Por que a física precisa da filosofia

Como podemos entender o mundo em que nos encontramos? Como o universo se comporta? Qual é a natureza da realidade?… Tradicionalmente, estas são questões para a filosofia, mas a filosofia está morta. A filosofia não...

10534 2

Como podemos entender o mundo em que nos encontramos? Como o universo se comporta? Qual é a natureza da realidade?… Tradicionalmente, estas são questões para a filosofia, mas a filosofia está morta. A filosofia não acompanhou os desenvolvimentos modernos na ciência, em particular a física. Os cientistas tornaram-se os portadores da tocha da descoberta na nossa busca pelo conhecimento. – Stephen Hawking e Leonard Mlodinow.

Esta passagem do livro de 2012 “The Grand Design” desencadeou uma tempestade de fogo (ou pelo menos uma fogueira) de controvérsia. A filosofia foi eclipsada pela ciência na busca da compreensão da realidade? A filosofia apenas se vestiu de misticismo, desconectada da compreensão científica?

Muitas questões sobre a natureza da realidade não podem ser devidamente prosseguidas sem a física contemporânea. O inquérito sobre a estrutura fundamental do espaço, do tempo e da matéria devem ter em conta a teoria da relatividade e a teoria quântica. Os filósofos aceitam isso. Na verdade, vários filósofos líderes da física realizam doutorado em física. No entanto, eles escolheram se afiliar com departamentos de filosofia em vez de departamentos de física porque muitos físicos desestimulam fortemente as questões sobre a natureza da realidade. A atitude reinante na física foi “calar e calcular”: resolva as equações e não faça perguntas sobre o que elas significam.

Platão, Sêneca e Aristóteles em uma ilustração de um manuscrito medieval. Domínio público.
Platão, Sêneca e Aristóteles em uma ilustração de um manuscrito medieval. Domínio público.

Mas colocar a computação antes da clareza conceitual pode levar à confusão. Tome, por exemplo, o “paradoxo gêmeo” icônico da relatividade. Os gêmeos idênticos se separam e depois se reúnem. Quando se encontram novamente, um gêmeo é biologicamente mais velho que o outro. (Os astronautas gêmeos Scott e Mark Kelly estão prestes a realizar esta experiência: quando Scott retornar de um ano em órbita em 2016, ele terá cerca de 28 microssegundos menos do que Mark, que fica na Terra)¹. Nenhum físico competente faria um erro na computação a magnitude desse efeito.

Mas mesmo o grande Richard Feynman não consegue sempre obter a explicação correta. Em “The Feynman Lectures on Physics”, ele atribui a diferença em épocas à aceleração de uma experiência gêmea: o gêmeo que acelera acaba mais jovem. Mas é fácil descrever os casos em que o oposto é verdadeiro, e mesmo os casos em que nem o gêmeo acelera, mas acabam com diferentes idades. O cálculo pode ser correto e a explicação da explicação incorreta.

Se o seu objetivo é apenas para calcular, isso pode ser suficiente. Mas entender as teorias existentes e formular novas exige mais. Einstein chegou à teoria da relatividade, refletindo sobre problemas conceituais e não sobre empíricos. Ele foi principalmente incomodado com as assimetrias explicativas na teoria eletromagnética clássica. Os físicos antes de Einstein sabiam, por exemplo, que mover um ímã dentro ou perto de uma bobina de fio, induziria uma corrente elétrica na bobina. Mas a explicação clássica para esse efeito pareceu ser completamente diferente quando o movimento foi atribuído ao ímã em oposição à bobina; a realidade é que o efeito depende apenas do movimento relativo dos dois. Resolver a assimetria explicativa exigiu repensar a noção de simultaneidade e rejeitar a conta clássica do espaço e do tempo. Requerendo a teoria da relatividade.

Compreender a teoria quântica é um desafio ainda mais profundo. O que a teoria quântica implica em “a natureza da realidade?” Os cientistas não concordam com a resposta; eles ainda discordam sobre se é uma questão sensata.

Os problemas em torno da teoria quântica não são matemáticos. Eles tomam, em vez disso, da terminologia inaceitável que aparece nas apresentações da teoria. As teorias físicas devem ser ditas em terminologia precisa, sem ambiguidade e imprecisão. John Bell fornece uma lista de conceitos insuficientemente claros em seu ensaio “Contra ‘medição”:

Aqui estão algumas palavras que, independentemente do legítimo e necessário na aplicação, não têm lugar em uma formulação com qualquer pretensão de precisão física: sistema, aparelho, ambiente, microscópico, macroscópico, reversível, irreversível, observável, informação, medição.

As exposições de livros de texto da teoria quântica fazem uso gratuito desses termos proibidos. Mas como, no final, devemos determinar se algo é um “sistema”, ou é grande o suficiente para contar como “macroscópico”, ou se uma interação constitui uma “medida”? A atenção de Bell sobre o idioma é a expressão externa da sua preocupação com os conceitos. Teorias físicas bem estabelecidas não podem ser construídas a partir de noções vagas.

Os filósofos esforçam-se pela clareza conceitual. O treinamento deles infunde certos hábitos de pensamento – sensibilidade à ambiguidade, precisão de expressão, atenção aos detalhes teóricos – que são essenciais para entender o que um formalismo matemático pode sugerir sobre o mundo real. Os filósofos também aprendem a detectar as lacunas e elisões nos argumentos cotidianos. Essas lacunas fornecem pontos de entrada para cunhas conceituais: recantos onde alternativas ignoradas podem enraizar e crescer. O éthos² “cala-se e calcula” não promove essa atitude crítica em relação a argumentos; a filosofia faz.

O que a filosofia oferece à ciência, então, não é idéias místicas, mas método meticuloso. O ceticismo filosófico concentra a atenção nos pontos fracos conceituais nas teorias e nos argumentos. Incentiva a exploração de explicações alternativas e novas abordagens teóricas. Os filósofos têm obsessão por ambiguidades sutis de linguagem e sobre o que se segue de tal. Quando os fundamentos de uma disciplina são seguros, isso pode ser contraproducente: basta continuar com o trabalho a ser feito! Mas onde bases seguras (ou novas fundações) são necessárias, o escrutínio crítico pode sugerir o caminho a seguir. A busca de maneiras para juntar a teoria quântica com a relatividade geral certamente se beneficiaria de relatos precisamente articulados dos conceitos fundamentais dessas teorias, mesmo que apenas sugira o que deve ser alterado ou abandonado.

O ceticismo filosófico surge da teoria do conhecimento, o ramo da filosofia chamado “epistemologia”. A epistemologia estuda os fundamentos de nossas crenças e as fontes de nossos conceitos. Muitas vezes, revela pressupostos tácitos que podem revelar-se errados, fontes de dúvida sobre o quanto realmente sabemos. Tendo começado com Hawking, vamos deixar Einstein ter a última palavra:

Como é que um cientista natural devidamente dotado vem se preocupar com a epistemologia? Não existe mais trabalho valioso em sua especialidade? Eu ouço muitos dos meus colegas dizerem, e eu sinto isso por muitos mais, que eles se sentem dessa maneira. Não posso compartilhar desse sentimento…

Conceitos que se mostraram úteis para ordenar as coisas, facilmente conseguem tal autoridade sobre nós que esquecemos suas origens terrenas e as aceitamos como dados inalteráveis. Assim, eles passam a ser carimbados como “necessidades do pensamento”, “dados a priori”, etc. O caminho do avanço científico muitas vezes é infalível por muito tempo por esses erros. Por esse motivo, não é de modo algum um jogo ocioso se formos prevenidos na análise dos conceitos comuns extensos e exibindo as circunstâncias de que depende sua justificação e utilidade, como eles cresceram, individualmente, dos dados da experiência. Por esse meio, sua autoridade tão grande será quebrada.

Referências e notas:

[1] Missão realizada entre 27 de março de 2015 até 2 de março de 2016.

[2] Éthos: conjunto de hábitos ou crenças que definem uma comunidade ou nação.

Escrito por Tim Maudlin com o título Why Physics Needs Philosophy para o site http://www.pbs.org/wgbh/nova/blogs/physics/.

Traduzido e adaptado por Carlos Germano.

Publicação arquivada em