Connect with us

Hi, what are you looking for?

Saúde & Bem-Estar

150 anos é o tempo máximo da vida humana, sugere estudo

Um novo estudo analisou o sangue humanos para concluir que uma pessoa saudável pode viver até, no máximo, 150 anos, sem eventualidades.

Esta nova pesquisa acaba de definir os possíveis limites do envelhecimento humano. Imagem: Free-Photos por Pixabay

A indústria de biotecnologia vem crescendo mundo inteiro a passos largos, e não é sem motivo. Diversos milionários e bilionários vêm aplicando cada vez mais dinheiro em pesquisas que busquem mais longevidade – ou mesmo a imortalidade. Todavia, uma nova pesquisa usou análises sanguíneas para mostrar que até o momento os seres humanos podem viver no máximo até 150 anos.

Para chegar a esta estimativa, pesquisadores avaliaram as células sanguíneas e o número de passos caminhados. Essas características foram analisadas ao longo de alguns meses entre pacientes de diversas idades e estilos de vida. Ademais, para completar a estimativa, a pesquisa se baseia em dados de mortalidade e morbidez por doenças como o câncer e a diabetes.

Cruzando esses dados, os pesquisadores puderam traçar um gráfico da resiliência do corpo ao longo da idade. Nesse sentido, a resiliência biológica representa a capacidade do corpo se recuperar após uma alteração na homeostase – o “equilíbrio” do corpo.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

A partir disso, então, a pesquisa mostrou um limite para a resiliência humana entre os 120 e 150 anos de idade. Ou seja, se o câncer ou um infarto não causar a morte nessa idade, a própria degradação do corpo causará.

150 anos vivendo em uma bolha

Vale ressaltar que a pesquisa levou em consideração diversas morbidades (como o câncer e diabetes citados acima) para estimar a idade de 150 anos. Contudo, atingir esse limite só seria possível sem a eventualidade destas doenças – ou de qualquer outro tipo de evento fatal, como um acidente de carro.

Assim, esses 150 anos poderiam chegar apenas em condições altamente saudáveis para o organismo. Nesse sentido, o time de cientistas afirma que os próximos passos da pesquisa devem envolver justamente a morbidades que possam evitar o alcance dessa idade avançada.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Outros especialistas afirmam ainda que a longevidade precisa chegar com qualidade de vida. Isso porque viver mais não significa necessariamente viver melhor.

Imagem: Free-Photos por Pixabay 

Além do mais, fatores sociais têm um profundo efeito na longevidade de um indivíduo. O cigarro é o principal exemplo, sendo responsável por 70% de todos os casos de câncer de pulmão (o tipo mais comum da doenças, aliás). Atividade física frequente e uma dieta balanceada, ademais, podem ser determinantes para uma melhor qualidade de vida em estágios mais avançados da idade. Contudo, isso já não é novidade.

Assim, possivelmente precisaremos de outras soluções – ainda não conhecidas – para quebrar o teto dos 150 anos. Ainda mais soluções serão necessárias para atingir essa marca de forma saudável.

O artigo está disponível no periódico Nature Communications.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Mateus Marchetto
Publicado por

Aluno de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná, professor de inglês, apaixonado por ciência e divulgação científica. Me interesso principalmente pelas áreas de microbiologia, bioquímica e bioinformática.

Faça um comentário

Tecnologia

Cientistas estão trabalhando em um novo tipo de propulsão hipersônica que poderia permitir aviões voarem a mais de 20.000 km/h (Mach 17).

Plantas & Animais

Minúsculas criaturas, os rotíferos bdelóides, ficaram congelados no permafrost por 24.000 anos e foram recentemente trazidos de volta à vida, produzindo clones em um...

Notícia

Por muitos anos, a ecolocalização humana tem sido uma forma de percepção para pessoas que perderam a visão. Apesar disso, poucas pesquisas reforçavam essa...

Plantas & Animais

Raças menores de cães geralmente apresentam comportamentos mais instáveis. Pode haver, portanto, diversos motivos para cachorros pequenos serem ferozes.