Connect with us

Hi, what are you looking for?

Mundo Estranho

A horrível época em que ossos, sangue e gordura humana eram considerados remédios

corpo embalsamado
Egípcios embalsamando um cadáver. (Bettmann / Corbis)

Houve uma época em que a realidade da medicina para os europeus se baseava em utilizar métodos canibais. Lendo um poema do século 17 de John Donne, a professora Louise Noble achou uma palavra inesperada comparando mulheres em meio a outras palavras comuns: ‘doçura’, ‘inteligência’ e… ‘múmias’.

Em sua busca por explicação, Noble viu que a palavra ‘múmias’ era recorrente em toda a literatura da Europa Moderna, porque múmias e outros restos humanos preservados e frescos eram um ingrediente comum na medicina daquela época.

Resumindo: não faz muito tempo, os europeus eram canibais.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Remédio inesperado

medicina do século 17

Noble e Richard Sugg escreveram livros sobre o tema que revelam uma prática realizada por várias centenas de anos, com pico nos séculos 16 e 17.

Muitos europeus, inclusive realeza, sacerdotes e cientistas, tinham como hábito ingerir remédios contendo ossos humanos, sangue e gordura.

Eram remédios para tudo, desde dor de cabeça até epilepsia.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Incrivelmente, havia poucos oponentes a essas práticas canibais na Europa, mesmo que o canibalismo nas recém-exploradas Américas fosse considerado um sinal de selvageria.

Múmias eram roubadas de tumbas egípcias e crânios foram retirados de cemitérios irlandeses. Coveiros roubavam e vendiam partes de corpos.

Rotina de canibalismo

europeus eram canibais

A questão da época era ‘qual o tipo de carne você deveria consumir?’ e não ‘você deve consumir carne humana?’.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Sugg diz que a resposta, a princípio, veio com múmias egípcias desfeitas para estancar sangramento interno.

Logo, outras partes do corpo foram consumidos. O crânio era um ingrediente comum e os europeus o bebiam em forma de pó para curar doenças de cabeça.

VEJA TAMBÉM: Algo surpreendente foi revelado sobre essas múmias em miniatura

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Thomas Willis, um pioneiro da ciência do cérebro do século 17, preparava bebidas que misturavam crânio humano em pó com chocolate.

E o rei Carlos II da Inglaterra bebia o “The King’s Drops”, com crânio humano em álcool.

Até a gordura humana era usada para tratar a parte externa do corpo. Médicos alemães, por exemplo, prescreviam curativos embebidos nela para feridas. Além de esfregar gordura na pele como remédio para gota.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Acreditava-se que o sangue fresco continha a vitalidade do corpo.

Respostas para a época

Em outras palavras, a busca desajeitada por esses remédios era a busca por respostas de como tratar doenças em uma época que nem mesmo a circulação do sangue era compreendida.

No entanto, o consumo de restos mortais estava de acordo com as principais teorias médicas da época.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Segundo Noble, surgiu de ideias homeopáticas como cura. Então, você come crânio triturado para dores de cabeça ou bebe sangue para doenças do sangue.

Outra razão pelo qual os restos mortais eram considerados potentes era o pensamento que esses continham o espírito do corpo do qual foram retirados. Nesse contexto, o sangue era visto como algo realmente poderoso.

Os remédios canibais encontraram seu fim conforme a ciência avançava. A prática diminuiu no século 18, na mesma época em que as pessoas começam a usar garfos para comer e sabão para tomar banho.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Informações de Smithsonian Magazine.

Amanda dos Santos
Publicado por

Trabalha como redatora e produtora de conteúdo. Graduada em Comunicação Social e atua como colaboradora na SoCientífica.

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.

Mente & Cérebro

Nas últimas décadas, inúmeras pesquisas mostraram a relação entre amamentação e a saúde da criança. Sabe-se, por exemplo, que a amamentação ajuda no desenvolvimento...

Planeta & Ambiente

Nukumi, uma grande fêmea de tubarão-branco marcada no ano passado está cruzando o Atlântico já faz dois meses. De acordo com especialistas, ela pode estar...