Connect with us

Hi, what are you looking for?

Notícia

Cérebros têm muito em comum com testículos, mostra estudo

Esta pesquisa mostra que cérebros e testículos na verdade têm muito em comum. Imagem: Ulrike Leone/Pixabay

O sistema nervoso e a genitália são bastante relacionados, por motivos reprodutivos. O sexo em si dispara uma cascata frenética de sinalizações no sistema nervoso. Todavia, uma pesquisa acaba de mostrar que os cérebros têm mais em comum com o sistema reprodutivo. Na verdade testículos são, a nível molecular, muito parecidos com o cérebro humano.

A pesquisa que mostrou isso, disponível no periódico The Royal Society levou em consideração genes e proteínas presentes ambos no cérebro e testículos humanos. Assim os pesquisadores puderam observar, nada mais, nada menos que 13.442 proteínas em comum entre os dois órgãos.

Imagem: holdentrils/Pixabay 

Os autores afirmam, nesse sentido, que essa relação pode ser importante para o tratamento de diversas doenças. Por exemplo, estudos anteriores mostraram uma relação entre a perda de atividade dos testículos com uma degeneração mais rápida do sistema nervosos central.

Ambos os tecidos, ademais, consomem boa parte da energia do corpo. Isso porque o cérebro produz boa parte dos movimentos do nosso corpo, além do raciocínio lógico e sentimentos. Os testículos, não obstante, são importantes produtores de hormônios (como a testosterona principalmente) e, claro, esperma.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Funções e relações de testículos e sistema nervoso

Apesar de ainda não haver conclusões definitivas, os pesquisadores acreditam que essa relação pode vir do desenvolvimento dos tecidos humanos, ainda em estágios embrionários. Contudo, a hipótese mais ressaltada é a convergência evolutiva a nível molecular. Explico.

Muitas vezes duas espécies distantes geograficamente e evolutivamente podem desenvolver características em comum. Por exemplo, morcegos e aves possuem asas, ainda que o último ancestral comum entre ambos tenha vivido há mais de 100 milhões de anos. Ou seja, a asa passou por dois processos de seleção independentes, permanecendo como uma adaptação vantajosa ao ambiente. A esse processo se dá o nome de evolução convergente.

As asas dos morcegos têm função e formato parecido com as das aves, conquanto tenham origens diferentes. Imagem: Gordon Johnson/Pixabay 

Assim, os autores acreditam que essas proteínas em comum entre cérebro e testículo podem ter evoluído de forma independente. Isso porque ambos tecidos têm características em comum. Como dito antes, cérebro e testículos (ovários também) consomem bastante energia. Além do mais, ambos têm funções secretoras, de hormônios ou neurotransmissores e os dois também precisam gerar crescimento celular.

Vale ressaltar também que os testículos não são apenas semelhantes a cérebros masculinos, mas sim a cérebros da espécie humana em geral. Contudo, as gônadas femininas não apresentaram tanta semelhança molecular com o sistema nervoso.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

A pesquisa recomenda, ademais, novas pesquisas a respeito da correlação evolutiva entre testículos e ovários e o desenvolvimento do cérebro humano.

O artigo está disponível no periódico The Royal Society.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Mateus Marchetto
Publicado por

Aluno de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná, professor de inglês, apaixonado por ciência e divulgação científica. Me interesso principalmente pelas áreas de microbiologia, bioquímica e bioinformática.

Faça um comentário

Tecnologia

Cientistas estão trabalhando em um novo tipo de propulsão hipersônica que poderia permitir aviões voarem a mais de 20.000 km/h (Mach 17).

Plantas & Animais

Minúsculas criaturas, os rotíferos bdelóides, ficaram congelados no permafrost por 24.000 anos e foram recentemente trazidos de volta à vida, produzindo clones em um...

Notícia

Por muitos anos, a ecolocalização humana tem sido uma forma de percepção para pessoas que perderam a visão. Apesar disso, poucas pesquisas reforçavam essa...

Plantas & Animais

Raças menores de cães geralmente apresentam comportamentos mais instáveis. Pode haver, portanto, diversos motivos para cachorros pequenos serem ferozes.