História & HumanidadeRestos de um “vampiro” foram encontrados há 30 anos. DNA está agora revelando quem ele era

Agora, 200 anos depois da morte do que é hoje o "vampiro" mais estudado da Inglaterra, os cientistas descobriram seu provável nome: John Barber.
Damares Alves3 semanas atrás12 min(Michael E. Ruane/The Washington Post)
https://i2.wp.com/socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/08/johnbarber-vampire_1_1024.jpg?fit=900%2C365&ssl=1

Depois de algum tempo enterrado, sua família exumou o corpo para queimar seu coração. Eles também pegaram a cabeça e os membros e os rearranjaram sobre suas costelas formando uma caveira com ossos cruzados.

Ele supostamente era um “vampiro”, e era dessa forma você se livrava desta criatura mística no início de 1800.

Agora, 200 anos depois da morte do que é hoje o “vampiro” mais estudado da Inglaterra, os cientistas descobriram seu provável nome: John Barber.

LEIA TAMBÉM: Mistério inacabado: por que os antigos construtores abandonaram a construção da esfinge e seu templo

Ele era provavelmente um fazendeiro trabalhador. Faltando seus dentes da frente, tinha uma clavícula quebrada que não tinha se curado direito ainda, um joelho com artrite e provavelmente morreu de tuberculose.

Um fragmento do caixão. (Michael E. Ruane / The Washington Post)

O caso é incomum porque Barber pode ser o único suposto “vampiro” do país cujos ossos foram estudados por cientistas.

“Este caso tem sido um mistério desde os anos 90”, disse Charla Marshall em um e-mail ao The Washington Post. Marshall é um cientista forense da SNA International em Alexandria, Virginia, que trabalhou na pesquisa.

“Agora que expandimos as capacidades tecnológicas, queríamos revisitar o JB 55 para ver se poderíamos resolver o mistério de quem ele era.”

É o capítulo mais recente de um projeto que lançou luz sobre o assustador surto de vampiros na Nova Inglaterra – Connecticut e Rhode Island especialmente – no final dos anos 1700 e início de 1800, e sua conexão com a disseminação da tuberculose.

LEIA TAMBÉM: Brasil vence luta judicial e recupera fósseis de 100 milhões de anos

A tuberculose era tão devastadora que as pessoas daquela época acreditavam que os mortos podiam sair de seus túmulos para infectar e drenar o sangue e a vida de seus parentes, afirmam os pesquisadores.

“Isso não foram … morcegos voando pela noite”, disse Nicholas F. Bellantoni, arqueólogo estadual aposentado de Connecticut que trabalhou no caso desde o início e é um dos autores do relatório. “Isso não é Bela Lugosi.”

Estes casos não eram nada parecidos com os dos vampiros da ficção gótica, o terror da doença era real, causava uma tosse sangrenta e deixava as vítimas pálidas e magras com sangue nos cantos de suas bocas.

As pessoas realmente acreditavam que a verdadeira ameaça viria depois da morte, e por isso exumavam os corpos para “matar” novamente seus parentes.

Os membros da família eram frequentemente os que conduziam a exumação. foram documentados 80 desses casos, principalmente em áreas remotas da Nova Inglaterra.

As pessoas estavam morrendo, e suas famílias não tinham como parar a doença, pensavam que talvez isso que funcionasse.

LEIA TAMBÉM: Evidências indicam populações humanas em todo o Brasil há 10 mil anos

De acordo com a crença a melhor forma de identificar um vampiro era analisar o cadáver exumado, para ver se havia sangue líquido no coração. Se tivesse, o falecido certamente era um vampiro. O coração era então removido e queimado.

Incidentes semelhantes apareceram na Europa há muito tempo, onde existem muitos relatos de corpos sendo desenterrados, queimados, rearranjados, decapitados ou tendo estacas presas através deles.

No caso de Barber, provavelmente não havia coração para queimar, Bellantoni e Paul S. Sledzik escreveram em 1994. Assim, “os ossos do tórax foram rompidos e os ossos do crânio e da coxa foram colocados em uma posição de crânio e ossos cruzados” eles escreveram.

LEIA TAMBÉM: Encontrado evidências de antigas sociedades democráticas nas Américas

Quando o túmulo de Barber foi descoberto, seus restos foram enviados ao museu para estudo, e uma amostra de um osso da coxa foi enviada para o laboratório de DNA para análise. Mas a tecnologia de 30 anos atrás produziu resultados escassos, e a identificação era impossível, escreveram os autores do artigo

Mas quando ferramentas modernas foram usadas – perfil de DNA cromossômico Y e previsão de sobrenome via dados de genealogia disponíveis na Internet – os especialistas disseram que encontraram uma correspondência para o sobrenome: Barber.

Eles então checaram antigos registros de cemitérios e jornais para ver se algum barbeiro alguma vez viveu em Griswold.

Logo descobriram uma notícia de jornal mencionando a morte em 1826 de um menino de 12 anos chamado Nathan Barber, cujo pai era John Barber.

Pesquisadores encontraram uma sepultura perto de JB’s contendo um caixão com a anotação NB 13 similarmente pregada na tampa.

LEIA TAMBÉM: Encontrado evidências de antigas sociedades democráticas nas Américas

Investigadores acabaram removendo os restos mortais de 27 pessoas – cinco homens, oito mulheres e 14 crianças – de 28 sepulturas, no que os estudiosos descobriram ser um antigo cemitério chamado Walton Family Cemetery. (Um túmulo continha evidências de um caixão, mas não restos humanos.)

“Todos estavam em boa posição anatômica … exceto esse indivíduo, JB 55”, disse Bellantoni.

Sob a tampa do caixão, Ballantoni e seus colegas encontraram o estranho arranjo do crânio e ossos cruzados.

“Seus ossos da coxa … foram desenraizados da posição anatômica e cruzados no peito”, disse ele.

“O baú foi arrombado e a … caveira foi decapitada e afastada”, disse ele. “Eu estava totalmente confuso. Eu não tinha ideia do que estava vendo.”

Bellantoni disse que JB provavelmente morreu há quatro ou cinco anos antes de ser exumado, o que, baseado no caixão que foi recuperado, provavelmente aconteceu no início do século XIX.

Naquela época não se tinha ideia de como a tuberculose se espalhava, então a hipótese de que os mortos pudessem sair de seus túmulos para levar morte e destruição aos vivos parecia plausível.

FONTE / The Washington Post

Posts relacionados