Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Mamute lanoso com ligamentos ainda intactos é encontrado na Sibéria

mamute-lanoso
Restos mortais do mamute lanoso foram achados em um lago na Rússia. Foto: Divulgação.

Um mamute lanoso que morreu há pelo menos 10.000 anos foi encontrado na Sibéria. O esqueleto foi descoberto por pastores de renas, que encontraram os restos do animal. Aliás, chama atenção porque ainda possui ligamentos intactos.

Foi localizado no lago Pechevalavato, no distrito de Yamalo-Nenets, na Rússia, no dia 23 de julho. Os pesquisadores removeram partes do crânio, costelas e pés do mamute lanoso, muitos deles ainda mantidos unidos por tecidos moles.

mamute lanoso com ligamentos preservados é encontrado na Sibéria
(Artem Cheremisov / Governador da região de Yamalo-Nenets da Rússia, Assessoria de Imprensa via AP)

Pesquisadores seguem em busca de mais partes do mamute lanoso

Os pesquisadores continuam vasculhando a região, com a esperança de encontrarem mais algum esqueleto milenar. Segundo o diretor do Centro de Pesquisa do Ártico, Dmitry Frolov em entrevista à Siberian Times, “todo o esqueleto está lá”, e ele deu mais detalhes sobre o animal. “A julgar pelas fotos, era um jovem mamute, mas teremos que esperar pelos testes para dar a idade exata”.

LEIA TAMBÉM: Templo da Era do Gelo feito com ossos de 60 mamutes é descoberto

Continua depois da publicidade

Foram encontrados diversos ossos espalhados nas margens do lago, sendo que provavelmente ficou por milhares de anos preso no solo congelado do permafrost. Recentemente foram encontrados um potro de 42 mil anos, um lobo de 32 mil anos e um filhote de leão da caverna, espécie já extinta, além de outras descobertas incríveis.

Esqueleto de mamute lanoso encontrado
(Artem Cheremisov / Governador da região de Yamalo-Nenets da Rússia, Assessoria de Imprensa via AP)

Descoberta foi possível devido à onda de calor

Em junho uma forte onda de calor atingiu a Sibéria, elevando a temperatura em 8ºC em comparação com a média. Mas, antes disso a região já passou por fortes mudanças de temperatura, indo de -68ºC no inverno para 32ºC no verão, devido a mudanças climáticas causadas pelo homem.

Com o derretimento da permafrost uma atividade ilegal ganhou força: a caça pelos ossos. Somente em 2019 essa indústria movimentou cerca de 50 milhões de dólares, alguns garimpeiros inclusive mergulhavam nas águas geladas em busca de presas de marfim.

Corpo de um amute lanoso
(Artem Cheremisov / Governador da região de Yamalo-Nenets da Rússia, Assessoria de Imprensa via AP)

Os mamutes foram extintos 10 mil anos atrás, aproximadamente, mas alguns cientistas acreditam que grupos sobreviveram mais tempo no Alasca e na ilha Wrangel, na costa da Sibéria. Dessa forma, os fósseis recém descobertos possuem 10.000 anos, enquanto outros semelhantes já encontrados foram datados de 30.000 anos.

LEIA TAMBÉM: Antigas criaturas estão despertando após 40.000 anos no Permafrost

Continua depois da publicidade

Conforme a paleontologista do Instituto Shemanovsky, em Salekhard, na Rússia, Yevgeniya Khozyainova, a equipe está em busca de mais partes do mamute. “Sempre que há tecido mole deixado para trás, é um material valioso para estudar”, explica.

Por mais que o restante do esqueleto esteja nas proximidades, os pesquisadores acreditam que vai demorar um tempo significativo para encontrarem. Por fim, são raros os esqueletos completos deste tamanho e essa descoberta pode aprofundar o conhecimento que os cientistas possuem do assunto.

Com informações de Smithsonian Magazine.

Continua depois da publicidade

Populares hoje

Saúde & Bem-Estar

Uma empresa israelense chamada CorNeat Vision desenvolveu uma córnea sintética e permitiu a um homem de 78 anos, cego há dez anos, recuperar totalmente...

Tecnologia

Muitos especialistas em estratégia militar alertam que as guerras do futuro não serão terrestres, mas confrontos sob o signo da inteligência artificial e do...

História & Humanidade

Os sapiens não são a única espécie humana que já circulou pela Terra, embora hoje só nós estejamos vivos. Fora os sapiens, a espécie...

História & Humanidade

Nós possuímos, em nosso DNA, registros de um ancestral misterioso, que acasalou com espécies humanas há aproximadamente um milhão de anos.