História & HumanidadeEncontrado evidências de antigas sociedades democráticas nas Américas

Geraldo Pereira de Morais Júnior2 anos atrás44 minPraças públicas foram espalhadas por todos os bairros da república de Tlaxcala. Alguns tinham templos modestos como esse. © Adam Wiseman
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2017/06/ma_0317_democracy_ruins_1280_420-e1513728287992-1280x420.jpg

Um candidato a um cargo político estava em uma praça, nu, se protegendo contra golpes e chutes. A multidão gritava, pulsando enérgica ao redor dele como um coração batendo agitado. As pessoas para quem ele arriscara sua vida em guerras e mais guerras lançaram golpes e insultos de todas as direções. O candidato respirou profundamente. Treinado como guerreiro, ele sabia que ele precisava ficar calmo para alcançar a próxima fase de sua candidatura.

Essa provação, documentada por um sacerdote espanhol em 1500, foi apenas o início de um longo processo de adesão ao governo da cidade mesoamericana de Tlaxcallan, construída em torno de 1250 d.C. nas colinas que cercam a cidade moderna de Tlaxcala, no México. Depois que este julgamento terminasse, o candidato entraria no templo à beira da praça e ficaria por até 2 anos, enquanto os sacerdotes o treinavam no código moral e legal de Tlaxcallan. Ele ficaria sem alimentos, apanharia com chicotadas se adormecesse e precisava se cortar em rituais sangrentos. Mas quando ele saísse do templo, ele seria mais que um guerreiro: ele seria um membro do Senado de Tlaxcallan, um dos cerca de 100 homens que podem tomar as decisões militares e econômicas mais importantes da cidade.

[standout-css3-button href=”http://apoia.se/socientifica”]Considere fazer uma doação à Sociedade Científica[/standout-css3-button]

“Eu gostaria que os políticos modernos fizessem tudo isso, apenas para provar que eles podem governar”, diz o arqueólogo Lane Fargher, parado na sombra de uma das praças elevadas recentemente restauradas de Tlaxcallan. Fargher liderou pesquisas e escavações ali desde 2007, estudando o plano urbano e a cultura material de um tipo de sociedade que muitos arqueólogos já acreditaram que nunca encontrariam na Mesoamérica: uma república. “Vinte ou vinte e cinco anos atrás, ninguém aceitaria que fosse organizado dessa forma”, diz Fargher, que trabalha no instituto de pesquisa Cinvestav em Mérida, no México.

Agora, graças em parte ao trabalho liderado pelo mentor de Fargher, Richard Blanton, um antropólogo da Universidade de Purdue, em West Lafayette, Indiana, Tlaxcallan é uma das várias sociedades pré-modernas do mundo que os arqueólogos acreditam estarem organizadas coletivamente, onde os governantes compartilhavam poder e os plebeus tinham voz no governo que presidia suas vidas.

Essas sociedades não eram necessariamente democracias completas em que os cidadãos emitiam votos, mas eram radicalmente diferentes da autocrática, regra herdada encontrada (ou adotada) na maioria das sociedades “primitivas”. Com base nas idéias inicialmente teóricas de Blanton, os arqueólogos agora dizem que essas “sociedades coletivas” deixaram rótulos reveladores em sua cultura material, como a arquitetura repetitiva, a ênfase no espaço público para além dos palácios, a dependência sobre a produção local de bens comerciais exóticos e um estreitamento das diferenças de riquezas entre elites e plebeus.

“Blanton e seus colegas abriram uma nova maneira de examinar nossos dados”, diz Rita Wright, arqueóloga da Universidade de Nova York, que estuda a civilização Indu de 5000 anos na Índia e no Paquistão de hoje, que também mostra sinais de regras coletivas. “Um novo conjunto de bolsas de estudo emergiu sobre sociedades complexas”.

“Eu acho que é um avanço”, concorda Michael E. Smith, arqueólogo da Universidade Estadual do Arizona (ASU) em Tempe, Arizona. “Eu o chamo de trabalho mais importante na arqueologia da organização política nos últimos 20 anos”. Ele e outros estão trabalhando para ampliar as idéias de Blanton em um método testável, na esperança de identificar estados coletivos unicamente através dos objetos que foram deixadas por essas civilações.

A democracia não é um acordo que aconteceu uma única vez. Ela vai e vem, e é muito difícil de se sustentar.” Richard Blanton, Ph.D, antropólogo na Universidade Purdue

Na década de 1960, os professores e colegas de Blanton não pensavam que sociedades coletivas existissem na Mesomérica pré-colombiana. As repúblicas pré-modernas, como a Atenas clássica e a Veneza medieval, eram pensadas como um fenômeno puramente europeu. A sabedoria convencional sustentava que, nas sociedades pré-modernas, não ocidentais, os déspotas simplesmente extraíam trabalho e riqueza de seus subordinados.

Algumas culturas mesoamericanas parecem se adequar ao modelo despótico. Mais de 2000 anos atrás, nas capitais olmecas de San Lorenzo e La Venta ao longo da costa do golfo do México, por exemplo, os reis tinham seus retratos esculpidos em cabeças de pedra gigantes e viviam em palácios pingando com produtos de luxo exóticos como espelhos em metal polido e nefrita verde. Séculos mais tarde, os reis maias do período clássico no sul do México e na Guatemala registraram suas conquistas, casamentos e dinastias em glifos esculpidos em pedra. Enquanto isso, os plebeus viviam humildemente em assentamentos dispersos em torno do núcleo da cidade de pirâmides e monumentos.

Mas, quando Blanton registrou ano após ano de pesquisas e escavações no México, ele notou uma lista cada vez mais longa de sítios arqueológicos que não estavam de acordo com essas expectativas. Por exemplo, Monte Albán, a capital do povo Zapoteca em Oaxaca, entre 500 a.C. e 800 d.C., carecia das representações ostentativas de governantes individuais tão comuns nos olmecas e na arte maia clássica. Parecia também desprovida de palácios e túmulos reais abastecidos com bens preciosos. Em vez disso, sinais de autoridade eram mais anônimos, ligados a símbolos cosmológicos e deidades duradouras, em vez de indivíduos específicos.

Intrigado por tais valores discrepantes, Blanton e três pesquisadores elaboraram uma nova teoria, publicada em 1996 na Current Anthropology. Com base em muitos exemplos mesoamericanos, esses pesquisadores apresentaram duas formas governo que poderiam ser feitas, que Blanton diz ser autocrática e coletiva. Os governos autocráticos foram baseados na autoridade de um governante individual e muitas vezes apoiados pela riqueza adquirida pela monopolização dos recursos naturais ou pelo controle do comércio. Pense nos olmecas, que controlaram as principais rotas comerciais da costa do golfo, ou mesmo a Arábia Saudita atual, diz Blanton, “onde a família real controla a indústria do petróleo e usa isso para financiar a atividade do estado. Eles não precisam ser responsáveis para as pessoas”.

Teotihuacan é enigmática para arqueólogos:ela mostra sinais de regra autocrática (a grande avenida e pirâmides) e coletividade (uma grade de estradas e nenhuma representação de reis). Foto: Marcos Ferro/Aurora Photos Teotihuacan é enigmática para arqueólogos:ela mostra sinais de regra autocrática (a grande avenida e pirâmides) e coletividade (uma grade de estradas e nenhuma representação de reis).                        Foto: © Marcos Ferro/Aurora Photos
Teotihuacan é enigmática para arqueólogos:ela mostra sinais de regra autocrática (a grande avenida e pirâmides) e coletividade (uma grade de estradas e nenhuma representação de reis). Foto: Marcos Ferro/Aurora

Os sistemas coletivos enfatizaram o ofício do governante, que em teoria poderia ser ocupado por qualquer pessoa na sociedade: os líderes foram criados, não nascidos. Os impostos, em vez da riqueza externa, financiaram o estado e seus líderes. Tlaxcallan, com seu rito de iniciação política para levar pessoas de todas as classes ao conselho de governo, tinha um governo coletivo. E também os Estados Unidos e a Índia. “Coletivo” neste contexto não significa “socialista”, acrescenta Blanton. A maioria das sociedades coletivas que ele estudou tem economias baseadas no mercado, que criam contribuintes ricos o suficiente para contribuir com os bens públicos.

A perspectiva de Blanton “foi muito estimulante”, diz Wright. “Por muito tempo dentro da arqueologia, estávamos procurando por marcadores de um rei”. Agora, os pesquisadores têm uma teoria para dar sentido a sociedades aparentemente sem reis. Mas, para estudar sociedades antigas sem registros históricos, os arqueólogos precisam saber quais traços materiais distintivos, enquanto sociedade coletiva, podem ter sido deixados para trás. “Como realmente se pareceriam no chão?  Esse foi um grande problema”, diz Blanton. “Como reconheceríamos esses estados?”

“Ali é onde encontramos a casa”, diz Fargher, enquanto ele sai da plataforma que uma vez segurava uma das maiores praças públicas de Tlaxcallan e se dirigia para um pedaço de terra desencapada, cercada de grama verde. Nisso, o distante Popocatépetl, o vulcão mais famoso do México, suavemente sopra fumaça para o claro céu de inverno. (Veja acima a foto de capa desta matéria.)

Coletivo neste contexto não significa socialista.Richard Blanton. Ph.D., antropólogo na Universidade Purdue

Fargher aponta para alinhamentos de rochosas na terra arenosa, onde as paredes ficaram há 600 anos. “Eram uma série de pequenas salas que foram reconstruídas várias vezes, com um pátio por aqui”, diz ele, movendo-se pelo espaço compacto. Por todas a sua aparência não era nada especial, uma casa típica para um comum típico.

“Mas olhe onde estamos”, diz Fargher. “Bem em frente a um espaço público. Em qualquer outro sítio mesoamericano, ao lado da praça principal, você teria um enorme palácio. Aqui temos uma casa muito humilde”.

Esses vieses são normais ao longo de Tlaxcallan, diz Fargher. “Isto é como o ‘Bizarro Mundo de Superman’. Tudo é o inverso do que você espera para a Mesoamérica”.

A maioria das cidades mesoamericanas estava centrada em um núcleo monumental de pirâmides e praças. Em Tlaxcallan, as praças estavam espalhadas por todos os bairros, sem centro ou hierarquia clara. Em vez de governar do coração da cidade, como os reis fizeram, Fargher acredita que o Senado de Tlaxcallan provavelmente se encontrava em um grande edifício, encontrado por ele sozinho a um quilômetro além dos limites da cidade. “Este projeto distribuído também é um sinal de poder político compartilhado”, diz ele.

Os arqueólogos descobriram versões deste projeto incomum em algumas outras cidades mesoamericanas. Uma dessas versões é a cidade de Tres Zapotes ao longo da costa do golfo, que floresceu de 400 aC. a 300 d.C., nos séculos imediatamente após a queda de La Venta, a última capital Olmeca. Embora os cidadãos de Tres Zapotes tenham mantido muitas práticas culturais olmecas, sua cidade não se parecia nada com as capitais anteriores, diz Christopher Pool, um arqueólogo da Universidade de Kentucky, em Lexington, que passou os últimos 20 anos escavando por lá. Em vez de se concentrar em um palácio opulento, Tres Zapotes tinha quatro praças regularmente espaçadas em toda a cidade. Cada uma tinha o mesmo layout de pirâmides de terra e espaços públicos, e as datas de radiocarbono revelaram que estavam todas ocupadas ao mesmo tempo. Pool concluiu que, durante o seu auge, quatro facções cooperaram para governar Tres Zapotes.

As sociedades coletivas tendem a estabelecer suas cidades de maneiras padronizadas, com as maiores, até mesmo usando malhas, diz Blanton, que facilita o trânsito tanto para os residentes quanto para o governo que presta serviços. Na capital do Indus, Mohenjo-daro, no Paquistão de hoje, por exemplo, a arte retrata poucas pessoas individuais, e as casas construídas com tijolos de tamanho padrão e em linhas regulares de blocos  regularmente espaçados na cidade. O plano urbano rigoroso incorporou poços e permitiu que milhares de pessoas usassem banheiros conectados às primeiras redes de esgoto do mundo.

A escritora Lizzie Wade fala sobre sua história a respeito da democracia no início da Mesoamérica no podcast a seguir (em inglês):

Ouça mais podcasts em www.sciencemag.org/podcasts

Um conto de duas cidades

Pouco antes da chegada dos espanhóis, dois poderes muito diferentes lutaram no coração do México moderno. Tenochtitlan, a capital autocrática do Império Mexica, conquistou quase todas as sociedades em seu caminho, extraindo tributo e sacrifícios humanos a milhares de quilômetros de distância. A única resistência: Tlaxcallan, uma república coletiva sobre as montanhas que defendia ferozmente sua liberdade. Crédito: (Graphic) G. Grullón/Science; (Data) L. F. Fargher et al., Journal of Anthropological Archaeology 313, 317 (2011)
Pouco antes da chegada dos espanhóis, dois poderes muito diferentes lutaram no coração do México moderno. Tenochtitlan, a capital autocrática do Império Azteca, conquistou quase todas as sociedades em seu caminho, extraindo tributo e sacrifícios humanos a milhares de quilômetros de distância. A única resistência: Tlaxcallan, uma república coletiva nas montanhas que defendia ferozmente sua liberdade. Crédito: (Graphic) G. Grullón/Science; (Data) L. F. Fargher et al., Journal of Anthropological Archaeology 313, 317 (2011)

Outra característica comum das sociedades coletivas é a igualdade econômica, que os arqueólogos podem inferir da comparação dos bens de pessoas ricas e pobres. Em sociedades autocráticas como a Maya clássica, os bens de luxo, como a cerâmica com pinturas complexas e intrincadas e a jade são encontrados apenas em palácios e túmulos reais. Em contraste, em Tlaxcallan pessoas de todas as classes pareciam ter possuído e usado cerâmica com desenhos ornamentais multicoloridos. “Você não pode diferenciar as pessoas ricas das pessoas pobres com base em suas coisas”, diz Fargher. Pool vê um fosso de riqueza similarmente estreito em Tres Zapotes. E na Atenas clássica, talvez a democracia pré-moderna mais famosa, “as pessoas ricas viviam em casas semelhantes às pessoas comuns”, diz Blanton.

Mas Smith da ASU adverte que a igualdade econômica não garante que o poder político seja compartilhado no topo. “Há uma associação [entre eles], mas isso não faz da desigualdade uma medida de coletividade, ou o contrário”, diz ele. E embora ele concorde que o plano urbanístico de uma cidade oferece pistas para a governança, ele observa que as escavações geralmente se concentram no núcleo central de um lugar e podem perder as praças periféricas. Para fortalecer o link, os arqueólogos precisam de mais dados dos arredores das cidades e métodos estatísticos mais rigorosos para interpretá-los, diz ele.

Quando um candidato foi submetido ao rito de iniciação política de Tlaxcallan, ele já provou seu valor na guerra. Durante séculos, o estado estava trancado em batalha contra o Império Mexica (Azteca), cuja capital Tenochtitlan pousava sobre as montanhas a oeste. Lá, no que é agora a Cidade do México, uma linhagem nobre de reis governou a partir de uma grande praça central. Tlaxcallan era a única política na região que se defendia do controle de Mexica, transformando-se em uma ilha econômica e política.

Fontes históricas dizem que os mexica (hoje chamados de aztecas) impôs um bloqueio comercial para enfraquecer seus rivais. Embora Fargher tenha descoberto que alguns bens imperiais, como sal e obsidiana verde, ainda fluíram para Tlaxcallan, fora dez toneladas de cerâmica que ele descobriu na cidade, das quais apenas três ou quatro peças são de estilo mexica. A proporção de isótopos de carbono nos esqueletos recuperados de baixo das praças indica que o milho, que poderia ser produzido localmente e armazenado, dominou as dietas populares , em um grau excepcional, mesmo na Mesoamerica rica em milho. Tudo isso sugere que Tlaxcallan deve ter confiado em seus próprios cidadãos, em vez de comércio ou recursos naturais, para financiar suas atividades.

Nenhuma fonte escrita narra a economia de Tres Zapotes. Mas lá, também, os bens importados eram escassos, diz Pool, o que significa que as quatro facções governantes também devem ter dependido de recursos internos. O padrão é um forte contraste com o antecessor em La Venta, onde os governantes autocráticos controlavam o comércio e gozavam de luxos exóticos.

Ambas as cidades apoiam a crença de Blanton e Fargher de que o melhor preditor de uma regra coletiva é uma fonte de receita interna forte — isto é, impostos. As fontes de receita são certamente difíceis de detectar a partir de artefatos e edifícios. Mas depois de pesquisar trinta sociedades pré-modernas documentadas etnograficamente e historicamente, os pesquisadores descobriram que os estados com fontes de receita interna eram caracterizados por um alto nível de bens e serviços públicos, uma forte burocracia governamental e cidadãos capacitados para julgar as ações do governante. “Quando os contribuintes estão pagando pelo estado, as pessoas encarregadas sabem que têm que fazer o que é certo”, diz Blanton.

Os estados coletivos podem ter outra tendência que pode ser descoberta arqueologicamente: eles atraem pessoas de além de suas fronteiras, que trazem artefatos que podem ser ligados a outras culturas. “Quando você tem uma formação coletiva que é financiada por recursos internos, é do interesse daqueles no governo trazer mais pessoas”, diz Gary Feinman, arqueólogo do The Field Museum em Chicago, Illinois, e um dos co-autores do artigo de Blanton de 1996. A igualdade econômica e os mercados também podem atrair imigrantes para as sociedades coletivas. “As pessoas se movem para onde eles pensam que há uma melhor oportunidade — onde elas podem ganhar a vida, onde seus filhos vão estar melhor do que eles. Isso sempre é uma motivação”, diz Feinman.

Tlaxcallan foi o lar de vários grupos étnicos diferentes, muitos dos quais eram refugiados da dominação mexica, segundo as cronicas espanholas. “Eles foram absorvidos por Tlaxcallan sob a condição de defender o estado”, diz Aurelio López Corral, o arqueólogo que lidera o trabalho no Instituto Nacional de Antropologia e História do México no site. Os melhores guerreiros, independentemente da sua etnia, eram elegíveis para se juntarem ao Senado, caso pudessem suportar o rito de iniciação. “É o oposto do nacionalismo étnico”, diz o arqueólogo David Carballo, da Universidade de Boston (BU).

Os guerreiros de Tlaxcalteca ajudaram os espanhóis a conquistar a cidade central cercada de Tenochtitlan em 1521. O Conquistador Hernán Cortés incluiu este mapa de Tenochtitlan em sua segunda carta à coroa espanhola. Imagem: Newberry Library, Chicago, llinois/Bridgeman Images
Os guerreiros de Tlaxcalteca ajudaram os espanhóis a conquistar a cidade central cercada de Tenochtitlan em 1521. O Conquistador Hernán Cortés incluiu este mapa de Tenochtitlan em sua segunda carta à coroa espanhola. Imagem: Newberry Library, Chicago, llinois/Bridgeman Images

Evidências nem sempre são tão fáceis de serem lidas, no entanto. A cerca de 100 quilômetros de Tlaxcallan encontra-se um sítio monumental muito diferente: Teotihuacan, que dominou o centro do México entre cerca de 100 a.C. a 550 d.C.. A ampla Avenida dos Mortos divide a cidade, alinhada com estruturas imponentes, incluindo as enormes Pirâmides do Sol, Lua e Serpente Emplumada. “Esta é uma grande cidade”, diz o arqueólogo Saburo Sugiyama na Universidade da Prefeitura de Aichi, em Nagakute, Japão, que escavou alguns dos lugares mais emblemáticos da cidade, incluindo as pirâmides. “Havia um governo muito forte que planejava e executou este monumental projeto”. Ele imagina esse líder como um autocrata típico — um rei que exerceu grande poder militar — baseado em parte em armas e imagens belicosas encontradas junto com os restos de um sacrifício humano em massa e na sepultura na Pirâmide da Serpente Emplumada.

No entanto, Linda Manzanilla, arqueóloga da Universidade Nacional Autônoma do México, na Cidade do México, que foi escavada em Teotihuacan desde a década de 1970, vê exatamente a mesma cidade de uma maneira diferente. Ela observa que está disposta em uma grade, com cidadãos comuns que vivem em prédios residenciais padronizados distribuídos regularmente ao longo dela. Grandes avenidas dividiram a cidade em quatro quadrantes, diz ela. Cada quadrante tinha sua própria iconografia — animais voadores, felinos, serpentes ou coiotes — que dominavam sua arte e sua cerâmica; junto da Pirâmide da Lua central foram encontrados os animais sacrificados de cada grupo. A arte não representa líderes ou dinastias individuais, e Manzanilla argumenta que Teotihuacan foi governada por um conselho de quatro líderes, cada um representando um quadrante diferente — um tipo de governo coletivo. Em Teotihuacan, “os grupos são mais importantes do que os indivíduos”, diz ela.

As diferentes interpretações destacam os desafios da aplicação do modelo de Blanton. Smith observa que há sempre alguma ambiguidade quanto ao significado político das características físicas de um local. Por exemplo, a habitação padronizada dos Indus e os sofisticados sistemas de controle de água podem ser vistos como sinais de poder compartilhado, mas também foram interpretados como evidência de controle totalitário. “Até que alguém venha com um modelo rigoroso e aceito por todos, em minha mente, tudo vai ser bastante subjetivo e especulativo”, diz Smith.

David Carballo da BU argumenta que a forma de governo nem sequer pode ser a medida mais importante do que Blanton define como coletividade. Ele aponta para uma enorme oficina de obsidiana que ele escavou em um bairro periférico de Teotihuacan como um sinal de que os plebeus se organizaram no nível das bases, independentemente de quem governasse a Avenida dos Mortos. Isso faz de Teotihuacan uma sociedade coletiva, mesmo que se tenha tido um único rei, argumenta.

Os governos coletivos tendem a subir e cair em ciclosRichard Blanton, Ph.D., antropólogo na Universidade Purdue

Pode ser que sociedades como Teotihuacan simplesmente não se enquadram em categorias básicas, diz Pool. Ou podem mudar as estratégias ao longo do tempo. Em Tres Zapotes, por exemplo, as facções de elite podem ter o poder compartilhado dentro da cidade, mas a capital dominou cidades próximas, que tinham uma praça central no modelo do projeto de Tres Zapotes. Então, lentamente, a autocracia voltou para o próprio Tres Zapotes. Cerca de 1 d.C., os quatro grupos da praça perderam sua coerência arquitetônica e os governantes individuais mais uma vez apareceram na arte da cidade.

Os governos coletivos tendem a subir e cair em ciclos, diz Blanton. Em Oaxaca, o pêndulo político balançou entre coletividade e autocracia a cada 200 a 300 anos, a partir de mudanças nos projetos de locais dominantes e nas histórias registradas por cronistas coloniais. “A democracia não é um acordo único que aconteceu uma vez. Ela vem e vai e é muito difícil sustentar”, diz ele.

A história teve uma ironia especial na manga para a república de Tlaxcallan quando os espanhóis chegaram. Depois de séculos de resistência ao Império Mexica, os Tlaxcaltecas finalmente viram uma oportunidade para destruir seus inimigos. Eles aliaram-se com o conquistador Hernán Cortés, ajudando-o a planejar ataques contra Tenochtitlan e abrigando seu exército após sua derrota esmagadora inicial, o que permitiu que as forças espanholas se reagrupassem e tentassem novamente — e dessa vez com sucesso. “Não tenho certeza de que a conquista teria sido possível sem assistência de Tlaxcallan”, diz Fargher.

Mas assim que os Tlaxcaltecas se tornaram sujeitos da coroa espanhola, a república já havia desaparecido. As pessoas abandonaram suas praças das colinas e se mudaram para o vale, estabelecendo a cidade moderna de Tlaxcala. Quando o México ganhou a independência da Espanha três séculos após a conquista, os tlaxcaltecas foram expulsos como traidores e sua sociedade quase inteiramente esquecida. Demorou mais cem anos antes da revolução para a democracia retornar para a configuração do México. Agora, candidatos ambiciosos mais uma vez lutam por seus futuros políticos — não na praça, mas na urna.

[standout-css3-button href=”http://apoia.se/socientifica”]Considere fazer uma doação à Sociedade Científica[/standout-css3-button]

Texto adaptado do artigo “It wasn’t just Greece: Archaeologists find early democratic societies in the Americas“.

Artigo original de: Lizzie Wade para a Science

Posts relacionados