História & HumanidadeMistério inacabado: por que os antigos construtores abandonaram a construção da esfinge e seu templo

Há evidências que sugerem que tanto a Esfinge como o templo da Esfinge foram deixados inacabados há milhares de anos.
Curiosmos4 meses atrásEsfinge do Egito. (Imagem: Needpix)
https://socientifica.com.br/wp-content/uploads/2019/08/pirâmide-e-esfinge-do-egito-1280x778.jpg

A enigmática Grande Esfinge de Gizé desencadeou uma riqueza de especulações sobre sua idade, seus criadores e seu significado original. Nos últimos dois anos, uma riqueza de escritores postularam teorias indicando que a Esfinge é um remanescente de uma civilização antiga avançada, provavelmente perdida para a arqueologia, que existiu entre 9.000 e 12.000 anos atrás.

Há certos egiptólogos que sustentam que a Esfinge foi construída por Khufu e que é o seu rosto no corpo maciço do leão.

Mas isso pode não ser correto, e a evidência está bem ali; no platô de Giza, onde as três pirâmides principais estão impondo-se.

A partir daí, as missões arqueológicas recuperaram evidências arquitetônicas sólidas que combinam com a Esfinge e seu templo para a fase final de construção do complexo da pirâmide de Khafre. Em outras palavras, a Esfinge e o Templo do Vale, bem como o Templo da Esfinge, foram provavelmente construídos como um projeto singular, logo após a conclusão da pirâmide de Khafre.

Esculpindo a Esfinge

Lehner explica em um artigo que, para esculpir a Esfinge, os antigos construtores formaram uma vala em forma de U, eventualmente libertando uma pedra maciça da qual eles então esculpiram a Esfinge. As pedras resultantes foram usadas nos núcleos das paredes dos templos adjacentes da Esfinge e do Vale.

Evidência geológica indica que a Grande Esfinge foi esculpida diretamente do calcário natural da Formação Mokkatam.

Vala da Esfinge. (Imagem: Shutterstock)

O calcário Mokkatarn, que forneceu aos construtores a maior parte da pedra usada no processo de construção da pirâmide, foi o resultado de um processo de sedimentação que ocorreu há cerca de cinquenta milhões de anos. Para libertar o bloco maciço de pedra que mais tarde formaria o corpo da Esfinge, os antigos pedreiros tiveram que cavar profundamente nas camadas inferiores da superfície.

Este processo resultou no bloco de pedra orientado de Leste para Oeste, residindo dentro de uma vala com uma entrada aberta para Leste, onde os construtores já tinham cortado um terraço. Ao sul de lá fica o templo do Vale do Khafre.

Como observado pelo arqueólogo Mark Lehner, há evidências cristalinas que indicam como a Esfinge, o Templo da Esfinge e o Templo do Vale foram todos esculpidos durante um processo contínuo de construção durante a 4ª Dinastia do Egito.

Mas esta não é uma teoria nova, pois já havia sido proposta já em 1910, quando o templo da Esfinge ainda não estava escavado, ficando abaixo de 15 metros de detritos acumulados. Foi quando Uvo Holscher, o escavador dos templos da pirâmide de Khafre, notou que a Esfinge e o Templo do Vale foram construídos simultaneamente.

Em um estudo detalhado do Templo da Esfinge entre 1967 e 1970, o arquiteto egiptólogo suíço Herbert Ricke sugeriu que a Esfinge, o templo e o Templo do Vale foram criados como parte do mesmo processo de construção e pedreira.

Isto foi confirmado em 1980 por Thomas Aigner, um geólogo da Universidade de Tubingen, que estudou as camadas geológicas na Esfinge e cada um dos 173 blocos centrais no Templo da Esfinge.

O Templo da Esfinge inacabado

O templo da Esfinge foi construído em um amplo terraço que foi esculpido cerca de oito metros abaixo da base original da Esfinge. O templo foi construído usando o mesmo bloco de calcário que a Esfinge e o templo do Vale.

Evidência arqueológica tem sugerido similaridade no traçado entre o Templo da Esfinge e o templo funerário de Khafre, que alguns estudiosos interpretam como um sinal revelador de que ambos foram encomendados por Khafre.

Um estudo geológico abrangente da esfinge e seus templos próximos revelou que os blocos maciços de pedra que foram utilizados para construir o Vale do Templo do complexo de Khefren foram provavelmente extraídos das camadas que atravessam a parte superior da esfinge.

O templo, estranhamente, nunca foi terminado.

De fato, os egiptólogos não conseguiram encontrar um único título de sacerdote ou sacerdotisa que pertencia ao Templo da Esfinge. Esta ausência provavelmente significa que o templo nunca foi usado porque seus construtores o deixaram inacabado.

Acredita-se que os construtores planejaram cobrir as partes externas da parede do templo em granito, mas por alguma razão, o edifício ficou inacabado. Agora, tudo o que resta do templo é o núcleo de calcário erodido.

Por que eles nunca terminaram um templo tão importante permanece um enigma.

Como observado por Lehner, alguém despojou o templo da Esfinge de seu revestimento de granito e piso de alabastro em tempos antigos, e qualquer pessoa que visite hoje pode ver o que os construtores antigos alcançaram nos tempos antigos e até onde o projeto foi concluído.

Esfinge. (Imagem: Shutterstock)

As colocações para as pedras de revestimento individuais cortadas no chão da base das paredes são claramente visíveis hoje em dia, e foi lá que os construtores terminaram de cobrir os gigantescos blocos de pedra calcária com revestimento de granito vermelho.

“Há também soquetes para 24 pilares da colunata, cada um com um poço de granito, e para dois pilares localizados em frente a um santuário central, tanto a leste como a oeste. Acredita-se que toda a composição reflete o sol nascente e poente, e as 24 horas do dia e da noite. Uma vez que os construtores só fizeram tomadas e recortes na altura em que montaram os pilares de granito ou blocos de revestimento, estas características indicam quanto do templo conseguiram completar antes de o abandonarem”.

— Mark Lehner.

Ricke tinha sugerido que os construtores tinham concluído o interior do templo e começavam a trabalhar no seu exterior quando, de repente, abandonaram o trabalho. Prova disso são as marcas de corte dos invólucros das paredes de granito, parando mesmo à saída das portas de entrada do templo.

É como se, apesar de ser um projeto monumental, fosse abandonado e esquecido.

Obra inacabada?

Mas não só a construção do templo foi abandonada.

Mark Lehner escreve que em 1979, durante uma missão arqueológica, ele e Zahi Hawass encontraram provas conclusivas que sustentam a ideia de que os construtores não terminaram de esculpir a vala em torno da Esfinge.

Como os construtores do projeto cortaram o terraço do templo mais abaixo do piso da Esfinge, eles deixaram um leito de rocha vertical formando um corredor com a parede norte do Templo da Esfinge. Olhando para a parte de trás da vala da esfinge, os pesquisadores descobriram que a parte inacabada é uma plataforma de rocha de largura decrescente.

Na verdade, como eles pararam a fase de constituição, eles deixaram evidências para nós encontrarmos hoje.

Quando pararam os trabalhos, deixaram um enorme maciço de duro Membro I (de acordo com a análise geológica, a Grande Esfinge foi esculpida em estratos do Membro II da Mokattam Formation. O Templo do Vale do Khafre e o Templo da Esfinge foram construídos à sua frente, num terraço recortado do membro I), a poucos metros da parte de trás da Esfinge.

As evidências acumuladas levaram Lehner a acreditar que o Templo da Esfinge foi o último grande item deixado inacabado, bem no final do reinado de Khafre.

O fato de que a vala da Esfinge e o Templo da Esfinge ficaram inacabados sugere que foram os últimos itens em construção no reinado de Khafre.

Será que Khafre teria erguido seu belo e bem acabado Templo do Vale ao lado do inacabado Templo da Esfinge e de seu pátio de construção sem limpá-lo? Não, o quadro geral que conseguimos salvar das expedições em larga escala que limparam a Esfinge e os dois templos sugere que todos os três monumentos se originaram do mesmo projeto de longo prazo.

E isso pode muito bem ser verdade, mas a questão que estamos enfrentando aqui é que não há absolutamente nenhum texto escrito, hieróglifos ou mesmo símbolos que possam confirmar as teorias de que foi Khafre quem encomendou uma construção maciça e singular, resultando na Esfinge e seus templos que a acompanham.

Posts relacionados