Connect with us

Hi, what are you looking for?

História & Humanidade

Mistério da Esfinge: uma mensagem antiga da diversidade étnica no Egito

O antigo Egito era muito mais diversificado étnica e culturalmente que nós imaginamos.

Em 1995, a NBC televisionou um documentário em horário nobre apresentado pelo ator Charlton Heston e dirigido por Bill Cote, chamado Mystery of the Sphinx. O programa centrou-se na pesquisa e nos escritos de John Anthony West, um egiptólogo (não-acadêmico) que, juntamente com o Dr. Robert Schoch, professor de Geologia da Universidade de Boston, fez uma descoberta surpreendente sobre a Grande Esfinge de Giza, no Egito.

Na época, a maioria dos egiptólogos acreditava que a Esfinge tinha sido esculpida à semelhança de um faraó chamado Khafre durante seu reinado por volta de 2500 AC (aproximadamente 4.500 anos atrás.) Isto foi baseado em uma vaga hipótese dos fragmentos de uma estela (marcador de pedra) encontrados perto da frente da escultura maciça.


Uma foto antiga da Esfinge de Gizé, por volta de 1890. (Foto: irmãos Zangaki / Domínio Público)

Constatações chocantes

Durante suas muitas viagens ao Egito, West tinha descoberto a pesquisa de R. A. Schwaller de Lubicz, um egiptólogo francês que acreditava que a Esfinge era significativamente mais antiga do que a descrita pelos historiadores. Para apoiar sua pesquisa, West convidou Schoch para analisar a esfinge a partir de uma perspectiva geológica e fazer uma determinação da idade a partir de suas descobertas. West e Schoch publicariam mais tarde as suas conclusões que revelaram que a Esfinge e o recinto circundante (feito de calcário) eram significativamente mais velhos. As estimativas conservadoras do Dr. Schoch eram de aproximadamente 9.000 anos, o que West considerou um tanto inadequado e as datas expressas em particular a 20.000 anos ou mais. As estimativas conservadoras do Dr. Schoch estavam na vizinhança de 9.000 anos, que o West sentiu que era um pouco inadequado e expressou privadamente datas de 20.000 anos ou mais.

Continua depois da publicidade

LEIA TAMBÉM: Civilização que deu origem ao Egito encontrada por arqueólogos

A notícia chocou o mundo científico, que não conseguiu compreender a possibilidade de uma civilização avançada existente antes de 2600 AC. O documentário Mystery of the Sphinx destacou a descoberta de West e Schoch que hoje deixou a comunidade científica dividida.

Face da Esfinge

Continua depois da publicidade

Um dos aspectos interessantes do documentário, e o foco deste artigo, foi a reconstrução forense da face da Esfinge e de sua etnia. A maioria, se não todos os egiptólogos concordam que a cabeça da Esfinge representa o Faraó Khafre, e ao longo dos anos têm apresentado esculturas de Khafre que sentiram ter uma boa semelhança. West desconfiava dessa afirmação e pediu a Frank Domingo, um perito forense do Departamento de Polícia de Nova York, que reconstruísse a face da Esfinge para confirmar ou negar a semelhança com Khafre.

Composição de fotos da esfinge, por Frank Domingo, Departamento de Polícia de NY. (Imagem via autor).

Domingo tirou centenas de fotos de varias posições dentro e fora do recinto da Esfinge, capturando as sutilezas da face da Esfinge, a técnica de escultura e a intenção dos artesãos que formaram a escultura. No final de sua análise, o rosto que ele restabeleceu através da reconstrução cuidadosa não era o Faraó Khafre. Usando porções da cabeça que sobraram após a erosão, e as mudanças resultantes do fogo de artilharia de guerras anteriores na área, Domingo revelou que a cabeça da Esfinge era a de um indivíduo africano (núbio) o que parecia um faraó desconhecido.

A comunidade egípcia foi imediatamente agitada e rejeitou as conclusões de Domingo, Schoch e West com uma série de acusações de caráter. Dadas as novas conclusões científicas, em vez de considerar as possibilidades de uma dinastia ainda mais antiga, eles rejeitaram os dados como não fundamentados e não científicos. Mas, a história não termina aqui. Uma das considerações importantes da pesquisa do Ocidente foi a descoberta de que o rosto não era Khafre, mas distintamente africano.

Diversidade Racial no Antigo Egito
Minha própria pesquisa da sociedade maia pré-clássica (1500 a.C. – 1500 d.C.) revela agora evidências de diversidade racial em escala maciça, milhares de anos antes de Colombo chegar às Américas. Imagens abundantes de pessoas desse período e por séculos depois são encontradas em figuras de terracota, cerâmica e, em alguns exemplos, jóias. Não se sabe como esses grupos étnicos migraram para a América Central, mas nos últimos 50 anos, vários autores documentaram uma sociedade maia com pessoas de grupos raciais inconfundivelmente diferentes. O mais proeminente desses escritores foi o professor Alexander von Wuthenau, um estudioso que fugiu da Alemanha nazista, se estabeleceu no México e viveu lá até sua morte no início dos anos 1970. Um observador atento, sua coleção de artefatos mesoamericanos antigos é surpreendente, com exemplos de pessoas da Ásia, África e Europa, e está documentada em centenas de fotos em seu livro, Unexpected Faces in Ancient America. Tipos raciais semelhantes também podem ser encontrados no Egito Dinástico.

Continua depois da publicidade

LEIA TAMBÉM: A Pirâmide mais antiga do Egito não possui nenhum registro de sua construção

Em uma recente viagem a Paris, visitei o Louvre e a ala das Antiguidades Egípcias para ver os artefatos. A exposição atual estreia com uma esfinge de granito vermelho, grande e bem esculpida, que nos leva ao andar de cima a uma coleção de monólitos e esculturas recolhidas por arqueólogos franceses no final do século XVII. Ao entrar nesta parte do museu, você se depara com seis indivíduos pequenos, mas distintamente esculpidos com corpos da esfinge. O título da exposição lê (traduzido do francês): Seis das Esfinges fazem divisa: Conduzindo ao território do Serapeum de Saqqqara.

Esfinge de entrada. Seis esfinges pequenas, lindamente esculpidas, saúdam você ao entrar na parte egípcia do Louvre. Cada uma tem o rosto de um indivíduo da Ásia. (Foto do autor).

Cada esfinge é executada em estilo refinado dos primeiros artesãos egípcios dinâmicos, mas nestes exemplos, todos têm faces distintamente diferentes; são asiáticos. De acordo com August Mariette, o arqueólogo francês que escavou o local em 1850, cada esfinge fazia parte de 600 pequenas esculturas que revestiam uma calçada que entrava no Serapeum. Esta é a primeira vez que eu notei características asiáticas na cabeça de uma escultura egípcia e só posso supor que o antigo Egito era muito mais diversificado culturalmente que nós entendemos.

Detalhes de uma esfinge no museu. (Foto do autor.)

Intercâmbio cultural e genético

Em um artigo recente sobre pesquisa de DNA e genoma mitocondrial de populações egípcias primitivas, os autores concluem que, devido à sua proximidade com a África, Ásia e Europa, “a partir do primeiro milênio a.C., o Egito viu um número crescente de estrangeiros vivendo e trabalhando dentro de suas fronteiras e foi submetido a uma seqüência quase contínua de dominação estrangeira por líbios, assírios, kushites, persas, gregos, romanos, árabes, turcos e britânicos. O movimento de pessoas, bens e ideias ao longo da longa história do Egito deu origem a um intrincado intercâmbio cultural e genético, envolvendo questões que ressoam fortemente com o discurso contemporâneo sobre integração e globalização”.

Continua depois da publicidade

LEIA TAMBÉM: Tumbas de 3.500 anos descobertas em Luxor, no Egito

Parece que os geneticistas determinaram que, durante milhares de anos, o antigo Egito era uma sociedade formada por comunidades multirraciais, vivendo, trabalhando e interagindo uns com os outros como um grupo coeso. Por que é tão difícil para os egiptólogos aceitar a possibilidade de um faraó africano ou mesmo asiático de uma época anterior?

Parece que a experiência etnicamente diversa que são os Estados Unidos da América não é, afinal, nova. A diversidade racial tem sido cultivada em diferentes partes do mundo há milhares de anos.

Continua depois da publicidade

Por Cliff Dunning, um arqueólogo-investigador, autor e apresentador do popular podcast de História, Earth Ancients: Novas Descobertas Assustadoras de nossos Planetas Passados Distantes.

Este artigo foi republicado do Ancient Origins, leia o artigo original aqui.

Continua depois da publicidade
Da Redação
Publicado por

A SoCientífica, abreviação para Sociedade Científica, nasceu em agosto de 2014 da vontade de decifrar as novidades no mundo científico e transmiti-las para uma sociedade que depende da ciência e tecnologia mas que sabe muito pouco sobre elas. Em um momento em que a desconfiança está se sobressaindo e novas ondas negacionistas de evidências surgem, a SoCientífica está empenhada em ajudar a trazer iluminação para a sociedade novamente.

Comentários

Populares hoje