NaturezaÁrvore deveria estar morta, mas está viva; o mistério é revelado

Redação2 semanas atrás5 min(Sebastian Leuzinger/iScience)
https://i1.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/08/Árvore-deveria-estar-morta.jpg?fit=900%2C539&ssl=1

Novo estudo publicado na iScience revela o mistério por trás de um tronco de árvore na Nova Zelândia que se mantém vivo, trocando recursos através do sistema radicular.

O segredo são as árvores que estão ao seu redor, segundo relatado no artigo de 25 de julho, que mantêm vivos os cepos de árvores que deveriam estar mortos, possivelmente em troca do acesso a sistemas radiculares maiores.

Os resultados sugerem uma mudança da percepção das árvores como indivíduos para a compreensão dos ecossistemas florestais como “superorganismos”.

“Meu colega Martin Bader e eu tropeçamos nesse toco de kauri enquanto caminhávamos em West Auckland”, diz o autor Sebastian Leuzinger, professor associado da Auckland University of Technology (AUT). “Foi estranho, porque embora o toco não tivesse folhagem, estava vivo.”

Os pesquisadores, então, começaram a investigar como as árvores próximas estavam mantendo vivo o toco de árvore, medindo o fluxo de água tanto no toco quanto nas árvores vizinhas pertencentes à mesma espécie. O que eles descobriram é que o movimento da água no cepo da árvore estava fortemente correlacionado negativamente com o das outras árvores.

LEIA TAMBÉM: Cientistas encontram ouro ‘crescendo’ em árvores eucaliptos

Estas medidas sugerem que as raízes do cepo e as árvores coespecíficas circundantes foram enxertadas juntas, disse Leuzinger. Os enxertos de raízes podem se formar entre as árvores quando uma árvore reconhece que um tecido radicular próximo, embora geneticamente diferente, é semelhante o suficiente para permitir a troca de recursos.

“Isso é diferente de como as árvores normais operam, onde o fluxo de água é impulsionado pelo potencial hídrico da atmosfera”, diz Leuzinger. “Neste caso, o toco tem que seguir o que o resto das árvores fazem, porque como não tem folhas transpirantes, escapa da atração atmosférica.”

A explicação para que essas árvores das mediações mantenham o tronco da árvore viva é que os enxertos de raízes formados antes de uma das árvores perder suas folhas e se tornar um toco. As raízes enxertadas expandem os sistemas radiculares das árvores, permitindo-lhes acessar mais recursos como água e nutrientes, bem como aumentar a estabilidade das árvores na encosta íngreme da floresta. Como uma das árvores deixa de fornecer carboidratos, isso pode passar despercebido e assim permitir que o “pensionista” continue sua vida à custa de árvores próximas e intactas.

“Isso tem consequências de longo alcance para nossa percepção das árvores – possivelmente não estamos realmente lidando com as árvores como indivíduos, mas com a floresta como um superorganismo”, diz Leuzinger.

FONTE /  DOI: 10.1016/j.isci.2019.05.009