Neil deGrasse Tyson: “Não compreendemos os aspectos mais fundamentais do nosso universo”

A humanidade, ao que parece, tem muito a aprender.

540 0

Temos nano robôs que viajam dentro de nossos corpos e monitoram nossos órgãos vitais. Temos robôs autônomos que trabalham ao lado de médicos humanos para realizar cirurgias complexas. Existem veículos que atravessam a superfície de Marte e, enquanto você lê isso, os humanos estão orbitando bem acima de você, vivendo no frio vácuo do espaço.

De muitas maneiras, parece que estamos vivendo no futuro. Mas se você perguntar a Neil deGrasse Tyson, parece que somos pouco mais do que crianças tentando segurar raios de Sol em nossas mãos.

Na Cúpula do Governo Mundial em Dubai, em 2018, Tyson fez uma apresentação para uma audiência extasiada. O tópico? Como os humanos definitivamente não irão colonizar Marte (Tyson, se você não está ciente, você é um eterno cético).

Parece apropriado então que, seguindo seu discurso bastante deprimente, ele tenha tido tempo para discutir como os humanos são, de muitas maneiras, completamente ignorantes.

Aqui estão três coisas que, de acordo com Tyson, mostram o quão longe nós ainda temos que ir:

MATÉRIA ESCURA

Uma parte do nosso universo está literalmente ”faltando”. Uma parte bastante significativa, na verdade. Os cientistas estimam que menos de 5% do nosso universo seja composto de matéria comum (prótons, nêutrons, elétrons e todas as coisas que fazem nossos corpos, nosso planeta e tudo o que já vimos ou tocamos). O resto da matéria no nosso universo? Bem, não temos ideia do que é.

“A matéria escura é o problema não resolvido mais antigo da astrofísica moderna”, disse Tyson. Ele continuou com um suspiro pouco incômodo: “Temos noção da existência dela há 80 anos, já é hora de termos uma solução.” No entanto, não estamos nem perto de descobrir.

O problema decorre do fato de que a matéria escura não interage com a radiação eletromagnética (também conhecida como luz). Nós só podemos observá-la por causa de sua influência gravitacional – digamos, por uma galáxia estar girando mais devagar ou mais rápido do que deveria. No entanto, há uma série de experimentos em andamento que buscam detectar a matéria escura, como SNOLAB e ADMX , para que estas respostas possam estar a nosso horizonte.

ENERGIA ESCURA

A energia escura é, talvez, uma das descobertas científicas mais interessantes já feitas. Isto porque ela pode conter a chave para o destino final do nosso universo. Tyson explica isso como “uma pressão no vácuo do espaço forçando a aceleração da [expansão] do universo”. Isso parece confuso? Sim, isso por que ela é de fato confusa.

Se você não esta ciente, todo o espaço está se expandindo – o espaço entre as galáxias, o espaço entre a Terra e o Sol, o espaço entre os seus olhos e a tela do seu computador. Claro, essa expansão é mínima. É tão mínima que nem percebemos quando olhamos para o nosso sistema solar local. Mas em escala cósmica, seu impacto é profundo.

Como o espaço é tão vasto, bilhões de anos-luz de espaço estão se expandindo, fazendo com que muitas galáxias voem para longe de nós a velocidades inimagináveis. E se esse voo continuar, eventualmente o cosmos será nada mais do que um vazio frio, infinitamente frio. Se o processo se inverter, o universo entrará em colapso em um Big Crunch. Infelizmente, não temos absolutamente nenhuma ideia do que acontecerá, já que não temos ideia do que é a energia escura.

ABIOGÊNESE

Nós sabemos muito sobre como a vida evoluiu na Terra. Cerca de 3,5 bilhões de anos atrás, as primeiras formas de vida surgiram. Essas criaturas unicelulares dominaram nosso planeta por bilhões e bilhões de anos. Há pouco mais de 600 milhões de anos, os primeiros organismos multicelulares passaram a habitar o nosso planeta. A explosão cambriana seguiu logo depois e *BOOM* os registros fósseis nasceram. Apenas 500 milhões de anos atrás, as plantas começaram a tomar a terra. Os animais logo se seguiram e aqui estamos nós hoje.

No entanto, Tyson é rápido em apontar que não entendemos o componente mais vital da evolução – o começo. “Ainda não sabemos como passamos de moléculas orgânicas para a vida auto-reprodutora”, disse Tyson, e ele observou como isso é lamentável porque “é basicamente a origem da vida como a conhecemos”. O processo é chamado de abiogênese.

No jargão não científico, trata-se de como a vida surge da matéria não-viva. Embora tenhamos várias hipóteses relacionadas a esse processo, não temos um entendimento abrangente ou qualquer evidência para apoiá-los.

Os maiores mistérios do cosmos são alguns dos mais importantes e mais fundamentais. Assim, quando vamos finalmente descobrir esses enigmas científicos e sair de nossa infância? Tyson se recusa a fazer uma previsão.

Se há uma coisa que ele sabe, é o quão pouco que nós realmente sabemos: “Não sou muito bom em prever o futuro, e observei as previsões de outras pessoas e vi como elas são ruins, mesmo entre aquelas que dizem ”isso eu sei”. Então eu posso dizer a você o que pode chegar acontecer, mas que isso é bem diferente do que eu acho que realmente vá acontecer”. [Futurism]

Publicação arquivada em