Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Ratos-toupeira-pelados se comunicam em dialetos

Pode-se até dizer que estes animais são xenófobos extremos.

Ratos-toupeira-pelados e seus dialetos variados
Ao longo de milhões de anos, os ratos-toupeiras pelados jogaram fora tudo no subsolo que usa sua energia e não é necessário para sobreviver. Isso inclui sua pele - mas também resulta em habilidades surpreendentes. (Felix Petermann, MDC)

Algumas pessoas conversam em chinês, enquanto outras falam escocês, mas não são apenas os humanos que podem ser identificados pela diversidade da língua que falam. Os ratos-toupeira-pelados também têm seus próprios dialetos. O dialeto compartilhado também reforça a coesão dentro de uma colônia, uma equipe liderada pelo pesquisador do MDC, Gary Lewin, relata em um estudo na revista Science.

Os ratos-toupeira-pelados são criaturas muito comunicativas. Se você ficar do lado de fora de sua casa, você pode ouvir os pequenos roedores chilreando, rangendo, gorjeando ou até mesmo grunhindo uns para os outros. “Queríamos descobrir se estas vocalizações têm uma função social para os animais, que vivem juntos em uma colônia ordenada com uma rigorosa divisão do trabalho”, diz o Professor Gary Lewin, chefe do Laboratório de Fisiologia Molecular de Sensação Somática do Centro Max Delbrueck de Medicina Molecular da Associação Helmholtz (MDC).

Os ratos-toupeira-pelados estrangeiros não são bem-vindos!

Lewin trabalhou com a Dra. Alison Barker de sua própria equipe e outros pesquisadores do MDC e da Universidade de Pretória na África do Sul – Professor Nigel Bennett e Dr. Daniel Hart- para analisar mais de perto os chilros que os ratos-toupeiras-pelados usam para se cumprimentar uns aos outros. “Ao fazer isso, estabelecemos que cada colônia tem seu próprio dialeto”, relata Barker, autor principal do estudo publicado na Science. “O desenvolvimento de um dialeto compartilhado fortalece a coesão e o sentimento de pertença entre os ratos-toupeira-pelados de uma colônia específica”.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Relacionado: Ratos-toupeira-pelados invadem colônias vizinhas e roubam filhotes e os escravizam

Os estrangeiros não são bem-vindos em uma colônia de ratos-toupeira-pelados estabelecida. “Pode-se até dizer que estes animais são xenófobos extremos”, diz Lewin, que tem estudado ratos-toupeira-pelados por cerca de 20 anos no MDC. “Este comportamento é provavelmente resultado da permanente escassez de alimentos nas planícies secas do habitat da África Oriental deste animal. Dentro de sua própria colônia, no entanto, os roedores trabalham juntos de forma harmoniosa. Cada um conhece sua posição e as tarefas que tem que realizar – e geralmente as realiza de forma confiável.

Ratos-toupeira-pelados se comunicam por dialetos
Os ratos-toupeira-pelados são criaturas muito comunicativas, eles gorjeiam, guincham, gorjeiam ou até grunhem uns para os outros. Os cientistas queriam saber se essas vocalizações têm uma função social para os animais. (Felix Petermann, MDC)

Cada rato-toupeira-pelado tem sua própria voz

A fim de analisar a linguagem dos ratos-toupeira-pelados, durante um período de dois anos a equipe de Lewin registrou um total de 36.190 chilros feitos por 166 indivíduos de sete colônias destes animais mantidas em laboratórios em Berlim e Pretória. O colega de Lewin e Barker, o matemático Grigorii Veviurko, que agora está na Universidade de Tecnologia Delft na Holanda, usou um algoritmo para analisar as propriedades acústicas das vocalizações individuais. “Isso nos permitiu coletar e comparar oito fatores diferentes, como a altura ou o nível de assimetria no espectrograma sonoro”, explica Lewin.

Veviurko também desenvolveu um programa de computador que, após um período inicial de treinamento, foi capaz de detectar de forma muito confiável de quais ratos cada chilro vinha. “Então sabíamos que cada rato-toupeira-pelado tem sua própria voz”, diz Barker. “O que não sabíamos, entretanto, era se os animais podiam reconhecer uns aos outros a partir de suas vozes”.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Relacionado: Os ratos evitam machucar outros ratos sempre que possível

O programa de computador, que usa IA, não identificava os animais apenas com base em suas vozes individuais: “Ele também detectou semelhanças nos tipos de sons feitos dentro de uma única colônia”, diz Lewin. Portanto, o programa também foi capaz de identificar de qual colônia um indivíduo específico veio. “Isso significava que cada colônia provavelmente tinha seu próprio dialeto distinto”, diz Barker. Mas naquele momento, a equipe de pesquisa ainda não sabia se os animais estavam cientes disso e se podiam reconhecer seu próprio dialeto e distingui-lo dos outros.

Ratos-toupeiras pelados têm seu próprio dialeto
Os ratos-toupeira-pelados são animais eussociais. Dentro de suas colônias, existe uma hierarquia estrita que afeta a maneira como os roedores se superam em seus túneis. Eles também chilreiam constantemente – por exemplo, para cumprimentar uns aos outros. (Colin Lewin)

Uma preferência por familiares e conhecidos

A fim de descobrir essas duas coisas, Barker realizou várias experiências. Na primeira, ela colocou repetidamente um rato toupeira nu em duas câmaras, conectado através de um tubo. Em uma câmara, o chilro de outro rato-toupeira-pelado podia ser ouvido, enquanto a outra câmara ficava em silêncio. “Observamos que os animais sempre se dirigiam imediatamente para a câmara onde os chilreios podiam ser ouvidos”, diz Barker. Se os sons fossem feitos por um indivíduo da própria colônia do sujeito do teste, ele daria uma resposta vocal imediata, mas se fossem feitos por um indivíduo de uma colônia estrangeira, o rato toupeira permaneceria em silêncio. “Isso nos permitiu inferir que os ratos toupeira nus podem reconhecer seu próprio dialeto e responderão seletivamente a isso”.

Para garantir que os sujeitos do teste respondessem ao dialeto e não à voz de um indivíduo conhecido por eles, os pesquisadores deliberadamente criaram sons artificiais. Estes continham características de cada dialeto, mas não se assemelhavam à voz de um indivíduo específico. “Os ratos-toupeira pelados produziam resposta vocal aos chilreios desenvolvidos pelo computador”, relata Barker. E a experiência funcionou mesmo quando a câmara onde o dialeto familiar e confiável podia ser ouvido recebeu o cheiro de uma colônia estrangeira. “Isso demonstrou que os ratos-toupeiras pelados estavam respondendo especificamente ao dialeto e não ao cheiro, e que eles têm uma reação positiva ao ouvir seu próprio dialeto”, diz Lewin.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

Os filhotes adotados aprendem o dialeto de sua nova colônia

Em outros experimentos, os pesquisadores colocaram três filhotes órfãos de ratos-toupeira-pelados em colônias estrangeiras onde a rainha – a única fêmea da colônia que se reproduz – também teve uma ninhada recentemente. “Isso garantiu que os recém-chegados não seriam atacados”, explica Barker. “Seis meses depois, nosso programa de computador mostrou que os filhotes adotivos haviam adquirido o dialeto de seu novo lar”.

Relacionado: Gatos conseguem entender seus próprios nomes, mostra estudo

Foi mais por acaso que a equipe descobriu outro fato interessante: uma rainha toupeira pelada não é apenas responsável pela reprodução em sua colônia, ela também desempenha um papel decisivo no controle e na preservação da integridade do dialeto. “Durante o curso do estudo, uma de nossas colônias perdeu duas rainhas dentro de uma sucessão relativamente rápida”, diz Lewin. “Na anarquia que se seguiu, observamos que as vocalizações dos outros ratos-toupeiras pelados na colônia começaram a variar muito mais do que de costume. A coesão dialética foi assim grandemente reduzida e só voltou alguns meses depois, com a ascensão de outra fêmea de alto escalão como a nova rainha”.

Publicidade. A leitura continua abaixo.

A percepção do funcionamento básico da cultura humana

“Seres humanos e ratos toupeiras nus parecem ter muito mais em comum do que alguém poderia ter pensado anteriormente”, conclui Lewin. “Os ratos-toupeira-pelados têm uma cultura linguística que se desenvolveu muito antes que os seres humanos existissem. O próximo passo é descobrir que mecanismos no cérebro dos animais sustentam esta cultura, porque isso poderia nos dar uma visão importante de como a cultura humana evoluiu”.

Damares Alves
Publicado por

Apaixonada pela natureza, me tornei redatora e hoje escrevo exclusivamente sobre ciência. Meu objetivo é que todos possam ter acesso a pesquisas importantes e descobertas incríveis que são realizadas todos os dias.

Notícia

Durante o desenvolvimento embrionário, os mamíferos (a maioria deles) crescem na cavidade do útero da mãe. Esse ambiente vai se dilatando e desenvolvendo ao...

Mundo Estranho

O jovem de 23 anos Eik Júnior Monzilar Parikokoriu precisou percorrer nove quilômetros com a ave presa à garganta até chegar num pronto-socorro.

Saúde & Bem-Estar

Os exercícios de alta intensidade de intervalos (HIIT) se tornaram populares nos últimos anos por uma série de razões. Eles não exigem tanto tempo...

Espaço

Planeta Nove? Plutão deixou de ser planeta? Descubra agora quantos e quais são planetas do Sistema Solar.