Connect with us

Hi, what are you looking for?

História & Humanidade

Esqueleto de tubarão que viveu há 150 milhões de anos foi desenterrado

Esqueleto quase completo do tubarão hipodontiforme Asteracanthus
Esqueleto de tubarão hipodontiforme Asteracanthus quase completo. (Fabrizio de Rossi)

Um incrível esqueleto de tubarão de 2,5 metros foi desenterrado na Alemanha. Ele foi um dos maiores de seu tempo e vagou pelos mares há 150 milhões de anos.

Paleontólogos especialistas da Universidade de Viena encontraram o fóssil extremamente bem preservado do antigo tubarão Asteracanthus nos calcários de Solnhofen, na Baviera. Essa região de calcário é famosa e foi formada por uma paisagem de lagoa tropical-subtropical durante o Jurássico Superior.

Portanto, o esqueleto de tubarão quase completo mostra que o Asteracanthus tem aproximadamente 2,5 metros de comprimento, tornando-o um dos maiores tubarões de seu tempo, perto do comprimento máximo de 3 metros já registrado.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

LEIA TAMBÉM: Pescadores encontram tubarão com duas cabeças no litoral de São Paulo

Características do esqueleto de tubarão Asteracanthus

O autor principal Sebastian Stumpf acredita que provavelmente ele é um dos tubarões mais impressionantes de seu período, devido ao achado dentro do esqueleto de mais de 150 dentes.

Registro dentário do tubarão hipodontiforme Asteracanthus encontrado na Baviera
Registro dentário do tubarão hipodontiforme Asteracanthus encontrado na Baviera. (Sebastian Stumpf)

A equipe de Viena explicou sobre os peixes cartilaginosos, incluindo tubarões e raias, sendo um dos grupos de vertebrados mais bem-sucedidos ainda vivos até hoje. Eles substituem seus dentes por toda a vida. Assim, os dentes de peixes cartilaginosos estão entre os fósseis mais comuns encontrados em vertebrados para paleontologistas.

LEIA TAMBÉM: Novo fóssil que parece a mistura de uma velociraptor e um tucano

Publicidade. A leitura continua abaixo.

No entanto, o que impede a fossilização de espécimes completamente preservados, na maioria dos casos, é o baixo potencial de preservação de seus esqueletos. Por isso, a descoberta desse fóssil de tubarão tornou-se tão rara.

Ou seja, a preservação de um esqueleto de tubarão fossilizado ou uma raia requer condições especiais. Portanto, os calcários de Solnhofen fornecem o ambiente certo. Eles são mundialmente conhecidos por produzir fósseis do pequeno dinossauro emplumado Archaeopterys e vários esqueletos de tubarões e raias, recuperados durante as escavações dos últimos 150 anos. Esse último espécime de tubarão é representado por um esqueleto quase completamente preservado do extinto tubarão hipodontiforme Asteracanthus.

O estudo foi publicado na revista Papers in Palaeontology.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

LEIA TAMBÉM: Tubarão pré-histórico escondia dentes afiados em mandíbula assustadora

Amanda dos Santos
Publicado por

Trabalha como redatora e produtora de conteúdo. Graduada em Comunicação Social e atua como colaboradora na SoCientífica.

Mente & Cérebro

Os corvos são considerados modelos de cognição em psicologia animal, e são uma das mais fortes evidências de que a consciência é um fenômeno...

Plantas & Animais

No oceano, no meio dos corais, você pode encontrar esse estranho organismo. Embora muitas vezes se pareça com uma pedra circular esverdeada e brilhante,...

Plantas & Animais

Cientistas descreveram, em um estudo publicado no Journal of Mammalian Evolution, uma nova espécie gigante de um dente-de-sabre, Machairodus lahayishupup, que teria vivido na América do...

Plantas & Animais

Um novo estudo mostrou que os tubarões, assim com as aves, se orientam pelo campo magnético da Terra para realizar migrações de longa distância.