Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espaço

Satélite chinês ‘encontra’ os locais de pouso dos EUA na Lua

(Imagem: Programa de Exploração Lunar da China (CLEP))

O satélite Chang’e 2 pesquisou os locais de pouso das naves tripuladas do programa Apollo na Lua. As fotos foram publicadas no portal de dados científicos do programa chinês para o estudo da Lua em 2018, mas foram divulgadas apenas em maio de 2020 no livro do divulgador científico russo Vitaliy Egorov, Pessoas na Lua (Люди на Луне), sem tradução para o português.

O Programa de Exploração Lunar da China (CLEP) envolve um estudo das fases do satélite natural da Terra. A primeira etapa – da órbita lunar – foi realizada pelas estações automáticas Chang’e-1 e Chang’e-2 em 2007-2011. Os resultados desses estudos foram gradualmente publicados no site oficial da CLEP. As imagens mais detalhadas de toda a superfície lunar, feitas por Chang’e 2, foram publicadas em um arquivo científico online aberto em 2018.

A resolução da imagem atinge 7 metros, ou seja, eles podem considerar detalhes da superfície desse tamanho ou um pouco menores. Por exemplo, o estágio inferior do módulo lunar Apollo tem cerca de 9 metros de diâmetro. O terreno mais pisoteado pelos astronautas também tinha tamanhos grandes e deveria ser distinguível nas imagens de Chang’e 2.

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Satélite chinês 'encontra' os locais de pouso dos EUA na Lua
(Imagem: NASA)

As fotos estavam ‘escondidas’

Os divulgadores de astronomia e cosmonáutica Vitaliy Egorov e Igor Tirsky conseguiram encontrar todos os dados da Chang’e 2 no arquivo científico chinês e foram capazes de ver todos os módulos lunares americanos do programa Apollo. Os resultados da pesquisa foram publicados no livro de Egorov, em maio de 2020.

“Acho que fui o primeiro a ver essas fotos fora da Academia Chinesa de Ciências. Antes, os cientistas chineses relataram apenas a existência de tais imagens, mas nunca as publicaram oficialmente. Eu as chamo de “seis pontos que mudaram o mundo”, comentou Vitaliy Egorov. 

“Também tentei encontrar os traços das naves soviéticas. Infelizmente, nossos Lunokhods são pequenos demais para serem distinguíveis nessas imagens, mas o local de pouso da Luna 17 é visto como um ponto brilhante.”

Das seis fotos chineses dos locais de pouso da Apollo, os vestígios mais visíveis foram os da Apollo 16, perto da Cratera de Descartes. Devido à superfície, é possível distinguir não apenas o módulo lunar, mas também o local do último estacionamento do veículo espacial lunar LRV (Lunar Roving Vehicle).

Publicidade. A leitura continua abaixo.
Redação
Publicado por

A SoCientífica, abreviação para Sociedade Científica, nasceu em agosto de 2014 da vontade de decifrar as novidades no mundo científico e transmiti-las para uma sociedade que depende da ciência e tecnologia mas que sabe muito pouco sobre elas. Em um momento em que a desconfiança está se sobressaindo e novas ondas negacionistas de evidências surgem, a SoCientífica está empenhada em ajudar a trazer iluminação para a sociedade novamente.

Tecnologia

Cientistas estão trabalhando em um novo tipo de propulsão hipersônica que poderia permitir aviões voarem a mais de 20.000 km/h (Mach 17).

Plantas & Animais

Minúsculas criaturas, os rotíferos bdelóides, ficaram congelados no permafrost por 24.000 anos e foram recentemente trazidos de volta à vida, produzindo clones em um...

Notícia

Por muitos anos, a ecolocalização humana tem sido uma forma de percepção para pessoas que perderam a visão. Apesar disso, poucas pesquisas reforçavam essa...

Plantas & Animais

Raças menores de cães geralmente apresentam comportamentos mais instáveis. Pode haver, portanto, diversos motivos para cachorros pequenos serem ferozes.