Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Criatura no Permafrost volta à vida após 24.000 anos congelada

Minúsculas criaturas, os rotíferos bdelóides, ficaram congelados no permafrost por 24.000 anos e foram recentemente trazidos de volta à vida, produzindo clones em um laboratório na Rússia.

Um rotífero. Imagem: Wikipedia

A última vez que essas criaturas “abriram os olhos” foi há 24.000 anos. Na época, mamutes peludos ainda vagavam pelas planícies da Sibéria, onde ocorre o Permafrost.

Os rotíferos estão emergindo como alguns dos organismos mais resistentes do planeta. Os rotíferos bdelóides são organismos microscópicos geralmente invisíveis a olho nu caracterizados por uma morfologia em três partes muito distintas (boca, tronco e pé) e uma locomoção frequentemente rastejante. Você os encontrará principalmente em água doce e em solos úmidos.

Essas criaturas são alguns dos organismos multicelulares mais resistentes do planeta. Radiação, acidez extrema, fome, pouco oxigênio ou desidratação são quase nada para eles, assim como para os tardígrados. Uma descoberta recente mostra que os bdelóides também podem voltar à vida após dezenas de milhares de anos de congelamento, de acordo com um estudo publicado na revista Current Biology.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Os rotíferos bdelóides podem entrar na criptobiose para sobreviver a condições extremas, como temperaturas congelantes e secas. Imagem: Michael Plewka

Como parte deste trabalho, pesquisadores do Laboratório Russo de Criologia do Solo coletaram amostras de Permafrost perfurando quase 3,5 m abaixo do solo no rio Alazeya, no norte da Sibéria.

Nessas amostras de 24.000 anos (com base na datação por radiocarbono), eles encontraram rotíferos bdelóides ainda vivos em um estado de criptobiose (o corpo pausa todas as funções biológicas).

Primeira surpresa: um desses organismos foi “acordado” com sucesso no laboratório. E segunda surpresa: essa criaturinha não apenas reviveu, mas também se reproduziu (reprodução assexuada), sugerindo que existe um mecanismo pelo qual animais multicelulares podem evitar danificar células durante o processo de congelamento e despertar como se nada tivesse acontecido.

“Ressuscitamos um animal que antigamente frequentava mamutes peludos. É realmente impressionante”, disse Stas Malavin, coautor do estudo. “Nosso relatório é a evidência mais forte até o momento de que animais multicelulares podem resistir a dezenas de milhares de anos em criptobiose.”

Publicidade. A leitura continua abaixo.
o que é permafrost
Exemplo de Permafrost.

Como lembrete, em 2016, um grupo de cientistas japoneses também conseguiu reviver outro animal resistente, o tardígrado, após trinta anos de criptobiose. E até os resultados desse novo trabalho, pesquisas anteriores sugeriam que os rotíferos podiam sobreviver a congelamentos profundos por até uma década.

Esses organismos impressionantes são, no entanto, desconcertantes para os pesquisadores. Não se sabe como eles são capazes de proteger suas células e órgãos de condições que matariam qualquer outro organismo multicelular em questão de minutos. Desbloquear essas estratégias biológicas poderia um dia nos ajudar a preservar nossas próprias células, tecidos e órgãos, facilitando, por exemplo, uma viagem interestelar.

Damares Alves
Publicado por

Apaixonada pela natureza, me tornei redatora e hoje escrevo exclusivamente sobre ciência. Meu objetivo é que todos possam ter acesso a pesquisas importantes e descobertas incríveis que são realizadas todos os dias.

Faça um comentário

Tecnologia

Cientistas estão trabalhando em um novo tipo de propulsão hipersônica que poderia permitir aviões voarem a mais de 20.000 km/h (Mach 17).

Notícia

Por muitos anos, a ecolocalização humana tem sido uma forma de percepção para pessoas que perderam a visão. Apesar disso, poucas pesquisas reforçavam essa...

Plantas & Animais

Raças menores de cães geralmente apresentam comportamentos mais instáveis. Pode haver, portanto, diversos motivos para cachorros pequenos serem ferozes.

Saúde & Bem-Estar

Uma pesquisa da Universidade do Colorado mostrou que acordar mais cedo (1 hora) pode reduzir em 23% a chance do desenvolvimento de depressão.