Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espaço

Grande Conjunção especial ocorrerá pela primeira vez desde a Idade Média

(NASA/JPL-Caltech/SSI/Kevin M. Gill).

Tenho boas notícias para você. Um fenômeno astronômico que não ocorre desde a Idade Média nos presenteará neste finalzinho do péssimo ano de 2020. Júpiter e Saturno se alinharão de uma forma especial, e juntos parecerão um planeta duplo. Uma Grande Conjunção normal é bastante comum, mas essa é especial. Mais precisamente, o fenômeno ocorreu pelo última vez em 1226.

Observar é simples. O fenômeno ocorrerá no dia 21 de dezembro, logo após o pôr do Sol. Basta olhar para o céu, já que os dois planetas são consideravelmente brilhantes – principalmente Júpiter. Claro que com binóculos astronômicos ou um telescópio a visibilidade se tornará muito mais proveitosa. No entanto, a olho nu também é possível vislumbrar a linda coincidência orbital.

“Alinhamentos entre esses dois planetas são bastante raros, ocorrendo uma vez a cada 20 anos ou mais, mas esta conjunção é excepcionalmente rara por causa de quão próximos os planetas parecerão um do outro”, diz em um comunicado o astrônomo Patrick Hartigan, da Rice University. “Você teria que voltar até um pouco antes do amanhecer de 4 de março de 1226 para ver um alinhamento mais próximo entre esses objetos visíveis no céu noturno”.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Dicas de visualização

Como já falamos outras vezes por aqui, de modo geral os planetas se destacam muito no céu. Os planetas não cintilam. Quer dizer… às vezes cintilam levemente. No entanto, não tanto quanto as estrelas. O brilho dos planetas é praticamente constante. Isso tem a ver com a forma em que a luz dos planetas e das estrelas entram na atmosfera da Terra, além da distância até aqui. 

Portanto, buscar por pontos fixos é uma das melhores formas de se localizar no céu quando busca por um planeta. Além disso, Júpiter é um dos pontos mais fortes do céu. É uma “estrela” extremamente brilhante, às vezes tão brilhante quanto Vênus.

Outra tática inteligente está em utilizar aplicativos de carta celeste para smartphones, como o SkyMap e Stellarium. Nesses aplicativos, você consegue apontar seu celular para uma região do céu e ver, então, através da tela, o que são os pontos localizados naquela área. 

Publicidade. A leitura continua abaixo.

E sim, respondendo uma dúvida que provavelmente você tem, o Brasil todo verá o fenômeno. O mundo todo, na verdade. O único limitante é o clima. Mas nesse caso, com certeza alguns portais de divulgação científica, através de sites e canais do youtube transmitirão o fenômeno a partir de bons telescópios. 

Para observar, olhe para as proximidades da região oeste logo no início da noite, entre as 19h e 20h do dia 21 de dezembro. Em pouco tempo, os planetas surgirão no horizonte. Se você possui um bom telescópio, obterá um belo vislumbre não só dos planetas, mas de algumas de suas luas próximas também. As maiores luas de Júpiter e Saturno são visíveis através de um telescópio. 

Captura de tela do Stellarium. Alinhamento dos planetas cerca de 19h45 do dia 21 de dezembro. Note que as luas de ambos estão também todas juntas. (Stellarium Ewb).

Por que uma Grande Conjunção é tão rara?

Ok, isso ocorreu pela última vez há quase 800 anos. Mas por que o alinhamento de dois planetas é tão raro assim? 

Bom, conforme já destacamos no início do texto, um alinhamento entre Júpiter e Saturno (Grande Conjunção) não é algo tão raro assim, acontecendo aproximadamente a cada 20 anos. No entanto, a diferença desse alinhamento específico está na proximidade. Eles parecerão um planeta duplo, isto é, dois planetas que se orbitam um ao outro.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

“Na noite de maior aproximação em 21 de dezembro, eles se parecerão com um planeta duplo, separados por apenas 1/5 do diâmetro da lua cheia”, diz Hartigan. “Para a maioria dos observadores do telescópio, cada planeta e várias de suas maiores luas estarão visíveis no mesmo campo de visão naquela noite”. 

Boa sorte.

Com informações de Rice University.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Avatar
Publicado por

É divulgador científico por paixão. Gradua-se em Física pela UFSCAR e atua principalmente na Ciencianautas e SoCientífica.

Tecnologia

Cientistas estão trabalhando em um novo tipo de propulsão hipersônica que poderia permitir aviões voarem a mais de 20.000 km/h (Mach 17).

Plantas & Animais

Minúsculas criaturas, os rotíferos bdelóides, ficaram congelados no permafrost por 24.000 anos e foram recentemente trazidos de volta à vida, produzindo clones em um...

Sociedade & Cultura

O povo Tsimane é uma tribo indígena amplamente isolada que vive na Amazônia boliviana.  Estas pessoas levam uma vida muito diferente da nossa. E eles...

Notícia

Por muitos anos, a ecolocalização humana tem sido uma forma de percepção para pessoas que perderam a visão. Apesar disso, poucas pesquisas reforçavam essa...