ESO), no Chile.

Ver diretamente uma estrela é muito fácil, fazemos isso a olho nu a todo momento. Entretanto, além de serem menores, os planetas não possuem brilho próprio, o que torna a tarefa extremamente difícil.

Continua depois da publicidade

Até hoje, identificamos pouco mais de 4 milhares de exoplanetas. Entretanto, os identificamos apenas por meios indiretos, principalmente pelo trânsito planetário. A primeira imagem direta de planetas em seu sistema é realmente inovadora.

O trânsito planetário consiste em um método onde um telescópio observa uma estrela continuamente por um período. Os pesquisadores, então, olham as curvas de luz, e por meio da variação, é possível identificar um planeta e seus detalhes.

É uma variação bem pequena, de um percentual próximo do 1%. Entretanto, já é o suficiente para sabermos seu tamanho, se é rochoso ou gasoso e até mesmo a composição da atmosfera, além da distância até a estrela. Podemos, por meio desses dados, adicioná-lo à lista dos exoplanetas potencialmente habitáveis.

Continua depois da publicidade

A equipe de pesquisadores que encontrou o sistema TYC 8998-760-1 por meio das imagens diretas é liderada pelo cientista Alexander Bohn, da Universidade de Leiden, na Holanda.

“Essa descoberta é uma imagem de um ambiente muito semelhante ao nosso Sistema Solar, mas em um estágio muito inicial de sua evolução”, disse Bohn em um comunicado do ESO.

O sistema e os planetas

O primeiro dos dois planetas era um gigante gasoso, com cerca de 14 vezes a massa de Júpiter, e com uma órbita de cerca de 160 unidades astronômicas (UA). Uma UA equivale à distância média entre a Terra e o Sol.

Continua depois da publicidade
 primeira imagem direta de planetas
Foto do sistema TYC 8998-760-1. (Créditos da imagem: ESO).

Após isso, eles resolveram dar uma olhada mais detalhada, resgatando dados de 2017 e fazendo novas observações com o SPHERE para imagens de exoplanetas, um instrumento do Very Large Telescope.

Eles queriam confirmar apenas a existência daquele primeiro ponto, mas acabaram encontrando um segundo planeta, ainda mais longe. Sua órbita era de cerca de 320 unidades astronômicas.

Esse planeta era menor do que o anterior, apesar de ainda ser grande – cerca de 6 vezes a massa de Júpiter. Ele foi nomeado de TYC 8998-760-1 c. O outro, maior, também recebeu o nome da estrela, TYC 8998-760-1 b.

Além da inovação, que pode abrir uma nova forma de exploração do espaço e ajudar grandemente os cientistas em missões como a busca por outras formas de vida inteligente, fora da Terra, há outras aplicações.

Continua depois da publicidade

Entender um sistema planetário novo, com apenas 16,7 milhões de anos pode ser extremamente vantajoso para entendermos a evolução do nosso próprio Sistema Solar, já que TYC 8998-760-1 é bastante parecido.

Por exemplo, os cientistas já imaginavam que os gigantes gasosos se formavam muito longe da estrela, e só depois se aproximavam. O fato de a distância deles ser realmente grande pode ser uma evidência observacional que a comprove.

Bohn conclui, no comunicado, que a descoberta “marca um ponto importante na compreensão de sistemas multi-planetários, com possíveis implicações para a história de nosso planeta. próprio sistema solar”.

Continua depois da publicidade

O estudo foi publicado no The Astrophysical Journal Letters.

Com informações de Science Alert e ESO.

Continua depois da publicidade
Avatar
Publicado por

É divulgador científico por paixão. Gradua-se em Física pela UFSCAR e atua principalmente na Ciencianautas e SoCientífica.


Populares hoje