Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Falcões lendários australianos usam fogo para caçar

Diversas lendas de povos aborígenes da Austrália falam sobre falcões de fogo. Estudos recentes mostram que elas podem ter uma origem verdadeira.

Falcões australianos têm usado o fogo para caçar por séculos. (Imagem de Free-Photos por Pixabay)

Ao longo da evolução, os humanos desenvolveram algumas habilidades únicas. Dessas habilidades, podemos citar três que foram essenciais para a formação de uma sociedade: o uso de ferramentas, a escrita e o uso do fogo. No entanto, observações das savanas australianas mostram que talvez essa última habilidade não seja tão única dos humanos. Acontece que falcões lendários australianos vêm usando o fogo a seu favor há séculos.

Algumas lendas de povos aborígenes australianos contam que um tipo de falcão de fogo (do inglês, firehawk) podia domar o fogo e usá-lo para incendiar florestas. Acontece que estudos recentes provaram certa veracidade das lendas dos falcões na Austrália. Um estudo do final de 2017 contou com relatos de povos aborígenes e também com a observação do comportamento de falcões durante queimadas na savana australiana.

(Imagem de Gerhard Janson por Pixabay )

Por meio dos relatos e observações, os pesquisadores puderam concluir que, de fato, os falcões podem usar o fogo a seu favor, mas de forma bem menos glamorosa que uma fênix o faria. Isso porque três espécies principais aprenderam a pegar galhos em chamas de uma região (que já estava pegando fogo por outros motivos) e levar para outra mais distante, iniciando uma segunda queimada.

O fogo naturalmente assusta animais menores, como lagartos, roedores e até pequenos pássaros. Isso, por conseguinte, faz com que esses pequenos animais virem presas fáceis para os firehawks (Milvus migrans, Haliastur sphenurus e Falco berigora).

Continua depois da publicidade

Falcões e queimadas

Boa parte do bioma australiano tem características de uma savana. Ou seja, há muitas gramíneas e arbustos secos, além de algumas árvores separadas pelo terreno plano. Isso é um prato cheio para o fogo. Aliás, queimadas pequenas são essenciais para o bioma. Isso porque a queima de materiais secos periodicamente evita um acúmulo muito grande de combustível que possa iniciar um desastre ambiental.

Povos nativos e fazendeiros, inclusive, tem por prática a criação de pequenos áreas em chamas justamente por esse motivo.

(Imagem de sippakorn yamkasikorn por Pixabay)

No entanto, há um certo impacto ambiental nas queimadas dos falcões. Autoridades de segurança já relataram a contenção de queimadas para, logo em seguida, perceberem que outra começou a poucas centenas de metros do local. Esse tipo de incidente pode ser atribuído, sim, aos falcões, mas ainda não há evidências concretas para tanto.

Além do mais, criadores de gado frequentemente abatem falcões, mesmo de espécies que não tem relação com as queimadas, para evitar problemas com as criações de animais. Falcões peregrinos, por exemplo, são animais extremamente raros que sofrem com esse tipo de equívoco.

Continua depois da publicidade

Vale lembrar que as queimadas são um evento natural nesse tipo de ambiente, mas desastres como o de 2020 acontecem quando há um desequilíbrio no ecossistema. Ademais, é preciso ressaltar que esse conhecimento acerca dos falcões piromaníacos só foi possível por meio de culturas nativas aborígenes australianas também ameaçadas hoje.

O estudo está disponível no periódico BioOne.

Continua depois da publicidade
Comentários

Populares hoje

Saúde & Bem-Estar

Uma empresa israelense chamada CorNeat Vision desenvolveu uma córnea sintética e permitiu a um homem de 78 anos, cego há dez anos, recuperar totalmente...

Tecnologia

Muitos especialistas em estratégia militar alertam que as guerras do futuro não serão terrestres, mas confrontos sob o signo da inteligência artificial e do...

História & Humanidade

Os sapiens não são a única espécie humana que já circulou pela Terra, embora hoje só nós estejamos vivos. Fora os sapiens, a espécie...

História & Humanidade

Nós possuímos, em nosso DNA, registros de um ancestral misterioso, que acasalou com espécies humanas há aproximadamente um milhão de anos.