Connect with us

Hi, what are you looking for?

Plantas & Animais

Os ratos evitam machucar outros ratos sempre que possível

Ratos evitam ferir outros ratos
Humanos e roedores têm comportamentos semelhantes com relação a empatia. (imagem: Pixabay)

Diversas pesquisas realizadas com ratos de laboratório demonstram as semelhanças entre humanos e roedores, além de estudos com ratos ajudarem em pesquisas sobre diversas doenças.

Este estudo demonstra que humanos e ratos têm estruturas cerebrais semelhantes que regulam a empatia. Isso sugere que o comportamento está profundamente enraizado na evolução dos mamíferos.

Em um estudo publicado em 5 de março na revista Current Biology, ratos foram treinados a puxar alavancas para obter saborosos flocos de açúcar. Vamos entender melhor como os testes funcionaram e a relação entre os ratos e nós, humanos.

Continua depois da publicidade

Relação de empatia

ratos de laboratório

Temos uma característica conhecida como aversão ao dano, regulada por uma parte do cérebro chamada córtex cingulado anterior (CCA).

Mas, dessa vez, os cientistas descobriram que o CCA é necessário para a aversão ao dano em uma espécie não humana também.

No estudo, quando os ratos puxavam a alavanca escolhida, seu rato vizinho levava um pequeno choque. Ao perceber isso, vários dos ratos pararam de puxar a mesma alavanca e mudaram para outra.

Continua depois da publicidade

Essa semelhança entre os cérebros humano e de ratos é super estimulante, na visão do coautor do estudo Christian Keysers, do Instituto Holandês de Neurociência.

A descoberta pode ter impacto real em pessoas que sofrem de transtornos psiquiátricos, como psicopatia e sociopatia, cujos córtex cingulados anteriores estão prejudicados.

Ratos de laboratório no estudo

teste em ratos

Atualmente, não temos medicamentos eficazes para reduzir a violência em populações antissociais, afirma Keysers. Então, descobrir como aumentar a aversão desses pacientes em ferir os outros pode ser uma ferramenta poderosa.

Continua depois da publicidade

Para o primeiro experimento, Keysers e sua equipe treinaram 24 ratos de ambos os sexos para empurrar duas alavancas diferentes que produziriam alguma guloseima, até que os animais escolhessem a sua alavanca preferida.

Nesse ponto, os cientistas mudaram o experimento para, quando um rato pressionasse a alavanca escolhida e pegasse seu doce, um rato vizinho levasse um choque no pé.

experimento com ratos

Nove dos ratos ouviram seus companheiros gritarem e imediatamente pararam de empurrar a alavanca preferida e mudaram para a outra, que ainda entregava doces.

Continua depois da publicidade

Os ratos de laboratório do estudo mostraram uma variedade de respostas ao experimento, o que surpreendeu Keysers.

Por exemplo, um rato parou de usar qualquer alavanca assim que registrou o primeiro choque, aparentemente angustiado. Alguns outros pareceram indiferentes de qualquer maneira, diz ele.

Essa variabilidade também sugere a semelhança dos ratos com as nossas diferenças individuais.

Continua depois da publicidade

Também como os humanos, os ratos têm limites para a sua empatia. Quando a recompensa para os ratos aumentava para três balas, os ratos que haviam trocado a alavanca e evitado machucar seus colegas de experimento deixaram de fazê-lo.

Para a segunda parte do experimento, Keysers e sua equipe usaram anestesia para entorpecer temporariamente o córtex cingulado anterior dos ratos que mostraram a aversão ao dano no colega vizinho.

Curiosamente, ao repetir o experimento, esses ratos pararam de ajudá-los.

Continua depois da publicidade

A descoberta levanta a questão se os ratos tentam se acalmar (tendo uma atitude egoísta) ou se realmente são altruístas e querem reduzir o sofrimento do outro.

Keysers diz que essa é uma pergunta tão difícil de responder quanto é explicar as boas ações humanas e complexas.

O estudo foi publicado na revista Current Biology.

Continua depois da publicidade

 

 

 

Continua depois da publicidade
Amanda dos Santos
Publicado por

Trabalha como redatora e produtora de conteúdo. Graduada em Comunicação Social e atua como colaboradora na SoCientífica.


Populares hoje

Mente & Cérebro

Pela primeira vez, pesquisadores conseguiram estudar o momento em que a morte cerebral se torna irreversível no corpo humano, observando o fenômeno em vários...

Plantas & Animais

No fim da década passada, em 2007, cientistas russos, húngaros e norte-americanos recuperaram sementes congeladas de Silene stenophylla, enquanto avaliavam aproximadamente 70 antigas tocas...

Mundo Estranho

Esta semana moradores da cidade de Cracóvia, na Polônia teriam se trancado em casa assustados com uma ‘criatura aterrorizante’ que estaria escondida nas árvores perto...