Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Estudo mostra o motivo do tamanho dos cérebros humanos

Pesquisadores da Universidade de Cambridge usaram mini-cérebros para concluir que um gene pode ser responsável pelo tamanho dos cérebros.

tamanho dos cérebros
Com cinco semanas de idade, os organóides do cérebro humano (esquerda) são muito maiores que os de um gorila (canto superior direito) e um chimpanzé (canto inferior direito) (S.Benito-Kwiecinski / MRC LMB / Cell)

Pesquisadores da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, usaram mini-cérebros cultivados em laboratório para estudar o cérebro de primatas. A pesquisa buscava avaliar a origem do tamanho do cérebro dos primatas. Para isso, os pesquisadores analisaram os tecidos cerebrais de gorilas, chimpanzés e humanos. Um gene, nesse sentido, pode ser a chave para entender o sucesso da espécie humana e o tamanho dos cérebros dos primatas.

Primeiramente, Madeline Lancaster e sua equipe cultivaram células cerebrais em seu laboratório. Essas células foram geneticamente modificadas para ter características embrionárias. Isso porque é muito difícil coletar essas células prontas em primatas de forma geral. No entanto, os pesquisadores conseguiram criar células pluripotentes embrionárias a partir de tecidos adultos. Eles então cultivaram essas células até a formação de pequenas estruturas que simulam um cérebro em desenvolvimento.

(Imagem de Christine Sponchia por Pixabay)

Durante o desenvolvimento, contudo, as células do sistema nervoso precisam se dividir algumas centenas de vezes, antes de se espalharem e darem origem a diversas estruturas. Acontece que, de acordo com o estudo, esse mecanismo pode ser atrasado ou adiantado, e isso influencia diretamente o tamanho dos cérebros dos animais.

ZEB2 influencia no tamanho dos cérebros de primatas

O gene ZEB2, por sua vez, faz com que as células percam aderência entre si e se espalhem. Na prática, quando o gene ZEB2 começa a sua expressão, as células do sistema nervoso param de se reproduzir e tomar diversos caminhos para formar todas as estruturas necessárias.

Continua depois da publicidade

Contudo, quando ZEB2 demora um pouco mais para começar sua atividade, as células embrionárias têm mais tempo para se proliferar e crescer. Isso faz com que a o número de células disponível seja muito maior quando ZEB2 finalmente se expressa. É exatamente isso, por conseguinte, que acontece no cérebro dos humanos.

(Imagem de PublicDomainPictures por Pixabay)

Para comprovar essa característica nos mini-cérebros, os pesquisadores ativaram e desativaram ZEB 2 em momentos diferentes em humanos, gorilas e chimpanzés. O resultado foi que, quando ZEB2 era expresso mais cedo nas células nervosas embrionárias humanas, o tamanho dos cérebros miniatura reduzia consideravelmente. Quando os pesquisadores atrasaram ZEB2 nos mini-cérebros dos nossos primos macacos, por outro lado, os cérebros cresceram mais e ficaram mais semelhantes ao dos humanos.

O resultado fornece, portanto, uma peça importante para o quebra-cabeça da evolução humana. O gene ZEB2, provavelmente é apenas um de diversos fatores que levou a espécie humana a dominar o planeta. De uma forma ou de outra, é um bom começo para entender a relação com nossos parentes primatas.

O artigo está disponível no periódico The Cell.

Continua depois da publicidade
Mateus Marchetto
Publicado por

Aluno de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Paraná, professor de inglês, apaixonado por ciência e divulgação científica. Me interesso principalmente pelas áreas de microbiologia, bioquímica e bioinformática.

Comentários

Populares hoje